Radar InfoMoney

CSN tem resultado forte no 3º tri, prévias de EzTec e Tenda, avanço na saga dos royalties da Klabin e mais notícias

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta sexta-feira (16)

Aprenda a investir na bolsa

O noticiário corporativo acompanha o anúncio de lucro de mais de R$ 1 bilhão pela CSN no terceiro trimestre de 2020, revertendo prejuízo obtido no mesmo período do ano anterior.

A Klabin anunciou que a Sogepar aceitou reduzir o valor pedido para ser incorporada, que vai a R$ 274 milhões. Atenção ainda para os dados operacionais da EzTec e da Tenda. Confira os destaques:

CSN (CSNA3)

A CSN anunciou na noite de quinta-feira (15) que reverteu prejuízo no terceiro trimestre, atingindo lucro de mais de R$ 1 bilhão. No ano anterior, tivera prejuízo de mais de R$ 870 milhões no mesmo período.

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, o resultado líquido da companhia, de mais de R$ 1,26 bilhão, também foi quase o triplo do obtido no segundo trimestre, de R$ 445,9 milhões. Veja mais clicando aqui. 

Conforme destaca o Credit Suisse, o trimestre foi forte, principalmente devido aos embarques de minério de ferro, juntamente com um cenário melhor de preços. “Mas a CSN também se beneficiou de uma melhor situação da demanda doméstica de aço e um paridade de importação descontada para aumentar seus embarques domésticos e para implantar aumentos de preços”, avaliam Caio Ribeiro e Gabriel Galvão, analistas do Credit Suisse.

O fluxo de caixa livre ficou positivo em R$ 2,98 bilhões, sustentado por um Ebitda mais forte e uma queda acentuada dos estoques , o que reduziu a dívida líquida sequencialmente em R$ 2,5 bilhões, para R $ 30,6 bilhões, e trouxe a alavancagem para uma relação entre a dívida líquida e o Ebitda de 3,7 vezes (ante 5,2 vezes no segundo trimestre de 2020). Além disso, a CSN revisou seu guidance de 3 vezes a dívida líquida sobre o Ebitda para 2,5 vezes em 2021.

Ribeiro e Galvão também destacam que a companhia aumentará em 10% o preço dos aços planos em novembro. Isso, junto com a sólida demanda, pode levar a resultados ainda mais fortes no futuro. A recomendação para as ações CSNA3 é outperform (desempenho acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 19,00.

O Itaú BBA também ressaltou os resultados como sólidos e manteve recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 18 para os ativos.

Ainda no radar do setor, o IABr (Instituto Aço Brasil) divulgou suas estatísticas para setembro de 2020. A venda doméstica de aços longos, usados no setor de construção, cresceu 11% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Aços planos tiveram aumento de 12% na mesma comparação. Mas a exportação de aços planos finalizados caiu 48%, e a de aços longos, caiu 21%.

PUBLICIDADE

Análise do Credit Suisse divulgada na manhã de sexta-feira indicou que a produção de aços finalizados aumentou 5% entre agosto e setembro e caiu 3% na comparação com setembro de 2019. A penetração das importações como percentual do consumo aparente subiu 0,3 ponto percentual no caso de aços planos, para 8,5% do mercado. E caiu 0,9 ponto percentual para aços longos.

Segundo análise do Credit Suisse, os dados indicam que “o pior já passou”, e há sinais de apoio ao crescimento vindos de grandes empreendimentos e do setor de atacado, assim como do setor industrial. O banco destacou as ações da CSN e da Gerdau (GGBR4).

Magazine Luiza (MGLU3)

O Magazine Luiza comprou a escola digital de negócios ComSchool, por valor não revelado. A empresa diz que buscará ampliar a capacidade de negócios de seus 32 mil vendedores cadastrados. A ComSchool oferece cerca de 200 cursos em marketing digital, e-commerce e redes sociais.

Klabin (KLBN11)

A Klabin informou na quinta-feira que a Sogemar e BNDESPar fizeram acordo por meio do qual a Sogemar aceitou reduzir o valor pedido para ser incorporada pela Klabin.

Segundo o fato relevante, a nova proposta para incorporação da Sogemar prevê a emissão de 69.394.696 ações ON.

Com isso, o valor para incorporação seria de R$ 274 milhões, sendo este o valor de referência. A proposta anterior era de emissão de 92.902.188 ações.

Contudo, vale ressaltar, O valor de mercado da proposta ainda é próximo ao anterior, representando R$ 362,6 milhões (a preços de 15 de outubro).

Uma assembleia de acionistas da Klabin para deliberar sobre o novo acordo foi convocada para até 15 de dezembro.

PUBLICIDADE

O acordo diz respeito ao valor demandado pela Sogemar, que é de membros da família Klabin, pelo uso da marca Klabin e derivadas.

O Bradesco BBI manteve recomendação de outperform (de performance acima da média do mercado) para a Klabin, destacando que a notícia é positiva.

Para os analistas do banco, é possível que a assembleia de 30 de setembro sobre o tema seja adiada (para 15 de dezembro, segundo a Klabin, mas os analistas avaliam que pode ser antes).

O acordo pode marcar o fim aos royalties pagos pela empresa à família controladora da Klabin. A Sogemar pertence a membros da família Klabin e detém a marca Klabin e derivadas (ou seja, Klabin Boards, Klabin Carrier Board, Klabin Freeze Board, Klabin Liquid Board, Klabin Liquid Board, Klabin Rigid Board e Klabin X Rigid Board). Assim, a aprovação pode ser um grande passo para a melhora da governança corporativa.

Totvs (TOTS3) e Linx (LINX3)

A Totvs arquivou o documento F4 na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, a SEC. Na prática, o documento a inscreve como uma companhia estrangeira no mercado americano, e com isso aumenta a pressão sobre os conselheiros independentes da Linx. A ausência do documento era um dos argumentos usados para não levar a proposta da Totvs à assembleia de acionistas que decidirá o futuro da companhia, conforme destaca a Coluna do Broad.

“Com o arquivamento, a Totvs mostra mais uma vez sua forte intenção de adquirir a Linx e os investidores ganharam mais uma evidência de que ela está dando todos os passos necessários para participar do processo de aquisição”, avaliam os analistas do Bradesco BBI.

EZTec (EZTC3)

A EZTec reportou queda de lançamentos e de vendas no terceiro trimestre de 2020. Os lançamentos caíram 15%, e as vendas, 2% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Segundo o Credit Suisse, a empresa vem tendo dificuldades em aprovar novos projetos. As vendas líquidas atingiram R$ 305 milhões, valor próximo ao mesmo nível do ano anterior.

O Credit Suisse avaliou na manhã de sexta-feira que, mesmo com perspectivas pouco animadoras no curto prazo, a perspectiva no longo prazo é positiva, e manteve sua avaliação de outperform (performance acima da média do mercado) para a ação.

Tenda (TEND3)

PUBLICIDADE

A incorporadora Tenda reportou alta das vendas no terceiro trimestre de 2020. A companhia destaca os 17 empreendimentos lançados no período, melhor marca trimestral de sua história.

O valor geral de vendas (VGV) destes projetos é de R$ 984,2 milhões, valor que correspondem a um crescimento de 29,3% em relação ao mesmo período de 2019, e de 56,2% na comparação com o segundo trimestre deste ano. No acumulado de janeiro a setembro, os lançamentos somam R$ 1,78 bilhão, avanço de 2,3%.

Os distratos entre julho e setembro ficaram em R$ 94 milhões, aumento de 76,3% em relação ao mesmo período de 2019. A velocidade de vendas (VSO) chegou a 32,3% no terceiro trimestre, ante 28% de um ano antes. As vendas líquidas da Tenda em número de unidades foi de 5.179, um aumento de 37% na relação anual, e de 25,4% em três meses. O banco de terrenos da companhia atingiu R$ 10,8 bilhões ao final de setembro, valor 9,5% maior que 12 meses antes.

O Itaú BBA aponta que a construtora já atingiu entre 81% e 85% de lançamentos e pré-vendas que havia previsto para o ano. Os cancelamentos caíram para 11,2% das vendas brutas. O Itaú BBA recomenda as ações como outperform.

Incorporadoras

Com um terceiro trimestre aquecido em termos de lançamentos e vendas de imóveis, o setor de incorporação espera continuidade no ritmo de crescimento. Segundo o Valor, há expectativa no mercado de que o total de lançamentos alcance em 2020 o mesmo patamar de 2019, ou tenha até mesmo algum crescimento, mesmo com a retração observada no segundo trimestre.

M. Dias Branco (MDIA3)

O Bradesco BBI iniciou a cobertura da fabricante de alimentos M. Dias Branco. O banco afirma que as ações da M. Dias têm tido desempenho quatro pontos percentuais abaixo da média do mercado desde o início da pandemia de covid. Mas espera que o fim do auxílio emergencial levará investidores a investirem em setores mais resilientes à queda na renda dos consumidores.

