Gigante da tecnologia

Google completa 16 anos na Bolsa com alta de 3.500% das ações e sem nunca ter distribuído dividendos

De acordo com a Economatica, o valor de mercado da companhia - hoje chamada Alphabet - passou de US$ 21,6 bilhões para US$ 1,05 trilhão

arrow_forwardMais sobre
Logo do Google fixado na parte superior de um prédio branco
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Na última terça-feira (18), o Google completou 16 anos desde a estreia das negociações de suas ações na bolsa americana, acumulando uma valorização de 3.530,86% neste período, segundo dados divulgados pela consultoria Economatica. No mesmo período, o índice Nasdaq teve alta de 529%.

De acordo com o levantamento, os papéis da companhia estrearam cotados a US$ 85 o que, corrigido pelos proventos distribuídos até hoje, seriam US$ 42,54. Na última quarta, os ativos encerraram o pregão em US$ 1.544,61, o que entrega, em média, uma alta de 25,19% por ano.

Enquanto isso, de acordo com a Economatica, o valor de mercado da companhia – que hoje usa o nome Alphabet na Bolsa – passou de US$ 21,6 bilhões para US$ 1,05 trilhão nestes 16 anos.

Aprenda a investir na bolsa

A consultoria ainda destaca que o Google nunca distribuiu dividendos aos acionistas, sendo o único provento da história uma bonificação em 2 de abril de 2014.

Leia mais: 
Apple é a primeira empresa americana a ultrapassar US$ 2 trilhões em valor de mercado
• Larry Page: o gênio que criou o Google e deixou todas as informações à distância de um clique

Nestes 16 anos que está na Bolsa, a companhia de tecnologia registrou em todos os trimestres uma alta na receita líquida anualizada, sendo a única exceção exatamente o último trimestre, o segundo deste ano, quando sua receita teve leve queda de 0,39%, para US$ 38,3 bilhões.

No mesmo período, o retorno sobre patrimônio líquido (ROE) do Google só foi menor que 10% uma vez, no 4º trimestre de 2017. Foram 41 trimestres com ROE entre 10% e 20% e outros 20 entre 20% e 40%.

Impactos da pandemia

No último trimestre, o Google, além de ver sua primeira queda de receita na história, registrou um fraco aumento no resultado de anúncios do YouTube, que somaram US$ 3,81 bilhões, uma alta de 6%.

Ainda que as ferramentas gratuitas de navegação na web, exibição de vídeos e teleconferência tenham sido mais usadas durante a quarentena, os resultados da empresa mostraram que as receitas provenientes de anúncios foram fortemente atingidas pela pandemia. Diversos anunciantes do Google enfrentaram dificuldades e tiveram, inclusive, que fazer demissões em massa.

PUBLICIDADE

Como os investimentos em marketing muitas vezes são os primeiros a serem cortados, a empresa sentiu o baque, principalmente com anunciantes que atuam na área de turismo, como mecanismos de busca de viagens, companhias aéreas e hotéis.

Por outro lado, o serviço de armazenamento em nuvem, o Cloud, foi um ponto positivo do balanço mais recente. Sozinho, o serviço gerou arrecadação de US$ 3,01 bilhões, ante os US$ 2,7 bilhões registrados no mesmo trimestre do ano passado.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!