Temporada de balanços

Eletromidia (ELMD3) reduz prejuízo em 10% no primeiro trimestre, para R$ 11,2 milhões

Já o lucro bruto atingiu R$ 70,7 milhões no 1T23, um aumento de 180% na comparação com igual etapa de 2022

Por  Felipe Moreira

A Eletromidia (ELMD3) registrou prejuízo líquido de R$ 11,2 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23), montante 10% inferior ao reportado no mesmo intervalo do ano passado, informou a companhia nesta quarta-feira (3). Já o lucro ajustado foi de R$ 3,518 milhões, ante prejuízo de R$ 6,322 milhões registrado no 1T22.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 50,6 milhões no 1T23, um crescimento de 442,3% em relação ao 1T22.

A margem Ebitda ajustada atingiu 27% entre janeiro e março deste ano, alta de 18,5 pontos percentuais (p.p.) frente a margem registrada em 1T22.

A receita líquida somou R$ 187 milhões no primeiro trimestre deste ano, crescimento de 71,4% na comparação com igual etapa de 2022.

Leia Mais:

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 31,9 milhões no primeiro trimestre de 2023, uma elevação de 267,9% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 70,7 milhões no primeiro trimestre de 2023, um aumento de 180% na comparação com igual etapa de 2022. A margem bruta foi de 37,8% no 1T23, alta de 14,7 p.p. frente a margem do 1T22.

A empresa explica que “esse aumento no lucro bruto foi impulsionado pela excelente performance de vendas da empresa e pelo aumento da Margem Bruta, que por sua vez, foi resultado de uma combinação favorável da aquisição da Otima”.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 48,5 milhões no 1T23, uma redução de 85,2% em relação ao mesmo período de 2022.

Em 31 de março de 2023, a dívida líquida da companhia era de R$ 513,2 milhões, um crescimento de 1.086,7% na comparação com a mesma etapa de 2022.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,8 vez em março/23, alta de 1,4 p.p. em relação ao mesmo período de 2022.

Compartilhe