Expectativa de crescimento aumenta e cartões devem totalizar 91 milhões em 2007

Antes, era previsto que o ano fosse fechado com 89,7 milhões de plásticos. Gasto médio é de R$ 91 no primeiro semestre

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Ao final deste ano, 91 milhões de cartões de crédito devem estar em circulação no Brasil – total maior do que os 89,7 milhões estimados anteriormente. A previsão foi divulgada nesta terça-feira (12) pelo Itaú, durante apresentação da pesquisa “Indicadores de Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento”.

Conforme o diretor de Marketing de Cartões Itaú, Fernando Chacon, a expectativa anterior era que o ritmo de expansão das emissões fosse de 15% no acumulado do ano. Contudo, essa previsão deve ser revisada para 17% ou até mesmo 18%.

“Devemos terminar o primeiro semestre com 82 milhões de plásticos. Ano passado esse número estava em 69,8 milhões. Nos próximos meses, confirmaremos essa tendência”, adicionou.

Faturamento

Por outro lado, a estimativa de gasto médio, que está em R$ 91 no primeiro semestre, não deve ser modificada. Um dos responsáveis é o acesso da população de baixa renda a esse meio de pagamento.

“Muitas financeiras colocam esse produto à disposição do consumidor, avaliando qual o poder de pagamento deles. Algumas delas são responsáveis por essa massificação”, avaliou o diretor de Marketing.

Forma de comprar

Além disso, os usuários de cartões modificaram seu hábito de compra com o plástico, e agora passam a inseri-lo nas contas pequenas do dia-a-dia.

“A compra média está em R$ 92, apenas para o mês de junho”, explicou Chacon. No mesmo período do ano passado, esse total era de R$ 89.

Para se ter uma idéia, no ano passado a média de gastos esteve na ordem de R$ 91, em uma base de 78 milhões de cartões. Já em junho deste ano, os consumidores despendem R$ 1 a mais em suas compras, com 81,7 milhões de plásticos em circulação.

“O cartão está se inserindo nos gastos diários, virando o método de pagamento preferido. Ele é o único que garante o pagamento pelo preço à vista, mas em 12 parcelas”, finalizou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe