Bolsa

Ibovespa engata alta e se aproxima da máxima histórica acima dos 105 mil pontos

Mercado desanima após sequência de quatro altas consecutivas e investidores mostram apreensão diante do ambiente macro

SÃO PAULO – O Ibovespa engata alta nesta terça-feira (15) seguindo o desempenho das bolsas americanas, que deixaram de lado as preocupações com o acerto de detalhes no acordo comercial entre Estados Unidos e China, e repercute os fortes resultados no começo da temporada do terceiro trimestre. Destaque para o lucro do JP Morgan, que superou estimativas dos analistas.

Segue no radar, contudo, a cautela porque os chineses estão esticando a corda para que os EUA não levem a cabo o aumento de tarifas previsto para dezembro.

Por aqui, os investidores acompanham com apreensão as investigações da Polícia Federal sobre o presidente do PSL, Luciano Bivar (PE). A PF cumpre mandado de busca e apreensão na casa do deputado, investigando o desvio de dinheiro de candidaturas laranjas pelo partido nas últimas eleições. Este é mais um capítulo do esgarçamento das relações entre Bivar e o presidente Jair Bolsonaro, também do PSL.

PUBLICIDADE

Além disso, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, aprovou por unanimidade o relatório do senador Omar Aziz (PSD-AM) sobre a divisão dos recursos do megaleilão do pré-sal em novembro. Não houve alterações no texto da cessão onerosa que veio da Câmara dos Deputados. O projeto agora será encaminhado para o plenário. Passada essa etapa, fica livre o caminho para a reforma da Previdência ser votada em segundo turno no plenário do Senado no dia 22.

Às 12h40 (horário de Brasília) o Ibovespa tinha ganhos de 0,6% a 104.925 pontos. Na máxima do dia, o índice bateu 105.047 pontos, aproximando-se da máxima histórica de fechamento, atingida em 10 de julho, quando a Bolsa fechou cotada em 105.817 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial registra alta de 0,51% a R$ 4,1472 na compra e a R$ 4,1497 na venda. O dólar futuro para novembro subia 0,58% a R$ 4,1545.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 sobe três pontos-base a 4,60% e o DI para janeiro de 2023 tem alta de sete pontos-base a 5,61%.

Entre os indicadores, na China, o índice de preços ao consumidor subiu 3% em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado, pouco acima das expectativas, mas no nível mais elevado em seis anos, por conta do aumento do preço da carne suína, que aumentou quase 70%, como consequência dos efeitos do surto de peste suína africana. O índice de preços ao produtor, por sua vez, recuou 1,2%, em linha com as expectativas.

Já o Fundo Monetário Internacional (FMI), reduziu sua projeção para o crescimento econômico do Brasil em 2020 para 2%. No mundo, a expectativa da instituição é de que a atividade se expanda em 3% este ano.

PUBLICIDADE

Noticiário Corporativo

A Eletrobras (ELET3) fará um aumento de capital no montante de até R$ 9,987 bilhões, com a emissão de novas ações ordinárias ao preço unitário de R$ 35,72 e de novas ações preferenciais classe “B”, pelo preço de R$ 37,50. O montante mínimo de R$ 4,054 bilhões deverá ser subscrito pelo acionista controlador, União Federal, mediante a capitalização dos recursos recebidos da União Federal, decorrentes de aportes recebidos a título de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs).

A Engie Brasil Energia (EGIE3) ratificou, em assembleia geral extraordinária, em conjunto com a GDF International e com o co-investidor Caisse de Dépôt et Placement du Québec, a aquisição do controle acionário compartilhado da Transportadora Associada de Gás (TAG), cujo controle pertencia anteriormente à Petrobras.

A BR Properties (BRPR3) fechou a compra de duas torres que estão em construção e farão parte do Condomínio Parque da Cidade, em São Paulo. O contrato foi fechado com a HSI Real Estate, e o valor total a ser pago pelos imóveis é de R$ 766,113 milhões.

Política

Nesta manhã, foi divulgada a pesquisa XP/Ipespe registrando oscilação positiva, ainda que dentro da margem de erro, na aprovação do governo Jair Bolsonaro. O grupo que considera a administração ótima ou boa passou de 30% para 33%, enquanto os que veem o governo como ruim ou péssimo oscilaram de 41% para 38%. Essa é o primeiro recuo na avaliação negativa registra pela pesquisa desde junho deste ano.

As privatizações ainda foram questionadas. O grupo de brasileiros favoráveis a uma agenda de desestatizações chegou a 39%. O resultado representa um salto de 6 pontos percentuais em relação à fotografia de julho, mas ainda indica uma minoria.

Ainda no radar, o jornal O Globo destaca que o PSL deve provocar mais uma nova escalada em sua crise interna com a expulsão de quatro parlamentares alinhados com Bolsonaro, durante reunião do comando da sigla prevista para hoje. De acordo com a advogada eleitoral do presidente, Karina Kufa, o PSL “sempre foi administrado de forma coronelista” e Bolsonaro já conta com o convite de cinco partidos para se filiar, de pequeno a grande porte, entre eles o Patriota.

Segundo O Globo, entre os deputados federais que podem estar de saída estão Carla Zambelli (SP), Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e o deputado estadual Douglas Garcia (SP). “Já está mais do que justificada (a expulsão) com os ataques irresponsáveis e infundados que fizeram contra o partido”, disse o deputado Júnior Bozzela (PSL-SP), alçado a porta-voz informal do PSL.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, declarou que Bolsonaro segue avaliando a situação do PSL, comparando o relacionamento com o partido a um casamento “passível de divórcio”. “O presidente analisa a situação referente ao seu posicionamento em relação ao PSL dia a dia, e usa a metáfora que lhe é usual: ‘qualquer casamento é passível de divórcio'”, disse o porta-voz a jornalistas.

Já o líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse que Bolsonaro e o grupo de parlamentares descontentes com o PSL querem mais transparência do partido no uso dos recursos partidários. Segundo o líder, apenas após a prestação de contas, o presidente e parlamentares vão decidir sobre a permanência no partido.

O porta-voz da Palácio do Planalto acrescentou essa mesma posição por parte do presidente da República e lembrou que ele nem sequer usou dinheiro do fundo partidário durante sua campanha eleitoral do ano passado. Segundo Rêgo Barros, Bolsonaro voltou a dizer que quer o PSL como referência de partido com transparência e boas práticas.

“O que o presidente quer é que o PSL seja a referência como partido político transparente, que se mostra para a sociedade como diferente. É preciso que haja a possibilidade de ir fundo nas análises do partido e confirmá-las”, acrescentou.

(Com Agência Estado, Agência Senado, Agência Brasil e Bloomberg)

Invista contando com a melhor assessoria do mercado: abra uma conta gratuita na XP.