Bear market

Investidores de Bitcoin com foco no longo prazo se mostram resilientes em cenário de forte sell-off

De acordo com a Coinbase, investidores de longo prazo são menos propensos a vender a criptomoeda durante períodos turbulentos

Por  CoinDesk -

Investidores de Bitcoin (BTC) com foco no longo prazo mantiveram suas participações na criptomoeda nas últimas semanas mesmo diante do forte sell-off, quando os especuladores fugiram do mercado e levaram a moda digital a cair abaixo de US$ 20 mil.

De acordo com David Duong, chefe de pesquisa institucional da Coinbase, as vendas recentes de BTC foram realizadas quase que exclusivamente por investidores de curto prazo.

Isso mostra, segundo ele, que os investidores mais persistentes têm confiança de que a criptomoeda sobreviveria no que parece ser um mercado de baixa induzido pelo Federal Reserve. Além disso, sinaliza que os investidores acreditam que a moeda eventualmente prosperaria como uma alternativa fiduciária ou ouro digital.

Em relatório com a perspectiva mensal publicado na terça-feira (12), o especialista diz ver com bons olhos a manutenção das posições em Bitcoin. Ele diz funcionar como um indicador de sentimento positivo, garantindo o equilíbrio entre a demanda e a oferta diante da venda de especuladores – algo comum em um mercado em baixa (bear market).

Leia mais:
6 sinais para saber se o Bitcoin já alcançou o fundo, segundo especialistas

Dados on-chain (da blockchain) rastreados pela Coinbase Analytics mostram que os investidores agora detêm cerca de 77% dos 21 milhões referentes à oferta total de BTC. Embora o número esteja ligeiramente abaixo dos 80% apresentados no início de janeiro, ainda está bem acima do pico de 60% observado durante o auge do mercado, no final de 2017.

Os dados também mostram que uma quantidade significativa de riqueza foi distribuída de especuladores ou traders para investidores com horizonte médio de 3,5 anos.

Diferentemente dos investidores de longo prazo – definidos pela Coinbase como as carteiras que detêm a cripto por pelo menos seis meses –, os especuladores e traders são mais sensíveis a fatores macroeconômicos, como mudanças na política do Fed, por exemplo. Isso porque compram ativos por pequenos períodos de tempo visando lucrar com oscilações de preços de curto prazo.

Mercado em baixa

No ano, o Bitcoin cai cerca de 60% e já perdeu metade do seu valor, chegando a ser negociado abaixo de US$ 20 mil, principalmente devido à decisão do banco central americano de retirar a liquidez para combater a alta inflação.

O êxodo de liquidez expôs práticas de gerenciamento de risco defeituosas no ecossistema de criptomoedas, forçando muitas mineradoras – responsáveis pela cunhagem de moedas – a venderem suas participações para permanecerem solventes.

O Three Arrows Capital (3AC), hedge fund cripto que ostentava bilhões de dólares em ativos sob gestão no início deste ano, teve seu fundo recentemente liquidado. A falência do fundo atingiu diversas empresas de criptomoedas proeminentes, incluindo a plataforma de empréstimos Voyager Digital e a Celsius Network.

“As preocupações com a solvência forçaram um acúmulo de perdas realizadas, expondo vulnerabilidades em outras partes do ecossistema de criptomoedas”, observou Duong, no relatório.

Por volta das 8h (horário de Brasília), o Bitcoin era negociado perto de US$ 19.770, uma alta de 0,63% em 24 horas.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe