Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa começa fevereiro em alta de 0,57%, seguindo exterior e com avanço de Petrobras

Já o dólar emplacou a terceira sessão consecutiva de baixa, acompanhando o recuo da moeda ante boa parte das demais divisas no exterior

Equipe InfoMoney

Publicidade

O Ibovespa começou o mês em alta, ancorado no avanço de cerca de 2% nas ações da Petrobras (PETR4) apesar da queda do petróleo e seguindo o desempenho positivo em Wall Street nesta quinta-feira, após uma “super quarta” que não forneceu grandes clarezas sobre a trajetória de juros.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,57%, a 128.481,02 pontos, tendo oscilado entre a mínima de 127.283,98 pontos e a máxima de 128.388,05 pontos durante a sessão.

Já o dólar emplacou a terceira sessão consecutiva de baixa, acompanhando o recuo da moeda ante boa parte das demais divisas no exterior, na esteira da queda dos rendimentos dos Treasuries, após novos dados do mercado de trabalho dos EUA e em meio a preocupações em torno dos bancos regionais norte-americanos.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A divisa à vista fechou o dia cotada a R$ 4,9150 na venda, em baixa de 0,47%; já o dólar comercial caiu 0,45%, a R$ 4,915 na compra e na venda.

Na visão de Luis Novaes, analista da Terra Investimentos, o mercado ainda opera sob o sentimento de cautela, diante de uma perspectiva incerta para a trajetória dos juros básicos.

O Banco Central brasileiro e o Federal Reserve anunciaram na véspera suas decisões de política monetária, a chamada “superquarta”, mas, para Novaes, a comunicação das autoridades não tornou a perspectiva mais clara.

Sem grandes fatores determinantes, o mercado brasileiro operou em grande parte seguindo o sentimento em Wall Street e ancorado no avanço das ações da Petrobras, disse Sidney Lima, analista da Ouro Preto Investimentos.

“A gente até tinha uma esperança que ocorresse alguma precificação diferente, mediante o comunicado (do Copom) que veio junto com a divulgação da taxa de juros… mas veio muito ‘copia e cola’ do comunicado anterior”, acrescentou Lima.

Dados do mercado de trabalho nos EUA mostrando alta na produtividade dos trabalhadores e crescimento nos pedidos de seguro-desemprego acima do esperado nesta quinta deram ao Federal Reserve novo impulso na luta contra a inflação. “Os investidores, no geral, estão aguardando dados mais claros para o início da queda de juros nos EUA”, afirmou Renato Nobile, analista da Buena Vista Capital.

“Depois de um grande movimento de alta no final de 2023, o mercado tem espaço para correção. Esse movimento dificulta a vida de quem quer especular com possível alta, porém, ajuda quem deseja aumentar posições a preços mais baratos”, observa Anderson Silva, sócio da GT Capital, acrescentando que o Ibovespa, com a correção vista em janeiro, continua a ser negociado com P/L ainda “longe da média e de suas máximas”.

Entre os ativos, a principal ação do Ibovespa, Vale ON, mantém ainda o sinal que prevaleceu em janeiro, quando acumulou perda de 12,23% – hoje, caiu 0,46%, em recuo semelhante ao do contrato de minério de ferro mais negociado em Dalian (China), que cedeu 0,36%, a US$ 135,04 por tonelada, no vencimento para maio de 2024.

Na ponta ganhadora do Ibovespa nesta abertura de fevereiro, destaque para Pão de Açúcar (+6,91%), CVC (+5,15%) e Carrefour Brasil (+3,36%), logo à frente de Petrobras PN. No lado oposto, Casas Bahia (-2,92%), 3R Petroleum (-2,45%) e Marfrig (-2,23%).

(com Reuters e Estadão Conteúdo)