Queda de 60% em 2022

6 sinais para saber se o Bitcoin já alcançou o fundo, segundo especialistas

À medida que os investidores enfrentam um forte sell-off nos ativos de risco, muitos procuram sinais de que o Bitcoin atingiu o fundo do poço

Por  CoinDesk -

O Bitcoin (BTC) atingiu o patamar de quase US$ 69 mil em novembro de 2021, levando à última comemoração da forte alta do mercado entre 2020 e 2021. Desde então, o preço da cripto caiu, sem um fundo do poço à vista. Mas há uma forma de determinar qual é o piso neste cenário de forte sell-off?

Muitos traders e investidores são atraídos pela busca do momento exato do piso (marcação a mercado). Isso porque, como tal patamar marcaria o menor preço para o criptoativo em um determinado ciclo, qualquer alta implicaria um resultado líquido positivo.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Mas tentar cronometrar o menor preço pode ser uma tarefa inútil, dado que “o fundo geralmente só é óbvio em retrospectiva, assim como o topo”, disse o trader de criptomoedas e educador de pseudônimo Cred ao CoinDesk. No ano, o Bitcoin acumula queda de quase 60%.

O CoinDesk pediu a traders e investidores experientes sinais de qual seria o fundo do poço para o preço do Bitcoin, se o fundo importa e quais alternativas os investidores e traders de varejo podem procurar.

Condições macro

A correlação de preços do Bitcoin com as ações dos Estados Unidos está no maior nível histórico. A maior criptomoeda do mundo é negociada praticamente como uma grande ação de tecnologia listada na Nasdaq e, portanto, analisar o movimento do preço do Bitcoin deve levar em consideração as condições macroeconômicas que sustentam a economia do mundo real.

“Um grande sinal de fundo do Bitcoin, em minha opinião, é quando vemos dados nos mostrando que a inflação está se inclinando para baixo de maneira convincente”, disse ao CoinDesk Marcus Sotiriou, analista da corretora de ativos digitais GlobalBlock. “Eu seria cauteloso até que a inflação começasse a cair, pois aprendemos que o Federal Reserve é rei quando se trata de ativos de risco como cripto, e a dor do aperto monetário ainda pode se arrastar por vários meses.”

Considerando que grande parte do movimento do preço do Bitcoin está relacionada às condições macro, é mais sensato observar qual seria o pior dos cenários. Mas cronometrar isso também não é uma tarefa fácil.

“Não acho que podemos estar convencidos de um piso no cenário macro até que o Federal Reserve amenize o aumentos das taxas”, disse Sotiriou. O mercado só ganhará confiança se o banco central americano mudar seu posicionamento. “Podemos ver um exemplo dessa relação quando o Bitcoin fez um movimento significativo fora das mínimas”, disse.

Busque sinais técnicos

Existem algumas características comuns nos menores preços do Bitcoin. “O menor preço em 2015 veio depois de [o BTC] ser mantido dentro de uma faixa de preço apertada por um ano, e o piso de 2019 veio após um período de três meses de baixa volatilidade”, disse Josh Olszewicz, chefe de pesquisa da gestora de fundos de criptomoedas Valkyrie Investments, ao CoinDesk.

“Os pisos normalmente levam tempo para se formar, porque o volume de compradores e vendedores eventualmente chega a um equilíbrio até que a demanda ultrapasse a oferta”, disse Olszewicz. Em termos técnicos, esses períodos prolongados são chamados de “acumulação”.

Leia mais:
Bitcoin está descontado e oferece oportunidade para acumulação, sugerem indicadores on-chain

Os mercados de criptomoedas costumam ser voláteis com movimentos extremos de preços. Mas às vezes eles se tornam maçantes e negociam de lado: você acorda, verifica o preço e é apenas uma mudança de 0,1%. Olszewicz disse que os preços mais baixos do Bitcoin seguiram historicamente “períodos prolongados de baixa volatilidade e movimentos de preços desinteressantes”.

Os sinais de acumulação incluem “diversos alcances na média móvel de 200 semanas, bem como manter abaixo do preço do Bitcoin realizado, ou preço médio agregado de todas as moedas movidas na on-chain [da blockchain]”, explicou Olszewicz.

“Em vez de tentar cronometrar qual será o menor valor, os investidores mais experientes olham muitas vezes para esses sinais técnicos nos mercados anteriores de baixa, e começam a calcular o custo médio do dólar quando condições semelhantes acontecem.”

Pense em faixas de preço

De acordo com especialistas, em vez de imaginar o piso como um único valor, o mais útil pode ser pensar em termos de faixas de preço.

“Muitos traders tentam cronometrar fundos ou topos exatos, e muitas vezes falham em fazê-lo”, disse o trader de pseudônimo ChimpZoo ao CoinDesk. “Em vez disso, eles devem procurar períodos de supervalorização e subvalorização e negociar de acordo com isso.”

Períodos de desconto, por exemplo, são historicamente marcados por grandes vendas de Bitcoin, como o colapso visto no início da pandemia de Covid-19 ou em novembro de 2018. “Se você comprou a US$ 3.200 ou US$ 3.800 em 2018, ou a US$ 6.200 em 2020 não fez diferença”, disse.

Já nas quedas de meados de 2022, empresas e credores de criptomoedas que estavam superalavancados tiveram que desistir de posições. Eles alegaram que os preços estavam a “níveis-chave de desconto” e que “quando sairmos desse intervalo na próxima semana ou em três meses, difícil prever, esses preços baixos serão vistos como um presente no futuro”.

Cuidado com o fundo do poço

É preciso ficar atento ao piso e não achar que o menor patamar irá funcionar como um trampolim. Uma vez que o mercado atinge o fundo do poço, ele não salta imediatamente; pode demorar um pouco para que uma nova tendência de alta comece.

“Mesmo que os preços caiam, o mercado pode continuar cedendo se for seguido por um período de baixa volatilidade, iliquidez e assim por diante”, disse Cred. Ele descreve o piso como “onde a dor para” e a nova tendência de alta, como “onde a riqueza é feita”. Pode, contudo, haver um longo intervalo de tempo entre os dois, destaca.

Foco no longo prazo

Na avaliação de VKTR, trader de pseudônimo e principal colaborador da exchange descentralizada IDEX, procurar o início de um rali de longo prazo é mais importante do que buscar o menor preço.

“Claro, você pode chegar um pouco atrasado, mas não vai correr o risco de ter comprado uma ativo em queda que caiu mais 50% depois da compra ou então, que está no mesmo patamar de preço que comprou há cinco meses.”

Analise o sentimento de mercado

A forte queda nos mercados em meados de 2022 foi marcada por uma série de eventos desagradáveis, como o colapso gigantesco da stablecoin algorítmica TerraUSD (UST) e do token Terra (LUNA), bem como o fracasso de várias empresas de criptomoedas. Para que o piso se forme, o tempo precisa primeiro curar o sentimento de ansiedade do mercado.

“O fundo é tanto um produto do tempo quanto do preço, na maioria dos casos”, disse Cred. “As memórias ruins precisam desaparecer da consciência pública, o risco de reputação deve diminuir, o entusiasmo dos sobreviventes, construtores e outros titulares devem retornar e o cinismo deve diminuir para dar lugar ao otimismo.” E isso pode demorar um pouco.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe