Fechamento

Ibovespa sobe 0,8% e fecha em maior patamar desde fevereiro; dólar cai a R$ 5,33 com atuação do BC

Mercado ensaia uma volta aos patamares pré-Covid com o aumento do fluxo estrangeiro em commodities

(Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em alta pela terceira vez seguida nesta terça-feira (17) puxado pelas ações da Petrobras (PETR3; PETR4) – que subiram mais de 1% apesar do petróleo ter ficado praticamente estável no mercado internacional – e da Vale (VALE3), que se valorizou em 3,2%. Para ler mais destaques de ações, clique aqui.

Analistas destacaram que o refluxo de estrangeiros para a Bolsa desde a semana passada, entrando nos ativos do País principalmente via papéis ligados a commodities, acabou aumentando a força compradora. Na última semana, o ingresso de capital estrangeiro somou R$ 14,5 bilhões e o saldo em novembro é positivo em R$ 17,8 bilhões.

Com a alta de hoje, o principal benchmark de ações do Brasil se descolou do exterior, que enfrentou um dia de correção após os índices Dow Jones e S&P 500 baterem máximas no pregão anterior. Nesta terça, o Dow caiu 0,56%, o S&P 500 teve queda de 0,48% e o Nasdaq recuou 0,21%.

Aprenda a investir na bolsa

Os investidores brasileiros continuaram animados pelo anúncio da farmacêutica Moderna de que sua vacina tem 94% de eficácia.

Por outro lado, o avanço da segunda onda do coronavírus preocupa, principalmente com a retomada de medidas de isolamento social em diversos lugares do mundo. Alguns estados americanos voltaram a fazer quarentenas e a Rússia atingiu recorde diário de novas infecções, com 22.778 casos registrados.

No Brasil, o governo do estado de São Paulo adiou para o dia 30 de novembro a reclassificação das áreas de acordo com o grau de novas contaminações por Covid. Segundo o governo paulista, os hospitais têm registrado mais internações.

Diante de tudo isso, o Ibovespa subiu 0,77%, aos 107.248 pontos com volume financeiro negociado de R$ 33,52 bilhões. Foi o maior patamar de fechamento do índice desde o dia 21 de fevereiro, quando o benchmark encerrou o pregão cotado em 113.681 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial teve queda de 1,97% a R$ 5,329 na compra e a R$ 5,33 na venda. O real foi impulsionado pela sinalização do Banco Central de que pode aumentar a quantidade de swaps cambiais oferecidos para atender à alta demanda por dólares nas próximas semanas.

O BC informou em comunicado que iniciará leilões diários para rolar US$ 11,8 bilhões de dólares por meio de contratos de swaps cambiais que vencem em 4 de janeiro.

PUBLICIDADE

Com isso, a moeda brasileira teve o melhor desempenho em uma cesta de 24 divisas emergentes. O dólar futuro com vencimento em dezembro registrava baixa de 1,61%, a R$ 5,333 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu quatro pontos-base a 3,25%, o DI para janeiro de 2023 teve queda de quatro pontos-base a 4,86%, o DI para janeiro de 2025 recuou seis pontos-base a 6,65% e o DI para janeiro de 2027 registrou variação negativa de seis pontos-base a 7,43%.

Além disso, o noticiário focou na perspectiva econômica da União Europeia. Na terça, Hungria e Polônia vetaram a aprovação pelos governos do bloco da legislação que reúne tanto o orçamento para o período de 2021 e 2027 quanto a verba do fundo de recuperação da União Europeia.

Para que o pacote seja aprovado, é necessário apoio unânime, e veto dos governos de Polônia e Hungria deve atrasar a liberação de recursos no valor de 1,8 trilhão de euros. Países europeus importantes vêm registrado aceleração da contaminação, com França, Alemanha e Reino Unidos implementando novos lockdowns, com diferentes níveis de abrangência.

Retomada da agenda de reformas

Após a eleição municipal, Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, disse esperar votar na quarta-feira o projeto de incentivo à navegação; a oposição promete obstruir votações. Barros diz ser possível destrancar a pauta de votações e avançar na análise de temas considerados prioritários.

A expectativa é aprovar o PL do Mar, que está trancando a pauta há bastante tempo, e avançar na discussão de demais matérias, como o BC independente, os projetos que tratam dos fundos públicos e da negociação com os estados e avançarmos também em pautas importantes para a questão econômica do Brasil, disse Barros.

Em palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados,  considerou “muito difícil” que os liberais mantenham apoio ao governo caso ele adote medidas reprováveis do ponto de vista fiscal.

“Eu acho que isso (a pauta emergencial) vai ter sim um pacto na eleição de 2022, porque nós vamos compreender como é que vai ficar a aliança que o ministro (da Economia) chama muito bem de conservadora-liberal. Vai chegar um momento, nas próximas semanas, que nós vamos saber se essa conciliação entre conservadores, que o presidente representa, e os liberais, que o Paulo Guedes diz que representa, como é que vai ficar essa aliança nos próximos meses.”

PUBLICIDADE

“Vai ser muito difícil, do meu ponto de vista, olhando o cenário, que os liberais, não apenas o ministro Paulo Guedes… certamente de forma nenhuma aceitarão qualquer interpretação heterodoxa do Orçamento público e da sinalização do país para os próximos anos”, avaliou.

Próximo ao fim da vigência do auxílio emergencial, marcado para o final de dezembro, e sem perspectiva de aprovar um substituto mais amplo ao Bolsa Família, o governo estuda regras para aumentar o valor pago pelo programa criado pelos governos anteriores.

