Pré-mercado

Ibovespa futuro opera em baixa, acompanhando exterior, e dólar sobe; investidores aguardam ata do Fomc

O texto pode trazer uma sinalização sobre os próximos passos do Federal Reserve em relação a alta de juro

Por  Mitchel Diniz -

O Ibovespa futuro opera em baixa nos primeiros negócios desta quarta-feira (25), acompanhando uma piora no desempenho das Bolsas europeias e do pré-mercado em Wall Street. As atenções hoje se voltam a ata do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), o Copom do Banco Central americano. O texto pode trazer uma sinalização sobre os próximos passos do Federal Reserve em relação a alta de juros.

Às 9h09 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro para junho operava em queda de 0,74%, aos 110.570 pontos.

O dólar comercial abriu com alta forte e sobe 0,97%, a R$ 4,857 na compra e R$ 4,859 na venda.

Os juros futuros voltavam a subir: DIF23, estável, a 13,42%; DIF25, +0,04 pp, a 12,34 %; DIF27, +00,4 pp, a 12,10%; e DIF29, +0,03 pp, a 12,15%.

Os futuros em Nova York operam entre perdas e ganhos, à espera de ata do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). A divulgação da minuta da última reunião de política monetária está prevista para as 15h (horário de Brasília). “A ata do Fomc deve mostrar um debate em torno das taxas neutras e se a autoridade deve ou não mover os juros para território restritivo”, prevê o Bank Of America.

A perspectiva de alta de juros diminui o apetite por ativos de risco e tem penalizado sobretudo as ações de tecnologia. Ontem, a Nasdaq caiu 2,35% depois que a empresa de mídia social Snap revisou suas projeções de crescimento para baixo – as ações da companhia caíram  43%.

O dia também é marcado pelo número de encomenda de bens duráveis em abril e por um discurso da vice-presidente do Federal Reserve, Lael Brainard, em evento na Universidade John Hopkins, no começo da tarde.

O Dow Jones futuro caía 0,33%, enquanto os futuros do S&P 500 e da Nasdaq recuavam, respectivamente, 0,36% e 0,51%.

As Bolsas europeias têm ganhos moderados, tendo PIB e confiança do consumidor na Alemanha como destaques da agenda de hoje. A maior economia da Zona do Euro cresceu apenas 0,2% nos três primeiros meses de 2022 (em relação ao 4T21), o que já era esperado pelos economistas. Na comparação anual, o PIB avançou 3,8%. Apesar de não ser muito expressivo, o desempenho impediu que o país entrasse em recessão técnica.

Já a perspectiva de confiança do consumidor alemão para junho subiu 0,6 ponto para -26,0, após a baixa histórica de maio (-26,5). A guerra na Ucrânia e a inflação crescente continuam a minar o indicador. O índice Stoxx 600, que subia mais cedo, zerou ganhos e tem leve queda de 0,01%.

Na Ásia, a maioria das Bolsas chinesas fechou em alta. As autoridades da China sinalizam que deve adotar medidas para impulsionar a economia, diante da atual onda de casos de Covid-19 no país. Os reguladores financeiros têm orientado os bancos chineses a ampliar o fornecimento de crédito. Enquanto isso, as estatísticas sobre infectados continua preocupando, com um aumento no número de pessoas que contraíram o vírus na capital Pequim.

Análise técnica por Pamela Semezatto, analista de investimentos e especialista em day trader da Clear Corretora

Ibovespa

“Continua trabalhando acima do suporte de 109.000, e o dia de ontem não mostrou muita força para lado nenhum. Segue um pouco mais altista, mas ainda sem definição de tendência em um prazo maior.”

Dólar

“Testou suporte em 4.830 e ainda não conseguiu romper. Seria interessante um movimento de alta para corrigir essa última queda, mas, por enquanto, sem sinais de força para compra.”

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe