Conteúdo editorial apoiado por

Dólar hoje recua após dados de inflação e exterior mais favorável

Moeda recuou 0,35%, fechando a R$ 5,153 na venda

Felipe Moreira

Notas de dólar em foto de ilustração. Fonte: (Dado Ruvic/REUTERS)
Notas de dólar em foto de ilustração. Fonte: (Dado Ruvic/REUTERS)

Publicidade

O dólar recuou frente ao real nesta terça-feira (28), com traders repercutindo a divulgação de dados importantes sobre a economia local mais cedo, como o resultado primário mensal do governo central e o IPCA-15, que veio abaixo do esperado.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Qual a cotação do dólar hoje?

O dólar à vista fechou em queda de 0,35%, a R$ 5,154 na compra e a R$ 5,153 na venda – na mínima, a divisa chegou a R$ 5,135. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento registrava queda de 0,26%, aos 5.160 pontos, por volta das 17h20.

Continua depois da publicidade

Dólar comercial

Compra: R$ 5,154

Venda: R$ 5,153

Dólar turismo

Compra: R$ 5,170

Continua depois da publicidade

Venda: R$ 5,350

Leia mais: Tipos de dólar: conheça os principais e qual importância da moeda

O que acontece com o dólar hoje?


A moeda norte-americana oscilou em baixa ante o real durante toda a sessão, acompanhando o movimento externo em um dia de busca global por ativos de risco.

Esse movimento ocorreu em paralelo ao fechamento da curva a termo brasileira, após a divulgação de números favoráveis da inflação medida pelo IPCA-15.

Continua depois da publicidade


“Desde a manhã, vi um movimento absolutamente alinhado com o front externo, frente a uma valorização em bloco das moedas emergentes, ligadas a países exportadores de commodities”, comentou durante a tarde o diretor da assessoria de câmbio FB Capital, Fernando Bergallo.

Quando o dólar recuperou um pouco da força no exterior, na esteira da aceleração dos rendimentos dos Treasuries, as cotações aqui no Brasil também se recuperaram. Ainda assim, o dólar passou por mais uma sessão em que as margens de oscilação ante o real foram estreitas.


“Acho que tem a ver com a questão do Fed. Não há ninguém conseguindo cravar o que vai acontecer (na política de juros dos EUA)”, disse Bergallo. “O investidor estrangeiro (está) com cautela, as apostas (estão) divididas.”

Continua depois da publicidade

Para o restante da semana, as atenções estarão voltadas para a divulgação de índices de preços ao consumidor de países da zona do euro e do índice de inflação PCE nos Estados Unidos, na sexta-feira.


A agenda de indicadores movimentada reflete nas cotações dólar perante o real nesta manhã de terça-feira. O IPCA-15, prévia da inflação oficial do país, voltou a desacelerar em maio, para 0,44%, após a variação de 0,21% observada em abril, informou nesta terça-feira (28) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em maio de 2023, o IPCA-15 tinha sido de 0,51%.


(Com informações da Reuters)