A M. Dias está expandindo sua distribuição, e o Bradesco espera que isso levará a ganhos de mercado de 2 pontos percentuais nos próximos dois anos. Por isso, recomenda as ações como outperform (com performance acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 42, o que configura um potencial de valorização de 15% em relação ao fechamento da véspera.

BB Seguridade (BBSE3) e Banco do Brasil (BBAS3)

A BB Seguridade anunciou que seu diretor-presidente, Bernardo Rothe, renunciou ao cargo, com efeito a partir de 20 de outubro.

Em fato relevante separado, o Banco do Brasil anunciou que seu conselho de administração elegeu Rothe como vice-presidente de negócios de atacado.

Funcionário de carreira do BB, Rothe já foi vice-presidente de finanças e de relações com investidores do BB entre 2017 e 2019. Agora vai ocupar a vaga deixada por Walter Malieni, que morreu em agosto.

A BB Seguridade, braço de seguros e previdência privada do BB, informou ainda que o nome do novo presidente será anunciado “tão logo todos os trâmites sejam concluídos”.

Telefônica Brasil (VIVT4)

A Telefônica Brasil foi sancionada administrativamente pela Controladoria-Geral da União (CGU) por dar ingressos para jogos da Copa do Mundo de 2014 a agentes públicos, de acordo com fato relevante da empresa à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta sexta-feira.

A Telefônica Brasil disse que pagará uma multa de R$ 45,7 milhões e acrescentou que a CGU não encontrou dano à administração pública ou vantagens auferidas pela companhia em razão dos ingressos oferecidos

De acordo com a empresa de telecomunicações, que opera sob a marca Vivo, a distribuição dos ingressos ocorreu no contexto de ações de marketing e promoção institucional.

Minerva Foods (BEEF3)

A Minerva S.A. informou acionistas que o conselho de administração aprovou homologação do aumento de capital da Companhia. O aumento será no valor de R$ 30.591,30, por meio da emissão de 4.765 ações ordinárias.

Pix

O banco Morgan Stanley destacou a notícia de que mais de 34 milhões de chaves de acesso já foram registradas no sistema PIX, para transferências de recursos. A possibilidade de realizar o registro foi lançada há dez dias. O processo é liderado por empresas de Fintech. O Nubank (NUB4) registrou 8,1 milhão de identidades; o Mercado Pago (MELI34), 4,7 milhões; o PagSeguro (PAGS), 4,3 milhões. Bancos grandes ficam atrás. O Bradesco (BBDC4) registrou 3,7 milhões de chaves; a Caixa, 2,5 milhões; o Banco do Brasil (BBAS3), 2,1 milhões; o Itaú (ITUB4), 1,8 milhões; e o Santander Brasil (BCSA34), 1,6 milhão.

Mas o Morgan Stanley ressalta que o número de indivíduos e empresas que se registraram é, provavelmente, muito menor. Cada indivíduo pode registrar até 5 chaves por conta bancária, e as empresas, até 20 por conta bancária. Isso significa que alguém com duas contas pode registrar 10 chaves. E uma empresa com duas contas pode registrar até 40 chaves.

O Morgan Stanley afirma que, à primeira vista, o Pix pode parecer pouco atrativo para grandes bancos, que, com o novo sistema, poderiam perder receitas com boletos e transferências bancárias. Mas avalia que, na prática, o PIX deve ganhar importância especialmente em pagamentos de pessoas para pessoas, o que pode ampliar a inclusão financeira. “Por isso, mesmo instituições estabelecidas querem participar”, afirma a análise. A disputa por adesão pode ser também um movimento defensivo importante.

Desistência de IPOs

A empresa do ramo de telecomunicações Triple Play e a incorporadora paulista One Innovation desistiram de planos de se listarem na B3 por meio de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Com elas, já são 13 companhias a engavetarem projetos de captar recursos no mercado acionário brasileiro, em meio à volatilidade registrada desde meados de julho.

O movimento sublinha como o plano de buscar recursos no mercado para financiar projetos de expansão, de olho num cenário de taxas de juros em mínimas recordes no país, tem se mostrado um caminho potencialmente frustrante diante da volatilidade do mercado turbinada pelos efeitos da pandemia da Covid-19, além das incertezas político-econômicas domésticas e internacionais.

Ainda há mais de 40 companhias à espera de registro da CVM para levarem seus IPOs adiante. Duas delas, a rede hospitalar Rede D’Or e o grupo educacional Cruzeiro do Sul, submeteram seus pedidos neste mês.

(Com Reuters e Agência Estado)

Quer aprender a fazer trades rápidos? Analista disponibiliza treinamento gratuito de scalping por tempo limitado – clique aqui para participar!