Segundo reportagem do portal UOL, assessores da Presidência da República elaboram uma proposta que prevê a criação de um auxílio creche de R$ 52 mensais por criança; um prêmio anual de R$ 200 para os melhores estudantes; uma bolsa mensal de R$ 100 somada a um prêmio anual de R$ 1.000 para alunos de destaque em ciência e tecnologia; uma bolsa mensal de R$ 100 somada a um prêmio anual para alunos de destaque em atividades esportivas.

O auxílio-creche seria pago para 8 milhões de crianças, levando a um gasto total de R$ 5,1 bilhões.
A proposta do Orçamento de 2021 enviada no dia 31 de outubro pelo governo ao Congresso já previa elevar em 18,22% o valor gasto com o Bolsa Família. Pelo texto, a verba deve passar dos R$ 29,485 bilhões dotados em 2020 para R$ 34,858 bilhões em 2021.

E o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, apresentou novas informações sobre por que houve atrasos na divulgação de resultados das eleições municipais e instabilidade no aplicativo do TSE.

No domingo, Barroso atribuíra a instabilidade a uma falha em um processador. Na segunda, afirmou que a demora na entrega de equipamentos pela empresa Oracle impediu a realização de testes prévios no sistema. “Não mudei a versão. Ontem [domingo], a TI, quando dei entrevista, tinha diagnóstico que o problema era falha no processador, o que efetivamente ocorreu”.

Governo confirma aceleração da Covid em São Paulo

Na segunda-feira, o governo paulista adiou para o dia 30 de novembro a reclassificação do Plano São Paulo, que define o funcionamento das atividades econômicas durante a pandemia do coronavírus.

Atualmente, seis regiões estão na fase verde: Grande São Paulo, Baixada Santista, Campinas, Piracicaba e Taubaté. As demais estão em fase amarela, o que implica em mais restrições de atividade, como horário reduzido de funcionamento e menor ocupação em comércio, bares e restaurantes.

PUBLICIDADE

O plano altera o nível de restrição das atividades com base em indicadores de casos de Covid e óbitos, entre outros indicadores. Ele analisa a disponibilidade de leitos de unidades de terapia intensiva, que podem ser necessários para o tratamento de casos graves de Covid.

Em coletiva, o governador João Doria afirmou que o adiamento se deve à instabilidade no sistema do Ministério da Saúde para registros de dados de óbitos por Covid, que afetou a atualização por seis dias da semana anterior.

Os dados disponíveis até a segunda-feira poderiam levar a maior parte do estado a migrar para a fase verde. Mas o governador confirmou que houve alta nos indicadores de ocupação de UTIs e internações no estado de São Paulo, como havia sido antecipado pela imprensa.

“Indicadores de ocupação de UTI e internações, sob responsabilidade do Governo do Estado de São Paulo, cresceram nesta última semana em relação à anterior. O momento requer precaução para uma análise mais completa para a proteção da população”, disse Doria.

A média diária de novas internações subiu no estado de 859 para 1.099, afirmou Doria, ao lado do secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn. Para o secretário, o aumento pode ter ligação com feriados recentes, que levaram a mais aglomerações.

Radar corporativo

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vendeu na segunda-feira um novo lote de ações da Vale por R$ 2,5 bilhões. Foram negociados 40 milhões de papéis; em agosto, o BNDES vendeu R$ 8,1 bilhões em ações.

Com as duas operações, o banco estatal de fomento já se desfez de 175 milhões de ações da mineradora, que passa este ano pela última fase do processo de pulverização do controle societário previsto por acordo de acionistas assinado em 2017.

Nesta terça, uma audiência pública entre Vale e autoridades públicas de Minas Gerais, incluindo a Procuradoria, vai discutir as reparações por Brumadinho.

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
CVCB39.6180116.07
HYPE36.8020331.56
EGIE34.7236945.67
BRFS33.703720.72
LREN33.3263249.08

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
SUZB3-3.409351.28
MRVE3-3.2551520.21
GNDI3-2.4060672.2
KLBN11-1.9900523.64
NTCO3-1.6274550.17

A gestora de planos de saúde Notre Dame Intermédica divulgou na segunda um salto no lucro líquido do terceiro trimestre sobre o mesmo período de 2019, impulsionado por aumento de beneficiários e leitos ao longo do ano, em uma estratégia marcada por 12 aquisições.

A companhia teve lucro de R$ 197 milhões, quase o dobro do obtido um ano antes. O desempenho operacional medido pelo Ebitda ajustado cresceu 43%, para R$ 458,4 milhões. Segundo dados da Refinitiv, analistas, em média, esperavam lucro de R$ 179 milhões no período e Ebitda de R$ 353,8 milhões.

O processo de concessão da companhia de água e saneamento do Rio de Janeiro, Cedae, voltou a caminhar na segunda-feira, após uma reunião no Palácio Guanabara com representantes do Estado e do BNDES.

Segundo a agência de notícias Reuters, as partes estão perto de decidir o valor da água que será vendida pela Cedae ao novo concessionário. Segundo fontes da Reuters, os valores em discussão oscilam entre R$ 1,5 e R$ 2 por metro cúbico.

O leilão de privatização dos ativos de distribuição de energia da elétrica gaúcha CEEE deve ser realizado em fevereiro de 2021, projetou na segunda o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que tem assessorado o processo.

O lado desconhecido das opções: treinamento gratuito do InfoMoney ensina a transformar ativo em fonte recorrente de ganhos – assista!