Abertura

Ibovespa Futuro estende perdas da véspera em meio a BCs mais hawkish; dólar cai a R$ 5,01

Pré-market mostra desempenho negativo na esteira das expectativas por aumento de juros aqui e nos EUA

(Austin Distel/Unsplash)

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em queda nesta sexta-feira (18) e estende as perdas da véspera depois do índice à vista cair 0,93% ontem com a repercussão das sinalizações mais hawkish (favoráveis a um aperto monetário para conter a inflação) dos bancos centrais tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Hoje, os investidores seguem refletindo sobre os ciclos de normalização monetária ao mesmo tempo em que comemoram a aprovação por 42 votos a 37 no Senado da Medida Provisória que trata da privatização da Eletrobras (ELET3; ELET6). O ADR EBR, que é o recibo de ações ordinárias da companhia negociado na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), subia cerca de 7% no pré-market.

Vale lembrar que hoje também é dia de vencimento de opções sobre ações, o que deve aumentar a volatilidade principalmente das blue chips.

Às 9h06 (horário de Brasília), o contrato futuro do Ibovespa com vencimento em agosto de 2021 tinha queda de 0,45%, a 128.720 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial opera em baixa de 0,21% a R$ 5,011 na compra e a R$ 5,012 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em julho tem leve variação negativa de 0,03% a R$ 5,012.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 opera estável a 5,57%, o DI para janeiro de 2023 tem alta de um ponto-base a 7,15%, o DI para janeiro de 2025 avança quatro pontos-base a 8,17% e o DI para janeiro de 2027 registra variação positiva de quatro pontos-base a 8,59%.

No cenário internacional, os preços das commodities continuam a ter quedas, ainda que menos expressivas como registradas na quinta, à medida que a China busca desacelerar a alta dos preços, e o dólar se fortalece. O barril de petróleo WTI, recua 0,183%, e o de Brent, 0,34%. O preço dos índices futuros de cobre, platina e paládio também caem.

“Diversas commodities agropecuárias dão sinal de topo recentemente, como milho, soja e carne de porco, além da pressão da China para resolver a especulação interna com commodities. Com isso, muitas metálicas perderam ímpeto no último mês e o petróleo está dando sinais de topo de preço, com tensões do possível retorno do Irã como fornecedor global, trazendo uma enxurrada ao mercado”, destaca Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

Nesta sessão, contudo, grãos sobem forte, com milho em alta de cerca de 3% e a soja em alta de 4%, ainda que apenas recuperando parte do movimento do dia anterior.

PUBLICIDADE

As bolsas asiáticas fecharam a sexta com resultados variados, com enfoque dos investidores sobre a queda dos preços das commodities, acompanhando a valorização do dólar.

O Banco do Japão anunciou que pretende manter a política monetária estável, e prolongar a duração de seu programa de estímulo durante a pandemia. Em sua declaração, o banco central japonês afirmou: “No momento, o Banco irá monitorar de perto o impacto da Covid-19, não hesitará em tomar novas medidas expansionistas se necessário e também espera que as políticas de juros de curto e longo prazo se mantenham em seus níveis atuais, ou ainda mais baixos”.

Segundo dados oficiais divulgados na sexta, as vendas no varejo do Reino Unido caíram 1,4% em maio em comparação com o mês anterior, frente à expectativa de economistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters de alta de 1,6%. Segundo o Escritório para Estatísticas Nacionais, lojas do setor de alimentação impulsionaram a queda inesperada. Após a divulgação dos dados, a libra recuou ao seu menor nível em seis semanas.

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) da Alemanha subiu 1,5% na comparação mensal em maio, superando a estimativa do mercado, de alta de 0,7%. Na comparação anual, o IPP avançou 7,2%, frente à projeção de alta de 6,4%.

Covid no Brasil

Na quinta (17), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 2.005, alta de 19% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Assim, a alta da média móvel de mortes volta a se acelerar, e ultrapassa pelo segundo dia consecutivo a marca de 2.000. Em apenas um dia, foram registradas 2.335 mortes.

As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 69.640, alta de 9% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 74.327 casos.

Chegou a 60.381.020 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 28,51% da população. A segunda dose foi aplicada em 24.085.577 pessoas, ou 11,37% da população.

PUBLICIDADE

Em boletim publicado na quinta, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) afirmou que o quadro da pandemia de Covid-19 no Brasil permanece crítico e pode se agravar nas próximas semanas, diante da chegada do período de inverno.

