Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa sobe 0,83%, na contramão do exterior, com ajuda de commodities; dólar avança 0,31%

Decisão da Opep de cortar produção de petróleo a partir de novembro fez Petrobras e petroleiras juniores se destacarem entre as altas

Vitor Azevedo

O Ibovespa fechou em alta de 0,83% nesta quarta-feira (5), aos 117.197 pontos. O principal índice da Bolsa brasileira, com ajuda das commodities, se descolou do movimento visto no exterior.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Nova York, Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram, respectivamente, 0,14%, 0,20% e 0,25% – isso, porém, após dois dias consecutivos de fortes altas.

“É um momento de pausa para o mercado refletir sobre quão durável o rali dos últimos dois dias pode realmente ser”, disse Yung-Yu Ma, estrategista chefe de investimentos da BMO Wealth Management, para a CNBC.

Segundo ele, se ao mesmo tempo investidores ficaram otimistas com a publicação do JOLTs de agosto, índice que mede o número de vagas abertas, que veio mais fraco do que o esperado, ainda há duvidas sobre o tempo durante o qual o Federal Reserve terá de deixar o juros mais altos.

Fabio Louzada, analista e fundador da escola Eu me banco, destaca ainda que hoje a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, afirmou ver mais altas de juros até que a inflação seja controlada – o que também pressionou os ativos de risco.

Nos Estados Unidos, os treasuries yields de dez anos subiram 13 pontos-base, para 3,747%, e os para dois anos, 4,9 pontos, a 4,146%.

Além dos fatores mais já mencionados, ajudou a pressionar a curva de juros a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de cortar a produção de petróleo do cartel em dois milhões de barris por dia a partir de novembro. O preço dos combustíveis é um gatilho forte para a alta da inflação em todo o mundo.

“O mercado brasileiro fechou em uma alta concentrada em poucas ações, principalmente nas da Petrobras, por conta do corte de produção anunciado pela Opep”, explica Felipe Moura, sócio e gestor da Finacap Investimentos. “A gente sustentou nosso patamar enquanto a bolsa americana fechou em leve queda”.

As ações preferenciais e ordinárias da Petrobras (PETR4;PETR3) subiram, respectivamente, 3,76% e e 3,54%. As ordinárias da 3R Petroleum (RRRP3) ganharam 3,49% e as da PetroRio (PRIO3), 3,20%.

O desempenho das commodities, no entanto, não foi suficiente para sustentar o valor do real. O dólar subiu 0,31% frente a moeda brasileira, a R$ 5,183 na compra e a R$ 5,184 na venda – menos, porém, do que a alta de 1,01% do DXY, índice que mede a força do dólar frente a divisas de países desenvolvidos, que foi aos 111,08 pontos,

A curva de juros brasileira, por fim, teve tendência, majoritariamente, de alta, pressionada pelos treasuries e pelas commodities. O DI para 2023 ficou estável, aos 13.672 pontos. O para 2024 ganhou dois pontos-base, a 12,74%, e o para 2025, 3,5 pontos, a 11,50%. A taxa do DI para 2027 foi a 11,30%, ganhando cinco pontos, e o para 2029, a 11,45%, com mais sete pontos. O DI para 2031 ganhou seis pontos, a 11,53%.