Petróleo fecha em alta, com tensões no Mar Vermelho oferecendo risco à oferta

Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para fevereiro subiu 1,83% (US$ 1,40), a US$ 77,95 o barril

Estadão Conteúdo

Refinaria de petróleo PCK Schwedt em Schwedt, Alemanha (Krisztian Bocsi/Bloomberg)

Publicidade

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira, 18, apoiados por tensões no Mar Vermelho que ameaçam limitar a oferta global da commodity, ao interromper o tráfego de navios petroleiros na região. O atrito na região também eleva os riscos geopolíticos de ampliação da guerra em Gaza, com o potencial de envolver grandes países produtores de petróleo.

Na New York Mercantile Exchange, o WTI para fevereiro fechou em alta de 1,44% (US$ 1,04), a US$ 72,82 o barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para fevereiro subiu 1,83% (US$ 1,40), a US$ 77,95 o barril.

O Mar Vermelho registrou novos ataques a embarcações nesta segunda-feira, em uma investida de autoria reivindicada pelos Houthis. O grupo armado que controla boa parte do Iêmen afirmou que suas forças garantirão a segurança de todos os navios que se dirigem a portos da região e do mundo, exceto os israelenses.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O porta-voz da ala militar da milícia, Yahya Sare’e, afirmou que as forças navais Houthis realizaram uma operação militar específica contra dois navios ligados à “entidade sionista”. O primeiro foi o petroleiro “Swan Atlantic”, de propriedade norueguesa, e o outro foi o navio “MSC Clara”, que estava transportando contêineres.

Na sequência, algumas empresas petroleiras e de transporte maritmo anunciaram a mudança de rota de navios para longe do Mar Vermelho. Foi o caso, por exemplo, do grupo de energia norueguês Equinor e da petrolífera britânica BP.

Para a analista Isabela Garcia, da StoneX, esses eventos estão por trás da valorização do petróleo nesta segunda-feira.

Continua depois da publicidade

“Isso representa a primeira ameaça real aos fluxos da commodity desde o inicio do conflito em Gaza, em outubro. Antes, havia temores sobre o estreito de Ormuz que acabaram não se concretizando. Agora, existe essa questão envolvendo o Mar Vermelho – que, além de ter impacto no mercado físico de petróleo, também adiciona incerteza geopolítica”, comentou ela.