Pré-mercado

Ibovespa futuro acompanha Bolsas no exterior e opera em alta; dólar e juros recuam

Os investidores ainda estão assimilando as últimas informações passadas na ata da última reunião do Federal Reserve

Por  Mitchel Diniz -

O Ibovespa opera em alta nos primeiros negócios desta quinta-feira (7), acompanhando o pré-mercado em Nova York e o desempenho das Bolsas na europa e na Ásia. Os investidores ainda estão assimilando as últimas informações passadas pela ata da última reunião do Federal Reserve, divulgada ontem à tarde. O mercado prevê que o Fed eleve os juros em 75 pontos base no próximo encontro, mas uma maioria agora acredita que o aperto monetário deve terminar com os juros mais baixos do que o esperado.

Aqui no Brasil, as atenções se voltam novamente à Brasília onde a PEC dos Auxílios deve ser votada em segundo turno na Câmara. O pacote de benesses inclui aumento do Auxílio Brasil, do Vale Gás, um voucher para caminhoneiros e motoristas de táxi. O impacto fiscal calculado é de R$ 41 bilhões.

Às 9h28 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro para agosto operava em alta de 1,12%, aos 101.110 pontos.

O dólar comercial caía 0,24%, a R$ 5,408 na compra e R$ 5,409 na venda. O dólar futuro para agosto tinha queda de 0,33%, a R$ 5,445.

Os juros futuros operam em baixa: DIF23, -0,02 pp, a 13,74%; DIF25, – 0,03 pp a 12,88%; DIF27, – 0,02 pp, a 12,84%; e DIF29, – 0,01 pp, a 12,99%.

Os futuros em Nova York operam em alta moderada, à espera do payroll, os dados oficiais do mercado de trabalho, que vão ser divulgados amanhã. O relatório do instituto de pesquisas ADP, que estava previsto para hoje de manhã, teve a divulgação cancelada. O ADP afirmou que vai rever sua metodologia e deve divulgar novos levantamentos apenas no final de agosto.

O Dow Jones futuro tinha alta de 0,45%, enquanto os futuros do S&P 500 e Nasdaq avançavam, respectivamente, 0,39% e 0,47%.

As Bolsas europeias avançam. Na Alemanha, a produção industrial cresceu 0,2% em maio, abaixo do esperado pelo mercado, que projetava alta mensal de 0,4%. Às 8h30 (horário de Brasília), o Banco Central Europeu divulgará a ata de sua última reunião de política monetária, no qual os juros foram mantidos em zero. Porém, a autoridade monetária aponta para ajustes a partir da próxima reunião e a ata do último encontro deve trazer uma visão mais detalhada dos membros do BCE sobre a inflação no bloco econômico.

No Reino Unido, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson cedeu à pressão  dos parlamentares e acabou renunciando ao cargo. Tanto a Bolsa britânica quanto a libra esterlina operam em alta na manhã de hoje.

Na madrugada, foi a vez dos investidores asiáticos repercutirem a ata da última reunião do Federal Reserve.

O índice Kospi, na Coreia do Sul, fechou em alta de quase 2% – destaque para as ações da Samsung, com ganhos de 3,19%, com a prévia da empresa apontado para resultados robustos do segundo trimestre.

Por outro lado, as preocupações com a pandemia continuam. Xangai registrou o maior número de infecções por Covid desde o final de maio, alimentando a preocupação de a política de Covid Zero possa resultar em novos lockdowns. A cidade de Pequim disse que vai exigir comprovante de vacinação para entrada em centros esportivos, locais de entretenimento e outras localidades a partir da próxima semana.

Análise técnica por Pamela Semezatto, analista de investimentos e especialista em day trader da Clear Corretora

Ibovespa

“Segue em região de consolidação, sem sinais de força na compra e sem continuidade na queda. Violou a máxima do martelo deixado no dia 05 de julho, mas sem muito deslocamento no corpo. Ainda trabalhando abaixo do suporte de 100 mil pontos, mas sem continuidade no movimento. Aguardamos uma definição melhor de tendência para o curto prazo.”

Dólar

“Forte na tendência de alta, testou a resistência de R$ 5,500 e média aritmética de 200 do gráfico diário. Deixou um candle com muito pavio superior, sugerindo que esta perdendo um pouco a força na compra, mas ainda sem sinais de correção dessa última alta.”

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe