Há um motivo por trás...

Entenda por que investidores estão correndo para ações dos bancos desde segunda-feira

Da mínima da véspera até hoje, os papéis dos quatro principais bancos brasileiros subiram cerca de 5%; acabou a maré de azar do setor na Bolsa?

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Tentando deixar para trás uma maré de azar, as ações dos bancos ganham destaque na Bovespa desde a véspera. Depois de iniciaram a última segunda-feira em queda, os papéis dos três grandes bancos da Bovespa – Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC3; BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) – viraram para alta ao longo do dia, fechando bem próximos das máximas registradas ontem. O movimento de força não se perdeu hoje, com os três figurando entre as maiores altas do Ibovespa nesta sessão. 

Os papéis do BB (BBAS3) subiram 3,34%, a R$ 23,21, seguidos por Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 34,55, +3,54%) e Bradesco (BBDC3, R$ 27,15, +1,57%; BBDC4, R$ 28,31, +2,54%). Destaque também para Santander (SANB11), que embora tenha fechado em queda de 1,1% ontem, subiu 2,97%, a R$ 16,66, aparecendo como a sétima maior alta do Ibovespa. Da mínima de ontem até o patamar atual, os papéis dessas instituições já subiram 5,2%, 6,6%, 5,3%, 4,4% e 5,2%, respectivamente, considerando as ações ordinárias e preferenciais do Bradesco. 

E o que justifica essa arrancada? Para o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, esse movimento coincide com o vencimento de opções sobre ações da Bovespa, que ocorreu na segunda-feira, já que muitos investidores zeraram suas opções vendidas nesses papéis. Segundo dados da BM&FBovespa, as opções de venda de Itaú Unibanco, com preço de exercício a R$ 35,04, foram as mais exercidas na véspera. Ou seja, para quem exerceu essa opção pode ter obtido um lucro de cerca de 8% caso tenha comprado a ação do Itaú na mínima registrada ontem (R$ 32,40), sem considerar os custos da operação, e, posteriormente, exercido a opção de vendê-la a R$ 35,04.

Aprenda a investir na bolsa

Passado o vencimento de opções, Plácido acredita que os papéis dos bancos vão ficar mais “leves”, com espaço para conquistarem patamares mais elevados na Bolsa, lembrando que essas ações caíram forte desde o dia 15 de maio, com o anúncio do aumento da CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido), que passou de 15% para 20%.

Da metade de maio até a sexta-feira passada, as ações do BB, Itaú, Bradesco e Santander caíram 11,7%, 14,2%, 13,8% (considerando os papéis preferenciais) e 7,5%%, respectivamente. 

“As ações do setor de bancos estão baratas”, afirmou Plácido, destacando a avaliação dos investidores que, sem “ter outras opções”, voltam-se para as ações do setor bancário, que são mais resilientes ao cenário negativo brasileiro, apesar de sentirem negativamente a desaceleração econômica.