Hypera (HYPE3) consegue preservar JCP com aumento de capital bilionário e ações sobem

Analistas veem a redução de um importante fator de risco que pesava para as ações

Lara Rizério

Publicidade

As ações da Hypera (HYPE3) tiveram uma reação positiva nesta quarta-feira (31) à convocação de uma assembleia geral extraordinária (AGE) que será realizada em 21 de fevereiro. A proposta é de aprovação de um aumento do capital social da empresa em R$ 4,6 bilhões para R$ 9,0 bilhões, por meio da capitalização de reservas de incentivos fiscais sem emissão de novas ações e o aumento do limite do capital autorizado em R$ 5,6 bilhões, para R$ 11,1 bilhões. Com isso, na sessão de hoje, os papéis subiram 1,63%, a R$ 31,73.

O forte movimento positivo ocorre uma vez que a operação, se aprovada, tira um fator de risco para as ações: a diminuição do pagamento de Juros sobre o Capital Próprio (JCP), que poderia ocorrer com a Medida Provisória (MP) de número 1.185 (ou MP das Subvenções) editada pelo Governo no fim do ano passado e que passou a vigor desde o início de 2024 na forma da Lei 14.789/2023.

O texto estabelece restrições para os valores que as empresas podem considerar para a base de cálculo dos juros sobre capital próprio. Antes da medida, a empresa podia distribuir até 40% do patrimônio líquido e até 50% do lucro líquido em JCP. Após a vigência da lei, a primeira limitação passou a ser de 40% do patrimônio líquido menos as reservas de incentivos fiscais, elevando assim as restrições para o pagamento do provento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No caso da Hypera, ela contava com muitas reservas ainda não usadas de incentivos fiscais, o que fez com que muitos analistas revisassem para baixo as suas projeções para pagamento de JCP – e afetou o desempenho das ações HYPE3 neste início de 2024. Com a capitalização das reservas e elevação do capital social, a Hypera tem assim mais espaço para manter o seu ritmo de pagamentos.

O Bradesco BBI viu a medida como positiva, visto que reduz o risco de queda de 6% no lucro líquido estimado pelo banco para 2024 devido ao menor pagamento de JCP.

O benefício fiscal do JCP de R$ 778 milhões pago em 2023 representa 14% do lucro líquido estimado pelo BBI para 2024 e poderia ser reduzido em 43%.

Continua depois da publicidade

O Goldman Sachs via uma possibilidade de queda de lucro de 7% por conta da lei. Assim, com as mudanças implementadas, ressaltou haver a remoção importante de um fator de pressão sobre as ações (overhang). Mesmo com a vigência da lei, os analistas entendem que a empresa agora seguirá com o seu ritmo de pagamento de proventos. O banco tem recomendação de compra para os papéis, com preço-alvo de R$ 41, que foi revisado para baixo nesta semana por conta de visão de vendas mais fracas. Por outro lado, aponta o valuation da companhia como ainda atrativo.

O Bradesco BBI, por sua vez, mantém recomendação neutra para os ativos levando em conta o momentum mais fraco para os lucros. O preço-alvo é de R$ 44. Ainda assim, tem um viés mais positivo pelo atual valuation e menor risco de potencial fim/redução do benefício fiscal de JCP.

O banco, por sua vez, alerta ainda ver risco de tributação dos benefícios fiscais do ICMS como alto, o que pode reduzir a estimativa de lucro líquido para 2024 em 22% e o preço-alvo em 16%, para R$ 37. Isso levando em conta o pior cenário onde não ocorra compensação (aumentando preços, por exemplo, dado que toda a indústria deveria ser atingida, embora não na mesma magnitude).

“Na pior das hipóteses, os incentivos fiscais de ICMS não seriam mais isentos de IRPJ/CSLL e PIS/Cofins (conforme previsto na Lei 14.789) sem qualquer compensação, o impacto no lucro líquido da Hypera seria de 22% para 2024 e 21% para 2025”, avalia. De qualquer forma, avalia que HYPE3 possui 29% de upside no múltiplo de preço sobre o lucro (P/L), considerando o pior cenário de tributação de incentivos fiscais de ICMS sem qualquer compensação.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.