Tempo Real

JBS já afunda 16% em 6 dias, na mira do TCU; “novata” do Ibovespa sobe 3%

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta terça-feira

Por  Paula Barra

12h05: Vale (VALE3, R$ 13,11, -0,46%; VALE5, R$ 10,56, -0,66%)
As ações da Vale até tentaram operar no positivo, mas voltaram a seguir o movimento de queda na Bolsa, em dia de Vale Day em Nova York – reunião anual com analistas e investidores -, e queda do minério de ferro. 

A mineradora já deu uma prévia do que está por vir no evento, programado para começar às 16h30 (horário de Brasília). A companhia cortou nesta manhã sua projeção de produção de minério para uma faixa entre 340 milhões e 350 milhões de toneladas para 2016 e cortou investimento pelo 5° ano seguido, segundo comunicado ao mercado. A previsão da produção anterior, divulgada em dezembro de 2014, era de até 376 milhões de toneladas. A estimativa média de 3 analistas consultados pela Bloomberg era de 344 milhões de toneladas.

A companhia disse ainda, em comunicado, que o acidente na Samarco deve ter um impacto total de US$ 443 milhões em 2016. 

As ações da companhia reagem hoje também à queda de 1,7% do minério de ferro no porto de Qingdao, na China, que fechou cotado a US$ 42,24 a tonelada.  

11h30: JBS (JBSS3, R$ 11,96, -3,70%)
As ações da JBS seguem para sua sexta queda seguida, acumulando perdas de 16% no período e batendo seu menor patamar desde fevereiro deste ano. A empresa é impactada por notícias de que o TCU (Tribunal de Contas da União) encontrou indícios de favorecimento da empresa em operação com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). 

Segundo coluna do Lauro Jardim, do jornal O Globo, o deputado Alexandre Baldy pediu ao TCU a íntegra da auditoria nos empréstimos do BNDES ao grupo JBS. Baldy acredita que ali pode haver fermento para estender a CPI do BNDES, já que sem isso a comissão termina essa semana.  

10h50: Embraer (EMBR3, R$ 29,78, -2,04%)
As ações da Embraer caem após ter sua recomendação reduzida para underperform (desempenho abaixo da média) pelo Bradesco BBI, com preço-alvo de US$ 30,00 para seus ADRs (American Depositary Receipts), frente US$ 36,00 anteriormente.  

10h10: Estácio (ESTC3, R$ 13,55, +1,04%) 
As ações da Estácio amenizam ganhos após subir 3,2% com a notícia de aprovação de novos polos de ensino a distância. A companhia passa a ter 231 polos de ensino a distância, após a aprovação de mais 61 no fim de novembro, informou a companhia na segunda-feira. A Universidade Estácio de Sá (Unesa) teve mais 45 polos de apoio presencial credenciados para oferta de cursos superiores na distância, conforme publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial da União. Outros 16 polos foram aprovados para o Centro Universitário Estácio de Santa Catarina, informou a companhia. Até o fim de setembro, a Estácio tinha 170 polos autorizados. 

10h09: 1ª prévia do Ibovespa
As ações da BR Properties (BRPR3, R$ 10,32, -1,24%), Santander (SANB11, R$ 14,61, -1,28%) e Gol (GOLL4, R$ 3,39, -0,59%) caem após serem excluídas da 1ª prévia do Ibovespa, divulgada hoje, que vai vigorar de janeiro a abril. Por outro lado, a Weg (WEGE3, R$ 15,50, +1,97%) – única ação incluída no índice – registra alta hoje. Vale menção que as ações da Souza Cruz (CRUZ3, R$ 27,59, -0,04%) também deixaram o índice, mas por conta da OPA (Oferta Pública de Aquisição) de suas ações.  

As ações da Weg sobem pela segunda vez em três dias, que tem no radar também um contrato para fornecer aerogeradores para o complexo Santo Inácio, da Aliança, parceria entre Vale e Cemig.

Já sobre a BR Properties um acionista marcou para hoje um “block trade” para vender ações entre às 16h45 e 17h. De acordo com o comunicado enviado à BM&FBovespa, o vendedor pretende se desfazer de um total de 17.800 ações – o que corresponde a 5,96% dos papéis da BR Properties em negociação na Bolsa -, a um preço de R$ 10,22 por ação. 

Compartilhe