Juros futuros sobem em dia de ajustes e desconforto com reoneração

Desde o início da sessão o viés para as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) era positivo, apesar de no exterior os rendimentos dos Treasuries estarem em baixa

Reuters

(Pexels)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – As taxas dos DIs fecharam a quarta-feira em alta, na contramão do exterior, com investidores ajustando posições após o recuo firme visto na véspera e em meio a certo desconforto com as idas e vindas, no Congresso, da proposta do governo de reoneração da folha de pagamentos.

Desde o início da sessão o viés para as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) era positivo, apesar de no exterior os rendimentos dos Treasuries estarem em baixa. Dois profissionais ouvidos pela Reuters pontuaram que, após o forte recuo da terça-feira, era de se esperar algum ajuste na sessão desta quarta. “Ontem o mercado tinha ido muito… houve um rali, mas hoje está ajustando”, comentou o economista-chefe da Way Investimentos, Alexandre Espirito Santo.

Segundo ele, também pesava nos negócios certo mal-estar do mercado com a decisão do governo de transferir a proposta de reoneração da folha de pagamentos de 17 setores de uma medida provisória para um projeto de lei.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na noite de terça-feira, com os mercados já fechados, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, informou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou a retirada, da MP, da proposta de reoneração, que agora será novamente apresentada ao Congresso por meio de projeto de lei em regime de urgência.

Na prática, o movimento mantém, pelo menos por enquanto, a desoneração dos 17 setores — algo que vem sendo criticado pelo governo em função de seu peso fiscal. “Tem um grande mal-estar (no mercado), e não só com a reoneração. Há também as renovadas sugestões de Lula em relação à Vale, a antecipação da disputa pela presidência da Câmara (marcada para 2025) — tudo isso causa turbulência desnecessária”, citou Espirito Santo.

Também na terça-feira, em entrevista para a RedeTV!, Lula criticou duramente a administração da Vale e cobrou mais responsabilidade da mineradora, tanto no pagamento de ações indenizatórias quanto na produção. O presidente defendeu ainda que as empresas se alinhem ao modelo de desenvolvimento do governo.

Continua depois da publicidade

Neste cenário, a taxa do contrato de DI para janeiro de 2027, que havia cedido 10 pontos-base na véspera, subiu cerca de 4 pontos-base nesta quarta-feira, em meio a ajustes de preços.

No fim da tarde, o Tesouro informou que o governo central registrou superávit primário de 79,3 bilhões de reais em janeiro, ante um saldo positivo de 78,9 bilhões de reais no mesmo mês do ano passado. O governo central compreende as contas de Tesouro, Banco Central e Previdência Social.

Após a divulgação dos números, as taxas dos DIs chegaram a reacelerar as altas, embora os picos da sessão tenham sido vistos no início da tarde.

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10%, ante 9,975% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 9,835%, ante 9,804% do ajuste anterior.

Já a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,045%, ante 10,006%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,305%, ante 10,276%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,73%, ante 10,711%.

Perto do fechamento a curva a termo brasileira precificava 89% de chances de o corte da taxa básica Selic em março ser de 50 pontos-base, como vem sinalizando o Banco Central. Atualmente a Selic está em 11,25% ao ano.

No exterior, o viés para os yields dos Treasuries era negativo, com investidores à espera da divulgação do índice de inflação PCE na quinta-feira nos Estados Unidos.

Pela manhã, o Departamento do Comércio informou que o PIB norte-americano cresceu a uma taxa anualizada de 3,2% no último trimestre, em taxa revisada ligeiramente para baixo em relação ao ritmo de 3,3% divulgado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que o crescimento do PIB não fosse revisado. A modesta revisão para baixo refletiu um rebaixamento do investimento em estoques privados.

Às 16:51 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos –referência global para decisões de investimento– caía 3,50 pontos-base, a 4,2796%.