Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa sobe 0,68% e fecha pela primeira vez acima dos 131 mil pontos com petróleo e exterior

Índices americanos continuam surfando sinalizações do Federal Reserve dadas na última semana

Vitor Azevedo

Publicidade

O Ibovespa fechou em alta de 0,68% nesta segunda-feira (18), aos 131.083 pontos, renovando a máxima histórica e encerrando um pregão acima dos 131 mil pontos pela primeira vez, seguindo o exterior e também com o auxílio das ações da Petrobras (PETR3;PETR4).

Em Nova York, o índice Dow Jones ficou estável, mas S&P 500 e Nasdaq subiram, respectivamente, 0,45% e 0,61%.

“É uma continuação do que vimos durante grande parte do mês, ou seja, a inflação parece estar caindo, as taxas de juros apresentam tendência de queda e os lucros, até este ponto, se estabilizaram”, disse Terry Sandven, estrategista-chefe de ações. no U.S. Bank Wealth Management, à CNBC. “É um cenário construtivo para as ações”, avalia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A alta lá fora se deu a despeito do leve avanço dos treasuries yields. O para dez anos ganhou 1,5 ponto-base, a 3,945%. Em grande parte, o avanço dos rendimentos dos títulos do tesouro se deu por conta da alta dos preços do petróleo, que tende a impulsionar a inflação.

O barril Brent subiu 2,08%, US$ 78,15. “A commodity foi impulsionada pelos receios quanto à segurança das rotas para o comércio mundial que passam pelo Mar Vermelho, o que impulsionou as petroleiras nos mercados locais”, explica Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos.

As ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3;PETR4), com peso relevante no Ibovespa, na esteira, ganharam 2,05% e 1,24%.

Fora isso, os treasuries também repercutiram sinalizações de autoridades do Federal Reserve. Hoje, em entrevista ao Financial Times, a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, avaliou que os mercados estão “um pouco à frente” no que diz respeito à precificação de cortes de juros no início do próximo a ano

Apesar disso, a curva de juros brasileira fechou em queda. Os DIs para 2025 perderam quatro pontos-base, a 10,05%, e os para 2027, seis pontos, a 9,74%. As taxas dos contratos para 2029 perderam três pontos, a 10,18%, e as dos contratos para 2031, três pontos, a 10,45%.

Companhias ligadas ao mercado interno – e também mais alavancadas – subiram, na esteira do recuo dos juros, e foram destaque entre as altas do Ibovespa. As preferenciais da Alpargatas (ALPA4) ganharam 6,36%, as ordinárias da Cyrela (CYRE3), 3,31%, e as da Natura (NTCO3), 3,14%.

O dólar, por fim, fechou com queda de 0,65% frente ao real, a R$ 4,904 na compra e a R$ 4,905 na venda. Segundo operadores, a baixa da moeda americana reflete um movimento de realização dos lucros, amparado pelo maior apetite global por risco. O aumento dos preços de commodities também favoreceu a divisa brasileira, com fluxo positivo para o País, segundo profissionais.

(Com Estadão Conteúdo)