Tensão diplomática

Crise diplomática entre EUA e China tem novos capítulos

China cortou conversas bilaterais com EUA em assuntos militares e segurança marítima, entre outros

Por  ANSA Brasil -

A visita da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taiwan durante essa semana continua a ter reflexos nas relações diplomáticas entre americanos e chineses.

Nesta sexta-feira (5), a Casa Branca convocou o embaixador chinês em Washington, Qin Gang, para condenar formalmente a escalada das ações de Pequim contra o território, com uma intensificação dos exercícios militares, e para reafirmar que os EUA não querem uma crise na região. A notícia foi confirmada pelo porta-voz do Departamento de Defesa, John Kirby, que falou em “ações provocatórias”.

Por outro lado, o Ministério das Relações Exteriores da China anunciou uma série de contramedidas por conta da visita de Pelosi, entre elas, estão a suspensão dos vários mecanismos de comunicação e de cooperação China-EUA, incluindo o diálogo entre líderes militares, e as conversas sobre os mecanismos de segurança marítima. Também foram incluídas suspensões nos debates de cooperação antidrogas, crimes transnacionais e migração ilegal.

Em sua coletiva diária com a imprensa, uma das porta-vozes da pasta, Hua Chunyng, disse que a questão que envolve Taiwan “não é uma questão democrática, mas uma questão de princípios importante sobre soberania e integridade territorial da China”.

Novamente, o governo de Pequim afirmou que a situação atual “foi inteiramente provocada por Pelosi e pelos políticos norte-americanos”. “A parte norte-americana deve pensar de maneira diferente. Se um estado qualquer nos EUA busca se separar do país e se afirmar como nação, enquanto um outro país continua a fornecer armas e apoio político, o governo e o povo dos EUA podem permitir isso?”, disse Hua, sem citar, porém, que Pequim nunca controlou politicamente Taiwan.

Além disso, o governo chinês anunciou sanções diretas contra Pelosi e seus familiares, sem especificar as medidas. Para Pequim, em nota oficial, a visita da democrata “interferiu gravemente nos assuntos internos da China” e “ameaçou gravemente a soberania e a integridade territorial” do país.

Exercícios militares

Envolvido diretamente na polêmica, o Ministério da Defesa de Taiwan publicou mais um relatório sobre os exercícios militares chineses, que circundam toda a ilha, e afirmou que os aviões e navios de guerra atravessaram a “linha que divide” o estreito entre os dois territórios. Para a pasta, as operações são “altamente provocatórias” e a quantidade de veículos militares que violaram a área “continua a aumentar”.

Até às 17h (hora local), o Ministério da Defesa informou que 68 caças militares e 13 navios de guerra chineses atravessaram a linha que separa os dois territórios pelo Estreito. A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, chamou de “irresponsável” as manobras militares na região por conta da visita de Pelosi.

Em um vídeo de cerca de quatro minutos, Tsai pediu que Pequim aja com mais “autocontrole” e convidou Pequim para o diálogo. “Nos esforcemos em manter o status quo através do estreito com uma mente sempre aberta para diálogos construtivos”, acrescentou.

Reações

Nesta sexta-feira, no segundo dia de reuniões da Asean, o secretário norte-americano de Estado, Antony Blinken, voltou a dizer que as ações militares da China “são clamorosamente provocatórias” e que os EUA não querem nenhuma mudança no status quo de Taiwan.

Já o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a visita de Pelosi foi uma “provocação” que “não pode ficar sem consequências” e que a China “está adotando legitimamente uma ação para proteger sua soberania”.

A empresa aérea Singapore Airlines anunciou nesta sexta o cancelamento de seus voos de e para Taiwan por conta das “crescentes restrições do espaço aéreo” provocadas pelos exercícios chineses. “A segurança dos nossos passageiros e dos nossos funcionários são nossa prioridade”, informou a companhia ao portal “CNA Asia”.

Compartilhe