Fechamento

Ibovespa tem 3ª queda consecutiva em meio a tensão geopolítica de EUA e Irã

Mercado teve mais um dia de baixa em meio à piora no ambiente internacional

ações alta índices bolsa stock mercado
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa teve sua terceira queda consecutiva nesta terça-feira (7). O índice não fechou em alta nenhuma vez desde a morte do general Qassem Soleimani, atingido por um míssil no Iraque durante uma ação militar com drones americanos na semana passada.

Fica ainda no radar a demora do Irã em anunciar como irá retaliar a morte do general Qassem Soleimani. Analistas entendem que a cautela afasta prognósticos alarmistas de uma guerra entre EUA e Irã. No entanto, os mercados seguem incorporando as incertezas geopolíticas ao balanço de riscos para renda variável.

Hoje, o Ibovespa caiu 0,18%, a 116.661 pontos com volume financeiro negociado de R$ 19,982 bilhões. O benchmark, contudo, ficou longe da mínima,

Aprenda a investir na bolsa

Enquanto isso, o dólar comercial teve leve alta de 0,01% a R$ 4,064 na compra e a R$ 4,0647 na venda. O dólar futuro com vencimento em fevereiro tem ganhos de 0,14%, a R$ 4,0735.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu oito pontos-base a 5,22%, enquanto o DI para janeiro de 2023 teve queda de oito pontos, a 5,76%, e o DI para janeiro de 2025 recuou seis pontos, a 6,43%.

Hoje, o radar macro contou com o ISM de serviços dos Estados Unidos, que acelerou para 55 pontos em dezembro. A expectativa mediana dos economistas era de 54,5 pontos.

Leia também

Ações de Marfrig e Log-In sobem com elevação de recomendação; Petrobras tem leve queda

Evento gratuito reúne Arminio Fraga e dezenas de especialistas em investimentos; saiba como participar

PUBLICIDADE

Por aqui, ontem à tarde o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, descartou pressões para congelar os preços dos combustíveis em meio à alta do petróleo, que reage às tensões no Oriente Médio. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, revelou que o governo está buscando alternativas para compensar o aumento nos preços.

Ainda na geopolítica, a chancelaria do Irã convocou o embaixador brasileiro em Teerã no domingo (5) para pedir explicações sobre a posição do Brasil em relação ao assassinato do general Qassem Soleimani, morto por um drone dos Estados Unidos na semana passada. Como reação ao episódio, o Itamaraty divulgou uma nota praticamente respaldando a ação ordenada pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Noticiário corporativo 

A Caixa Seguridade Participações e a seguradora Tokio Marine assinaram ontem acordo para criar uma nova empresa que atuará em seguros habitacionais e residenciais. A Tokio Marine fará aporte de R$ 1,5 bilhão na joint-venture e terá o controle da companhia, com 50,01% das ações ordinárias.

Já a incorporadora e construtora MRV comunicou que recebeu um importante apoio de uma das acionistas, a Dynamo do Rio de Janeiro, para aprovar no próximo dia 31 um dos planos da empresa, a aquisição da empresa imobiliária americana AHS Residential.

Através desta companhia, a MRV pretende explorar o mercado de aluguéis residenciais nos Estados Unidos.

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
CMIG43.6637914.43
AZUL43.3090956.82
B3SA33.2265544.79
MRFG32.9732410.39
ELET32.567538.75

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
HGTX3-432.64
GNDI3-3.4147767.6
CIEL3-2.909098.01
HAPV3-2.7479165.12
BRKM5-2.6047932.53

Sobre a Petrobras, o Ministério de Minas e Energia afirmou que o governo prepara medidas para compensar preços dos combustíveis. “Estamos analisando mecanismos compensatórios, mas que não frustrem expectativa de receita”, afirmou ministro Bento Albuquerque.  O presidente Jair Bolsonaro voltou a destacar que Brasil adota o livre mercado e não vai mexer na política de preços.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos