Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Dólar hoje fecha com leve baixa à espera da ata do Copom e inflação nos EUA

Cautela predominou porque o mercado buscará na ata do Copom um esclarecimento sobre a divisão acirrada no último encontro do colegiado

Felipe Moreira

US dollar banknotes. Bloomberg

Publicidade

O dólar fechou ligeiramente em baixa nesta segunda-feira (13), com traders evitando grandes ajustes de posições antes da divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e dados de inflação nos Estados Unidos.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Qual a cotação do dólar hoje?

O dólar à vista fechou com queda de 0,13%, a R$ 5,150 na compra e R$ 5,151 na venda. Às 17h35 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caia 0,30%, equivalente a 5.159 pontos.

Continua depois da publicidade

O Banco Central realizou leilão de 12 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de julho de 2024.

Dólar comercial

Compra: R$ 5,150

Venda: R$ 5,151

Continua depois da publicidade

Dólar turismo

Compra: R$ 5,181

Venda: R$ 5,361

Leia mais: Tipos de dólar: conheça os principais e qual importância da moeda

Continua depois da publicidade

O que aconteceu com o dólar hoje?

Após subir por três sessões consecutivas no Brasil, o dólar iniciou a segunda-feira ensaiando um ajuste de baixa. A moeda norte-americana à vista atingiu a cotação mínima de R$ 5,1237 na primeiras horas do pregão, com alguns investidores realizando lucros, ajudados pelo recuo do dólar ante outras divisas no exterior.

No início da tarde, porém, o dólar à vista já havia se reaproximado da estabilidade ante o real, em meio à expectativa pela divulgação da ata do Copom e dados e inflação nos EUA. Na máxima do dia, às 12h48, a divisa marcou R$ 5,1659 (+0,16%).

A cautela predominou porque o mercado buscará na minuta do Copom um esclarecimento sobre a divisão acirrada no último encontro do colegiado, quando cinco dirigentes votaram pelo corte de 25 pontos-base da taxa básica Selic, para 10,50% ao ano, e quatro defenderam redução de 50 pontos-base.

Continua depois da publicidade

Como todos os quatro que defenderam corte menor foram nomeados já no governo Lula, a interpretação do mercado em um primeiro momento foi de que em 2025, quando este grupo se tornar maioria entre os nove integrantes do Copom, o BC poderá se tornar mais leniente com a inflação. Daí a forte pressão de alta para o dólar nas três sessões anteriores.

Profissionais ouvidos pela Reuters disseram que a ata poderá reforçar este receio — o que tende a manter o viés de alta dos juros futuros e do dólar ante o real — ou amenizá-lo.

(Com Reuters)