Fora de controle: algumas atitudes podem sabotar o seu orçamento

Deixar de pesquisar preços, organizar contar e questionar cobranças pode fazer diferença na sua conta no fim do mês

Por  Ana Paula Ribeiro -

SÃO PAULO – Sua conta bancária está com o saldo negativo, faltando mais da metade do mês para o próximo pagamento, e você se pergunta o que pode ter feito de errado, já que até procurou se conter, não efetuando despesas extras de maior valor.

No entanto, poucos param para pensar que certas atitudes e escolhas, aparentemente inofensivas, podem se transformar em grandes vilãs do orçamento, quando são rotineiras. Além disso, indicam que a pessoa, se já não sofre de descontrole financeiro, é uma séria candidata a essa situação. Confira quais atitudes – ou melhor, maus hábitos – você deve eliminar, para o bem do seu dinheiro que tanto suou para ganhar.

Pesquisa de Preços

Quem utiliza o carro com bastante freqüência já deve ter circulado, uma vez ou outra, com o tanque na reserva. Até que o ponteiro do painel acende, indicando que o combustível está chegando ao fim e, para não correr o risco de ficar parado, a pessoa pára no primeiro posto que vê pela frente. Reclama do preço, que considera bem mais caro que o do posto onde costuma abastecer, mas, como não tem alternativa, abastece o carro. No entanto, como não se preveniu antes, acaba violando a primeira “regra” de quem manter o orçamento em dia: a pesquisa de preços, antes de comprar um produto.

E, supondo que não encontrou o posto a tempo e fique no meio do caminho, por falta de combustível, vai violar uma outra lei, a de trânsito, e pagar pela negligência. Isso porque o Código de Trânsito Brasileiro prevê multa de R$ 85,13 (e quatro pontos na CNH) para quem ficar parado na rua por deixar o tanque zerado.

A mesma “regra” de pesquisa de preços para o abastecimento do carro vale para o da casa. Por isso, evite deixar faltar em sua dispensa gêneros básicos, como açúcar, café ou margarina, por exemplo, para não ter de comprar, às pressas, os produtos na padaria ou no mercadinho mais próximo da sua casa, em vez de procurar o preço mais em conta ou mesmo as ofertas.

Quem tem costume de deixar as compras para a última hora em datas comemorativas, como aniversários, Dia das Mães ou Natal, pode estar indo mais uma vez contra o mandamento básico da pesquisa de preços. Em meio à correria do dia-a-dia, o ideal é planejar com até duas semanas de antecedência a compra do presente, para escolher com calma aquilo que deseja, sem pagar a mais por isso. Além disso, principalmente antes de datas como o Dia das Mães, as lojas costumam lotar, tornando sua jornada de compras mais cansativa.

Combata o adiamento ou a desorganização

Voltando ao assunto carro, se você é daqueles que costumam adiar a manutenção preventiva, alegando falta de tempo, saiba que deixar o veículo sem revisão pode aumentar em até seis vezes o valor do reparo, segundo levantamento da Avel, concessionária Volkswagen. Como exemplo, foi citado um reparo considerado “simples” pelos mecânicos, a troca de uma correia dentada. O serviço, que sairia por cerca de R$ 320, salta para quase R$ 2,6 mil, em caso de quebra. O motivo é que o problema torna necessária a troca do cabeçote completo, do tensor e óleo do motor.

Planejamento financeiro pressupõe organização. E isso leva a um mau hábito, mais comum do que se imagina: deixar as contas, contratos, documentos e extratos bancários se acumularem em pilhas e mais pilhas, sem nenhuma ordem. Além de denunciar que você não é adepto da planilha de orçamento, fundamental para quem quer acompanhar seus rendimentos e despesas, o que permite cortar gastos desnecessários e formar uma reserva futura, a desorganização dos papéis pode levá-lo a perder prazos de pagamento, o que gera a cobrança de juros e correção.

Saiba questionar

O ideal – além de montar a planilha – é separar as contas e extratos em pastas, mesmo porque é importante guardá-las por um determinado período, caso precise reclamar de cobranças indevidas ou utilizar a garantia de algum produto que adquiriu. Também não vale confiar unicamente na memória. Deixe os boletos de pagamento sempre à vista ou, quando tiver total controle de sua conta bancária, utilize a opção de débito automático.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por fim, vale mencionar um hábito prejudicial para o orçamento, que também diz respeito a bancos. Muitas vezes, ao verificarmos o extrato – o que deve ser feito pelo menos uma vez a cada quinze dias – vemos tarifas nomeadas com siglas estranhas e não costumamos questionar o que significam. Dessa forma, sofremos uma série de descontos que podem fazer a diferença. Um outro problema ocorre quando deixamos de usufruir de certos benefícios, por não irmos atrás deles. Esse é caso da conta universitária, cuja taxa de serviços, em certos bancos, chega a ser R$ 10 mais barata do que a de uma conta comum. E para poder ter direito a ela, é só levar o boleto de pagamento da mensalidade.

Se você já se deparou tomando uma dessas atitudes, é hora de rever seus hábitos, que nada mais são do que pequenas sabotagens ao seu orçamento.

Compartilhe