Bolsa

Ibovespa opera entre perdas e ganhos com surpresa de Bolsonaro ofuscando exterior positivo

Mercado não tem uma direção única em dia de política e dados da China no radar

SÃO PAULO – O Ibovespa opera entre perdas e ganhos nesta terça-feira (15) com a política ofuscando a melhora no noticiário internacional. O presidente Jair Bolsonaro aumentou as incertezas ao dizer que “está proibido falar Renda Brasil” no seu governo e que o Bolsa Família continua até 2022.

Bolsonaro criticou as ideias da equipe econômica de congelar aposentadorias e cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência. “Isso é um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade”, afirmou o presidente. “Quem vier propor medida como essa só posso dar um cartão vermelho, porque não tem coração e nem entendimento de como vivem os aposentados”.

Mais tarde, o ministro da Economia, Paulo Guedes, assegurou que o “cartão vermelho” não era para ele, algo que amenizou levemente os ânimos do mercado. Vale lembrar que as sinalizações de desindexação do salário mínimo e aposentadorias foram abertamente faladas pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, no exterior, o que faz preço são os dados da China. O país divulgou um crescimento de 5,6% na produção industrial em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, acima da expectativa mediana dos economistas, que apontava para aumento de 5,1%. Já as vendas no varejo avançaram 0,5%, mostrando a primeira expansão do indicador no ano. A estimativa era de estabilidade no número do varejo.

Segundo a equipe de análise do Bradesco BBI, os dados de consumo das famílias chinesas em agosto surpreenderam positivamente, possivelmente em função da resposta dos consumidores ao relativo controle da pandemia e das menores restrições de mobilidade.

Às 12h47 (horário de Brasília) o Ibovespa tinha leve alta de 0,25%, aos 100.525 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial tem leve variação positiva de 0,05% a R$ 5,2759 na compra e a R$ 5,2771 na venda, reduzindo ganhos após a fala de Guedes. O dólar futuro para outubro tem alta de 0,26%, a R$ 5,286.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 sobe dois pontos-base a 2,84%, o DI para janeiro de 2023 registra ganhos de três pontos-base a 4,12%, o DI para janeiro de 2025 avança seis pontos-base a 6,01% e o DI para janeiro de 2027 varia positivamente cinco pontos-base a 7,00%.

PUBLICIDADE

Os investidores esperam ainda pela reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), que começa hoje para amanhã ser tomada a decisão de política monetária do Federal Reserve. Também se inicia nesta terça a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que terá a decisão de juros brasileira.

Em relação às commodities, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) reduziu sua previsão de aumento de demanda do petróleo para 2020. A expectativa para demanda mundial ficou em 91,7 milhões de barris por dia, redução de 8,4 milhões de barris por dia na comparação anual.

No Brasil, um dos destaques é a notícia de que o governo planeja revisar quase 2 milhões de benefícios destinados a idosos e pessoas carentes com deficiência. Também chama atenção a informação de que representantes da bancada evangélica se articulam para derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao perdão de dívidas tributárias das igrejas.

Renda Brasil

Do ponto de vista das contas públicas, há uma avaliação de que a fala de Bolsonaro poderia diminuir riscos fiscais, já que o novo programa de renda mínima era visto como um dos principais desafios para o cumprimento do teto de gastos no ano que vem.

Por outro lado, o nível de incerteza permanece elevado. “A fala foi nebulosa. O fato de não criar o Renda Brasil não significa que não poderá eventualmente fortalecer o Bolsa Familia – seria um ajuste endógeno ao programa ao invés de sair criando outros, mudando Farmácia Popular etc.”, diz Thiago Vidal, analista da Prospectiva Consultoria.

Corte de despesas

No noticiário nacional, um dos destaques é a notícia de que o governo planeja revisar quase 2 milhões de benefícios destinados a idosos e pessoas carentes com deficiência. Segundo a Folha de S.Paulo, a economia com as medidas seria de R$ 10 bilhões por ano. A mudança está sendo preparada pelos Ministérios da Economia e da Cidadania, segundo o jornal, e seria feita por meio de decreto.

Depois de o presidente Jair Bolsonaro ter vetado o perdão de R$ 1 bilhão em dívidas tributárias das igrejas, representantes da bancada evangélica se articulam para derrubar o veto. Ontem, o presidente da bancada evangélica na Câmara, Silas Câmara (Republicanos-AM), disse ter maioria para manter o perdão às igrejas. Segundo o Estado de S.Paulo, a bancada vai se reunir hoje para discutir sua estratégia.

Ainda sobre as igrejas, foi noticiado pelo Estado de S.Paulo que o governo estuda uma forma de imunizar as igrejas de tributos por meio de uma proposta de emenda constitucional (PEC), que deve ser enviada antes da votação do veto, prevista para outubro.

PUBLICIDADE

O ministério da Economia é contrário à medida. Hoje, as igrejas têm imunidade contra a cobrança de impostos, mas a proteção não alcança as contribuições, como a CSLL e a previdenciária.

Inflação e reeleição

Além disso, o presidente Bolsonaro voltou a declarar, na noite de ontem, que não haverá tabelamento de preços para conter a inflação dos alimentos. Ele destacou que a alta do arroz se deve ao aumento do consumo e que o aumento das importações deve ajudar a atenuar a situação.

Também chama atenção levantamento do Estadão/Broadcast mostrando que os líderes da maioria dos partidos apoiam o fim da reeleição para cargos do Executivo. A mudança tem apoio de 15 dos 24 partidos representados na Câmara e no Senado.

Na semana passada, o deputado Alessandro Molon (RJ) apresentou uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para proibir a reeleição. O tema ganhou destaque depois de o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ter declarado que errou ao se reeleger.

Outro destaque nacional é a efetivação do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, no cargo. O militar tomará posse amanhã (16). Ele assumiu a pasta em 16 de maio, depois de ser secretário-executivo na gestão de Nelson Teich. Ontem, o Brasil chegou a 132.006 vidas perdidas desde o início da pandemia.

Radar corporativo

Hoje, o mercado continua acompanhando a transação entre Ser Educacional e Laureate. Depois de a Ser ter oferecido R$ 4 bilhões pelos ativos brasileiros da Laureate, a Yduqs declarou que pode entrar na disputa.

A Folha de S.Paulo publicou que a Cogna, líder do setor, não vai ficar parada e pode fazer uma oferta para defender sua primeira posição no mercado. Outro possível alvo para a Cogna poderia ser a Uniasselvi.

Os investidores também acompanham a definição do preço por ação da oferta da Plano & Plano. Além disso, a Petrobras anunciou uma redução nos seus planos de investimentos para o período de 2021 a 2025. Segundo a estatal, o investimento ficará entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões.

PUBLICIDADE

Já a Minerva informou que está estudando a venda de 25% da subsidiária Athena Foods para uma sociedade de propósito específico listada na Nasdaq (SPAC) por US$ 200 milhões.

Full Trader: série exclusiva mostra do que você precisa para se tornar um trader consistente na Bolsa. Clique aqui e garanta seu acesso gratuito