Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa Futuro cai com atenção à política monetária nacional e dos EUA

Dados de emprego no Brasil e nos EUA em foco nesta terça

Felipe Moreira

Publicidade

O Ibovespa Futuro opera com ligeira baixa nesta terça-feira (30), em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Copom e do Federal Reserve (Fed), em dia agenda doméstica agitada.

A projeção para a inflação de 2024 feita por analistas voltou a mostrar queda nesta semana, enquanto a estimativa para o PIB se manteve ante a semana anterior, segundo dados divulgados nesta terça-feira (30) pelo Relatório Focus do Banco Central. O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), por sua vez, desacelerou para 0,07% em janeiro, após ter registrado alta de 0,74% em dezembro. Investidores também acompanham dados da dívida e do Caged.

Às 9h11 (horário de Brasília), o índice futuro com vencimento em fevereiro operava com queda de 0,10%, aos 128.970 pontos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em Wall Street, índices futuros dos EUA operavam em baixa, com investidores atentos aos dados econômicos desta terça-feira sobre a habitação, o mercado de trabalho (JOLTs) e a confiança do consumidor.

Nesta manhã, o Dow Jones Futuro caía 0,16%, S&P Futuro recuava 0,11% e Nasdaq Futuro registrava desvalorização de 0,02%.

Dólar e mercado externo

O dólar comercial operava com baixa de 0,10%, cotado a R$ 4,941 na compra e na venda. Já o dólar futuro (DOLFUT) caía 0,18%, indo aos 4.945 pontos. Enquanto isso, DXY, índice que mede a força do dólar perante à uma cesta de moedas, opera com baixa de 0,21%, a 103,39 pontos.

Os preços do petróleo operam com leve baixa, enquanto as crescentes tensões geopolíticas no Oriente Médio continuaram a alimentar as preocupações com a oferta.

As cotações do minério de ferro na China fecharam no vermelho, uma vez que as preocupações com o setor imobiliário chinês contrariaram o otimismo dos esforços recentes do país para conter uma crise cada vez mais profunda e reforçar a confiança do mercado. O minério de ferro de referência de março, na Bolsa de Cingapura, caía 0,21%, a US$ 135,15 a tonelada.

Já os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa, à medida que investidores continuam digerindo a ordem de liquidação da China Evergrande, gigante do setor imobiliário chinês. Ontem, a Justiça de Hong Kong determinou que a Evergrande seja liquidada, depois de a problemática incorporadora não conseguir reestruturar suas dívidas com credores. Negócios com ações da empresa seguem suspensos.

Os mercados europeus operam com alta, enquanto investidores ficam de olho o PIB da zona euro, da França e da Alemanha no quarto trimestre. O PIB preliminar da zona do euro subiu 0,1% na comparação anual, como previsto; já o indicador ficou estável na base trimestral, ante projeção de queda de 0,1%. Já a inflação dos preços nas lojas no Reino Unido caiu drasticamente em janeiro, atingindo a taxa mais baixa em quase dois anos, em meio a fortes descontos dos varejistas no período do Natal, mostraram novos dados nesta terça-feira.