Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro sobe seguindo exterior; clima de feriado em SP pode limitar ajustes

Política monetária na Zona do Euro e PIB dos EUA em foco nesta quinta-feira

Felipe Moreira

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera com alta nesta quinta-feira (25), feriado municipal de São Paulo (mas com a B3 funcionando), que deve reduzir a liquidez da Bolsa. Além disso, em função da agenda doméstica esvaziada, os ativos locais acompanham os movimentos do mercado externo. Investidores estão de olho na decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), dados de atividade dos Estados Unidos e o anúncio medidas da China para estimular sua economia.

Na agenda local, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministro da Fazenda, Fernando Haddad, participam de cerimônia à noite para marcar os 90 anos da Universidade de São Paulo (USP), durante feriado na cidade de São Paulo. Já o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), convocou todos os líderes partidários para uma reunião na próxima segunda-feira (29), em Brasília. Além disso, o Conselho Monetário Nacional (CMN) realizará hoje sua primeira reunião do ano.

Às 9h23 (horário de Brasília), o índice futuro com vencimento em fevereiro operava com alta de 0,39%, aos 128.795 pontos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Wall Street, índices futuros dos EUA operavam operam em alta, com atenções voltadas para a divulgação do produto interno bruto (PIB) dos EUA no 4º trimestre. Os resultados poderão ser um catalisador chave para as ações, à medida que os investidores tentam obter detalhes sobre o estado da economia no início do novo ano.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro subia 0,09%, S&P Futuro avançava 0,07% e Nasdaq Futuro registrava alta de 0,12%.

Dólar e mercado externo

O dólar comercial operava com baixa de 0,04%, cotado a R$ 4,929 na compra e R$ 4,930 na venda. Já o dólar futuro (DOLFUT) caía 0,05%, indo aos 4.934 pontos. Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com baixa de 0,04%, a 103,20 pontos.

No mercado de juros, os contratos operavam majoritariamente em baixa. O DIF25 -0,02 pp, a 10,04%; DIF26, -0,03 pp, a 9,72%; a DIF27, -0,05 pp, a 9,88%; DIF28, -0,04 pp, a 10,14%; DIF29 -0,03 pp, a 10,32%.

Os preços do petróleo sobem com queda nos estoques de petróleo bruto dos EUA e após a China ter cortado os requisitos de reservas para os bancos, a fim de estimular o crescimento, reforçando o sentimento em torno da recuperação econômica do país.

As cotações do minério de ferro na China fecharam em alta pela terceira sessão consecutiva na expectativa de um impulso para a economia do gigante asiático.

Os mercados asiáticos fecharam no terreno positivo, com destaque para forte alta das ações na China e Hong Kong, depois que o Banco Popular da China disse que reduziria as exigências de reservas para os credores do país. As ações imobiliárias também saltaram com as medidas do banco central que ajudariam a aumentar a liquidez disponível para os promotores. O banco central anunciou que reduziria a quantidade de fundos que os bancos são obrigados a manter como reservas no início do próximo mês, numa tentativa de impulsionar a sua economia em dificuldades

Os mercados europeus operam em baixa, enquanto os investidores se preparam para a decisão de política monetária do BCE. Os mercados estão prevendo uma probabilidade de cerca de 60% de que o primeiro corte nas taxas ocorra em abril, de acordo com uma análise da Reuters aos dados do LSEG.