Bolsa

Dólar vai à máxima e Ibovespa diminui alta após Trump anunciar mais tarifas contra a China

Mercado repercute as decisões de política monetária da véspera, que animam a atividade econômica doméstica, ao mesmo tempo que tornam os ativos do País menor atrativos a investimentos estrangeiros

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa diminuiu a alta nesta quinta-feira (1) depois do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar que imporá tarifas de 10% sobre mais US$ 300 bilhões em produtos chineses. Com a notícia, o dólar foi à máxima do dia. 

Apesar disso, o humor no mercado ainda é positivo graças à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) ontem de reduzir a taxa básica de juros brasileira em 0,5 ponto percentual, para 6,00% ao ano, menor patamar da série histórica iniciada em 1996.

Grande parte dos investidores esperavam um corte menor, de 0,25 ponto percentual. 

Às 14h42 (horário de Brasília), o principal índice da B3 registrava ganhos de 0,98%, aos 102.811 pontos. 

Ao mesmo tempo, o dólar também avança, pois o diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos diminuiu. Com a decisão de política monetária nos EUA ontem, as Fed Funds estão entre 2% e 2,25%. 

No entanto, a moeda amenizou os ganhos depois da divulgação do índice ISM de manufatura nos EUA em julho, que chegou a 51,2 pontos, mais fraco que os 51,9 pontos esperados pelos economistas. No mês passado, o ISM da indústria estava em 51,7 pontos. O indicador monitora mudanças mensais nos níveis de produção.

Com isso, o dólar comercial opera na máxima do pregão em alta de 0,69% a R$ 3,8428 na compra e a R$ 3,8435 na venda, enquanto o dólar futuro com vencimento em setembro registra ganhos de 0,76%, para R$ 3,851.

Se o Copom animou os investidores ao diminuir os juros de maneira mais forte, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), decepcionou, pois além de diminuir as taxas dos Estados Unidos em apenas 0,25 ponto percentual, contou com o discurso confuso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. 

Powell afirmou que o corte não era o início de um ciclo de relaxamento monetário, mas apenas um ajuste de percurso. Depois negou e falou que nunca descartou novas reduções nos juros. 

PUBLICIDADE

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 cai oito pontos-base a 5,40%, ao passo que o DI para janeiro de 2023 recua um ponto-base a 6,34%.

Produção industrial

A produção industrial do país recuou 0,6% na passagem de maio para junho deste ano. Essa foi a segunda queda consecutiva do indicador, que acumula perda de 0,7% em dois meses.

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada hoje (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A produção também recuou na comparação com junho do ano passado (-5,9%), na média móvel trimestral (-0,1%), no acumulado do primeiro semestre (-1,6%) e no acumulado de 12 meses (-0,8%).

Na passagem de maio para junho, a produção industrial recuou em 17 dos 26 ramos industriais pesquisados, com destaque para produtos alimentícios (-2,1%), máquinas e equipamentos (-6,5%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,7%).

Bolsas Internacionais

Na Ásia, as bolsas fecharam preponderantemente em queda após dados da atividade fabril chinesa mostrem contração em julho. O índice de gerentes de compra Caixin/Markit ficou em 49,9, pouco melhor do que o mercado aguardava (49,5), mas ainda abaixo dos 50, o que indica retração.

Além disso, seguem as indefinições sobre o acordo entre Estados Unidos e a China, que concluíram uma rodada de negociações comerciais na quarta-feira e retomarão as negociações em Washington no início de setembro.

Os dois lados conduziram “trocas profundas, eficientes e construtivas” sobre as principais questões econômicas e comerciais, informou a agência chinesa Xinhua. A Casa Branca disse que ambos os lados discutiram temas como transferência forçada de tecnologia, direitos de propriedade intelectual, serviços, barreiras não-tarifárias e agricultura.

Noticiário Corporativo

PUBLICIDADE

O destaque corporativo fica com a Vale (VALE3) que encerrou o segundo trimestre deste ano com prejuízo líquido de US$ 133 milhões, revertendo o lucro líquido de US$ 76 milhões apresentados no mesmo período do ano passado.

O número ficou abaixo das expectativas do mercado para o lucro da companhia, de US$ 2,5 bilhões a US$ 2,9 bilhões. A Vale justifica o prejuízo por conta de provisões relacionadas à ruptura da barragem de Brumadinho, ao descomissionamento da barragem de rejeitos de Germano e à Fundação Renova.

A BR Distribuidora (BRDT3) divulgou lucro líquido de R$ 302 milhões no segundo trimestre de 2019, crescimento de 14,8% na comparação com os R$ 263 milhões em igual período do ano passado. Frente ao trimestre imediatamente anterior, de R$ 477 milhões, entretanto, o lucro líquido mostrou uma queda de 36,7%.

A Azul (AZUL4) recebeu 15 horários de pousos e decolagens, a Passaredo ficou com 14 e a amazonense MAP com outros 12 slots no processo de redistribuição das 41 autorizações que eram operadas pela Avianca no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

No entanto, Passaredo e MAP têm nove dias para demonstrar capacidade técnica para voar no terminal paulistano. Caso contrário, os horários voltarão a ser redistribuídos.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 GOLL4 GOL PN N244,10+7,64+75,70169,66M
 JBSS3 JBS ON26,66+7,07+130,05262,15M
 VVAR3 VIAVAREJO ON8,26+6,99+88,15421,35M
 ELET3 ELETROBRAS ON41,75+5,99+72,31244,08M
 MGLU3 MAGAZ LUIZA ON276,57+4,87+53,59397,28M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 VALE3 VALE ON48,91-1,81-4,101,33B
 BRAP4 BRADESPAR PN31,14-1,52+2,2137,56M
 IRBR3 IRBBRASIL REON93,70-1,37+15,19326,90M
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N215,87-1,06+1,2344,00M
 QUAL3 QUALICORP ON ED22,09-0,59+76,4420,14M
* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)

Quer investir com corretagem ZERO na Bolsa? Clique aqui e abra agora sua conta na Clear!

PUBLICIDADE

(Com Agência Brasil)