Segundo a Fiocruz, nas semanas epidemiológicas 22 e 23, que cobrem o intervalo de 30 de maio a 12 de junho, a transmissão do coronavírus no país se manteve em um platô elevado, com um pequeno crescimento de novos casos e da mortalidade. Além disso, 18 Estados e o Distrito Federal apresentam taxas de pelo menos 80% de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) para Covid. Em oito deles, o índice supera a marca de 90%, o que os pesquisadores encaram como preocupante.

Na 22ª semana epidemiológica, a idade média dos pacientes internados foi de 52,5 anos, enquanto na primeira semana epidemiológica de 2021 era de 62,3 anos. Segundo a Fiocruz, “possivelmente o cenário atual de rejuvenescimento prosseguirá e poderá perpetuar um cenário obscuro de óbitos altos até que este grupo etário esteja devidamente coberto pela vacina. O padrão de transmissão do Sars-CoV-2 no país ainda é extremamente crítico”.

Os pesquisadores voltaram a afirmar que o uso de máscaras e o distanciamento físico continuam a ser as únicas formas para conter a disseminação do vírus enquanto o país não avançar na vacinação dos mais jovens.

Uma pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Rio Grande do Sul, em parceria com a Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, aponta que o início da vacinação no Brasil foi acompanhado com uma queda proporcional da mortalidade entre idosos com mais de 70 anos, evitando cerca de 43 mil mortes.

Na quinta, o empresário bilionário Carlos Wizard, apontado como integrante do que vem sendo chamado “gabinete paralelo” de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), não compareceu para depor à CPI da Covid no Senado. O presidente da CPI, senador Osmar Aziz (PSD-AM), afirmou que pretende pedir à Justiça a condução coercitiva de Wizard, e a retenção de seu passaporte.

Nesta sexta, a CPI da Covid no Senado ouvirá dois médicos defensores da cloroquina, remédio usado para combater o protozoário causador da malária sem eficácia cientificamente comprovada contra o vírus causador da Covid. O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), também deve divulgar a lista de testemunhas que passarão à condição de investigados, o que permitirá a adoção de medidas mais incisivas, como quebras de sigilos e operações de busca e apreensão. De acordo com informações do portal G1, ao menos 12 nomes devem ser investigados, dentre eles o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. A CPI também votará requerimentos de convocação.

Na quinta, o Ministério da Saúde informou que o lote de 3 milhões de doses das vacinas de dose única da Janssen não chegará nesta semana, ao contrário do que fora anunciado. Inicialmente, o ministério havia anunciado que as doses chegariam na terça, depois afirmou que chegaria ainda nesta semana. Agora, não há uma nova data confirmada para as entregas. Normalmente, as doses perderiam a validade no fim de junho, mas a Anvisa aprovou a prorrogação do prazo até agosto.

PUBLICIDADE

Nesta sexta, a cidade de São Paulo inicia a vacinação de pessoas com entre 52 e 53 anos. Além disso, a partir de hoje pessoas com 18 anos ou mais podem se cadastrar na lista de espera de vacinas que sobram em UBSs, que vêm sendo chamadas como a “xepa”. Na maioria dos casos, a inclusão deve ser feita pessoalmente, com documento com foto, carteirinha do SUS e comprovante de residência. Mas algumas unidades têm feito a inclusão por telefone.

Bolsa Família

Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo estuda elevar o valor médio do programa Bolsa Família em 50%, e não em R$ 300, como havia afirmado na quarta. E afirmou que o benefício com reajuste passaria a ser pago a partir de dezembro.

“Está sendo negociado para aumentar aí 50%. Até dezembro. Houve inflação sim. Alimento subiu no mundo todo e foi agravado pela pandemia do fique em casa”, afirmou o presidente a apoiadores. O valor médio pago atualmente é de R$ 190 mensais. Há variações de acordo com o tamanho da família e a idade das crianças. Os 50% de aumento em relação ao patamar atual levariam a um aumento de R$ 285.

Os valores aventados pelo presidente pegaram a equipe econômica de surpresa. Ela já havia fechado as contas em um reajuste para R$ 250 em média, que poderiam ser pagos sem romper o teto de gastos e sem cortar outros programas, como exigia o presidente. Todos os cálculos já estavam feitos para viabilizar os R$ 250 reais mensais no Orçamento, a serem pagos a partir de novembro.

Segundo uma fonte não identificada ouvida pela Reuters, por enquanto não se sabe ainda de onde sairão os recursos para fazer o que o presidente quer, mas a proposta certamente virá do corte de outros programas existentes, já que não há como aumentar ainda mais as despesas sem ultrapassar o teto de gastos.

