BTCE11

Gestora europeia anuncia novo ETF de Bitcoin na B3

Fundo de índice será negociado sob o ticker BTCE11

Por  Lucas Gabriel Marins -

O mercado brasileiro vai ganhar um novo ETF (Exchange Traded Fund) de Bitcoin (BTC). O ETC Group, uma das maiores empresas de criptoativos da Europa, anunciou nesta quinta-feira (26) que está listando seu fundo de índice da moeda digital na bolsa de valores brasileira.

O produto ficará disponível em breve na B3 sob o ticker BTCE11. Na prática, ele replicará o fundo de índice “BTCetc Bitcoin Exchange Traded Crypto” (BTCE) do ETC Group, listado em bolsas da Inglaterra, Alemanha, França, Holanda e Suíça. O BTCE tem 100% de exposição ao Bitcoin.

A taxa de administração do BTCE11, conforme o regulamento, será de 0,25% ao ano do patrimônio líquido. O público-alvo do fundo são investidores em geral.

A gestora nacional do novo ETF de Bitcoin é a Kanastra, uma plataforma de Asset Management as a Service com foco em gestão passiva de fundos estruturados. Já a administração fica a cargo da fintech Vórtx.

“Nossa chegada ao Brasil marca mais um passo de nosso processo de globalização, em um momento em que os investidores do país se mostram mais maduros e interessados em diversificar a carteira com produtos cripto”, disse Veronica Pimentel, Diretora de Distribuição do ETC Group para América Latina.

Em nota, o ETC Group afirma que o BTCE11 é o primeiro produto de uma extensa linha que pretende trazer para o Brasil.

O mercado brasileiro de ETFs de criptomoedas é relativamente novo, mas pioneiro em relação a outros países. Em abril, o primeiro fundo de índice de cripto listado na B3, o HASH11, completou um ano. A bolsa hoje tem nove opções de ETFs; o BTCE11 será o 10º.

O ETC Group, que lançou seu primeiro produto cripto negociado em bolsa em 2020 na Alemanha, vai competir com as duas principais gestoras nacionais de fundos de índice no Brasil, a Hashdex e a QR Capital.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe