Em setembro, cesta básica fica mais cara em 14 capitais pesquisadas pelo Dieese

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, houve alta no valor dos produtos nas 16 capitais avaliadas

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A cesta básica pesou mais no bolso do consumidor de 14 capitais brasileiras analisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) no nono mês do ano, em relação a agosto.

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgados nesta quinta-feira (4), duas capitais registraram queda no custo dos gêneros aliementícios de primeira necessidade: João Pessoa (-4,36%) e Recife (-2,75%).

As maiores altas foram identificadas em Fortaleza (4,39%), Vitória (4,29%) e Aracaju (4,20%).

Acumulado do ano

Entre janeiro e setembro, todas as localidades tiveram aumento no preço da cesta básica frente ao mesmo período do ano passado, sendo que as maiores variações ocorreram em Natal (15,85%), Aracaju (14,20%) e Vitória (13,77%).

Ainda de acordo com a pesquisa, Porto Alegre apresentou novamente a cesta mais cara do País (R$ 206,78), sendo que São Paulo veio na seqüência, com R$ 194,34. Na outra ponta, João Pessoa (R$ 144,64) respondeu pela cesta mais barata em agosto.

Comportamento dos preços

No nono mês do ano, o óleo de soja ficou mais caro nas 16 capitais analisadas. Os destaques ficaram com Belo Horizonte (7,24%), Goiânia (7,11%) e Porto Alegre (5,20%).

Já o preço do arroz subiu em 15 localidades pesquisadas pelo Dieese, sobretudo em Florianópolis (10,74%), Rio de Janeiro (9,34%), São Paulo (6,99%) e Belo Horizonte (6,80%). Por fim, a carne e o pão tiveram alta em 13 capitais.

No caso da carne, produto de maior peso na cesta básica, as maiores taxas foram apuradas em Aracaju (10,63%), Belo Horizonte (8,72%) e Rio de Janeiro (6,05%). O pão teve suas principais altas registradas em Fortaleza (7,17%), Rio de Janeiro (3,14%) e Salvador (3,10%).

Compartilhe