FTX usou dinheiro de clientes para cobrir rombo na Alameda, diz Reuters

Segundo reportagem, fundador da FTX, Sam Bankman-Fried, transferiu pelo menos US$ 4 bilhões em recursos

CoinDesk

Sam Bankman-Fried, CEO da FTX (Jesse Hamilton/CoinDesk)

Publicidade

Sam Bankman-Fried transferiu pelo menos US$ 4 bilhões da corretora FTX para sua outra empresa, a formadora de mercado e firma de investimentos Alameda Research, em maio, após uma série de perdas com negócios. A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira (10) pela agência de notícias Reuters, que citou três pessoas familiarizadas com o assunto.

Segundo a reportagem, Bankman-Fried transferiu os valores no token  FTT e em ações da corretora Robinhood (além de criptos, a FTX também permite negociação de ações tokenizadas).

Uma parte desses recursos da exchange eram depósitos de clientes, disseram duas das pessoas à Reuters. O valor exato desses ativos não pôde ser determinado.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia mais:
De Softbank a SkyBridge: quem são investidores e investidos da FTX que estão expostos à crise

Uma das perdas que a Alameda enfrentou envolveu um crédito de US$ 500 milhões com a plataforma de empréstimos de criptomoedas Voyager Digital – que entrou com pedido de recuperação judicial um mês depois.

A FTX interrompeu todas as retiradas de criptomoedas de clientes na terça-feira (8), depois de receber US$ 6 bilhões em pedidos de resgates no início desta semana.

Continua depois da publicidade

Na terça, o CEO da Binance, Changpeng Zhao (CZ), assinou uma carta de intenção não vinculativa para adquirir a FTX de forma a aliviar a pressão de liquidez, mas, após analisar os dados financeiros da companhia, voltou atrás.

*Em desenvolvimento. O texto será atualizado 

CoinDesk

CoinDesk é a plataforma de conteúdos e informações sobre criptomoedas mais influente do mundo, e agora parceira exclusiva do InfoMoney no Brasil: twitter.com/CoinDeskBrasil