Light (LIGT3) elege novo Conselho de Administração indicado por gestora associada a Tanure

O novo conselho, com mandato até abril de 2025, aumentou de sete para nove integrantes, passando a contar com quatro novos nomes

Reuters

Light (Foto: Divulgação)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – Acionistas da Light (LIGT3) elegeram em assembleia nesta terça-feira uma nova composição do conselho de administração da companhia, com nove membros e quatro novos nomes, entre eles o empresário Nelson Tanure.

Com 89,4% dos votos, foi eleita a chapa indicada pela WNT, gestora que é hoje a principal acionista da elétrica e está associada aos interesses de Tanure. Ela contou com o apoio dos outros dois grandes acionistas da companhia, os fundos Samambaia, de Ronaldo Cezar Coelho, e Santander PB FIA 1.

O novo conselho, com mandato até abril de 2025, aumentou de sete para nove integrantes, passando a contar com quatro novos nomes: Nelson Tanure, Hélio Costa, Pedro de Moraes Borba e Wendell Oliveira.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Completam o colegiado Firmino Sampaio, Abel Rochinha, Helio Ferraz, Yuiti Lopes e Rafael Manhães Martins, que já eram membros desde a eleição realizada em abril.

Em nota após a eleição do conselho, a Light disse que seus três principais acionistas reforçaram a confiança na atual diretoria da Light e se comprometeram a “trabalhar, todos juntos, na busca de soluções que garantam a manutenção e continuidade da prestação dos serviços da companhia, em benefício de todo o grupo e de seus stakeholders”.

Leia mais:

Continua depois da publicidade

A reformulação do conselho da Light ocorre em meio à recuperação judicial da companhia, que tenta reduzir sua dívida financeira da ordem de 11 bilhões de reais.

A elétrica apresentou na sexta-feira passada um plano com seis alternativas de pagamento aos credores, entre elas o pagamento antecipado à vista com desconto mínimo de 60% e a emissão de novos instrumentos de dívida com desconto de 20%. A proposta foi mal recebida por parte dos credores debenturistas.