Mais tarde, em almoço com empresários no Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a falar em aumento de 50% e também no valor de R$ 300. “Temos conversado com o Paulo Guedes e pessoal da nossa economia tem coração, e ele está propenso a conceder reajustes de 50% para bolsa família a partir do próximo ano”, disse Bolsonaro.

“Sabemos que em média é de R$ 192 reais, é pequena e devemos passar para 300 reais, sabemos que é pequeno também, mas é uma ajuda para os que não têm como conseguir algo no mercado de trabalho“, acrescentou.

Após o almoço, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota), filho do presidente que esteve no encontro, deu outro valor e falou numa possível mudança no nome do programa, além de sua abrangência, tema já discutido no ano passado no governo.

“O comando do presidente para o ministro (da Cidadania, João Roma) foi ampliar a base do Bolsa Família, ou seja atingir mais famílias e ampliar também o valor”, disse o senador.

“Se discute algo em torno de R$ 270 aproximadamente. Isso tem que acontecer logo. Com a prorrogação por mais alguns meses do auxílio emergencial e na sequência um Bolsa Família mais robusto, que talvez mude de nome para Alimenta Brasil ou algo do tipo”, acrescentou.

Segundo o senador, um diferencial seria criar estímulos para que as pessoas deixem de depender desse auxílio, “ou seja investir em qualificação e na educação para que as pessoas possam caminhar com as próprias pernas“.

Em live nas redes sociais, Jair Bolsonaro afirmou que está com negociações avançadas para se filiar a um novo partido. Ontem (16), ele se reuniu com parlamentares aliados no Palácio do Alvorada para discutir o assunto. “Eu vou ter que ter um partido, e eu já teria resolvido esse assunto, mas tem que ser muito bem conversado. A legislação partidária é complicada, os partidos geralmente têm donos. Mas está bastante avançada a ida minha para um partido, um partido pequeno”, afirmou Bolsonaro.

Radar corporativo

Pouco depois do fechamento do mercado na véspera, o Senado aprovou o projeto de lei que permite a privatização da Eletrobras em uma votação acirrada, por 42 votos favor ante 37 contra. No after hours da Bolsa de Nova York, os ADRs da companhia chegaram a subir 7%.

Já a Petrobras protocolou na quinta o pedido de registro da oferta secundária (follow on) de 436.875.000 ações ordinárias de emissão de BR Distribuidora que a petrolífera possui, a serem distribuídas no Brasil, com esforços de colocação no exterior.

A Vale, por sua vez, anunciou a distribuição de R$ 2,177096137 por ação em dividendos aos seus acionistas. Esses proventos serão pagos aos investidores que possuírem papéis VALE3 em carteira no fechamento do pregão do dia 23 de junho. Para os  que possuírem os ADRs a referência será o dia 25 de junho na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse).

A JBS comunicou que concluiu a aquisição da Vivera, terceira maior produtora de produtos plant-based (produtos à base de plantas) na Europa. Segundo a empresa, a companhia adquirida oferece um amplo portfólio de produtos em mais de 25 países, com presença relevante nos mercados da Holanda, Reino Unido e Alemanha. A transação inclui três unidades produtivas e um centro de pesquisa e desenvolvimento localizados na Holanda.

O Banco de Brasília anunciou nesta segunda-feira que a empresa de corretagem de seguros Wiz vai comprar participação de 50,1% em uma nova corretora que será formada com ativos do BRB. O valor do negócio é de R$ 585,2 milhões.

O preço envolve valor à vista de R$ 300 milhões, três parcelas anuais fixas de R$ 57 milhões e mais três parcelas anuais variáveis estimadas em R$ 38 milhões, informou o BRB em fato relevante. “A transação está alinhada ao planejamento estratégico do BRB que definiu como um de seus objetivos a realização de fusões, aquisições e parcerias estratégicas para acelerar a expansão, modernização e potencializar os negócios do conglomerado”, afirmou o BRB.

Já as ações da Dasa começam a negociar no Novo Mercado a partir de 23 de junho.

Ainda em destaque, o banco de investimentos BR Partners arrecadou R$ 364 milhões em oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de esforços restritos, com as units precificadas a R$ 16. Os papéis serão negociados na próxima segunda com o ticker BRBI11.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Analista oferece curso gratuito de como gerar renda extra na Bolsa. Inscreva-se no Desafio dos 5%.