Opinião do CoinDesk

Criptos estão passando em hipervelocidade pelas crises das finanças tradicionais

O mais interessante é ver o que acontece com o Bitcoin e outras criptomoedas durante esses tempos difíceis

Por  CoinDesk -

*Por George Kaloudis

A última vez que escrevi sobre uma stablecoin, em maio deste ano, ela falhou de forma drástica. Mas aí  veio a proposta de fazer MakerDAO investir em títulos do Tesouro dos Estados Unidos para garantir sua stablecoin DAI, o que me obriga falar de novo sobre o fracasso de alguns projetos.

Há duas semanas, sugeri que plataformas com alavancagem excessiva eram um perigo para os investidores de criptomoedas. O problema ficou evidente com a insolvência do hedge fund cripto Three Arrows Capital (3AC), mas também com as plataformas de empréstimo e yield para o varejo Celsius e Voyager, que montaram planos de reestruturação.

Esse é o tipo de coisa que empresas fazem quando estão ferradas. A Voyager até declarou falência – para que sejamos justos, “o bom tipo de falência” (se é que isso existe) -, provando que o setor está determinado a lidar com questões que envolvem as finanças tradicionais em hipervelocidade.

Além disso, a exchange Blockchain.com pode perder US$ 270 milhões com empréstimos para o Three Arrows. Há muito mais coisas ruins acontecendo agora no mercado de ativos digitais. Mas , tenho confiança de que tudo vai (de alguma forma) ficar bem.

A economia não parece boa

A curva de juros inverteu nesta semana. Essa mudança muitas vezes é tratada como um indicador de alerta para uma recessão. Não é, portanto, algo bom.

Certo, mas o que isso significa? Em linguagem simples, o governo federal dos EUA vende títulos – ou títulos do Tesouro – para investidores como você para financiar projetos estatais. O Tesouro, por sua vez, paga uma taxa de juros ou rendimento ao longo de um período. No final desse tempo, o valor original é devolvido ao investidor. Se isso soa como empréstimo, é porque é.

Quanto mais longo for o tempo do empréstimo, maior o valor que os investidores podem ganhar nesses títulos. Isso faz sentido. O dinheiro fica preso por mais tempo, então, em troca desse risco, você obtém mais rendimento. Então, se você plotasse a duração do empréstimo no eixo X de um gráfico em relação ao rendimento no eixo Y, obteria uma curva de crescimento com aparência logarítmica.

Exceto quando a curva de juros se inverte – que foi o que aconteceu. Agora, os rendimentos do Tesouro de 10 anos são inferiores aos rendimentos do Tesouro de 2 anos. Teoricamente, isso significa que os investidores esperam que as taxas de longo prazo caiam. Praticamente, isso significa que os bancos – que dependem de empréstimos a taxas superiores à “taxa livre de risco” (normalmente o rendimento do Tesouro de 10 anos) para ganhar dinheiro – emprestarão menos. E isso levará a uma desaceleração da atividade econômica.

Assim é a vida em um sistema monetário baseado em dívidas.

Além disso, um aumento de 75 pontos base (bps) na taxa de juros em julho é basicamente uma conclusão precipitada neste momento. De acordo com a ata da reunião de junho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), quase todos os membros eram a favor de uma alta de 75 bps. Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), disse que um reajuste de 75 bps foi “grande e fora do normal”.

A luta das mineradoras

Agora vamos falar sobre as empresas de mineração que estão vendendo seus estoques de Bitcoin (BTC) para financiar operações enquanto lutam para sobreviver no mercado de baixa. Uma das maiores mineradoras, a Core Scientific (CORZ), anunciou que vendeu mais de 7.000 BTC em junho. A empresa não teve um bom desempenho em 2022, então não é surpreendente que tenha que recorrer às suas reservas.

Dito isso, enquanto a resistência das mineradoras é vista como o início de uma “espiral da morte” (já que os mineradores deveriam ser a última linha de defesa), na realidade isso não está acontecendo. Espiral da morte é um termo que se refere a um cenário de pânico e queda de preços.

Leia mais: 

O CEO da Core Scientific, Mike Levitt, garantiu aos investidores que a empresa está focada na execução de seus planos e que a venda foi apenas um exercício para manter um balanço saudável. Novamente para ser justo, a CORZ não precisaria divulgar que vendeu qualquer coisa, já que a publicação de seus resultados financeiros não deve ocorrer até agosto.

Portanto, é preciso reconhecer a transparência.

A triste situação das plataformas de empréstimo

Por último, a alavancagem continua a prejudicar o mercado. O colapso da Terra (LUNA) levou à insolvência do Three Arrows Capital e, agora, estamos enfrentando uma crise das plataformas de empréstimos de criptoativos.

A BlockFi recebeu um resgate da exchange FTX de US$ 215 milhões; a Celsius interrompeu as operações e anunciou alguns planos de reestruturação; e a Voyager declarou falência. Além disso, a Blockchain.com pode perder US$ 270 milhões com empréstimos feitos para o 3AC. A situação está difícil.

As notícias sobre todas essas plataformas ainda estão se desenrolando. Em geral, nada disso é bom, mas parece que o pior ficou para trás. A exchange FTX e seu CEO, Sam Bankman-Fried, estão emergindo como os “salvadores das criptomoedas”. O nome da empresa apareceu em todas as discussões sobre empresas cripto que estão entrando em colapso por causa da insolvência do Three Arrows.

Um ponto interessante

É isso mesmo que você viu: nada disso é bom, seja a curva de rendimento invertida, taxas de juros mais altas, venda do Bitcoin das mineradoras ou as várias falências de plataformas de empréstimo cripto.

O que vai ser mais interessante aqui é ver o que acontece com o BTC e as altcoins durante esses tempos difíceis. A situação não está ruim apenas no mercado cripto, mas os marcadores macro estão sinalizando uma recessão.

Embora tenha nascido de uma recessão, o Bitcoin nunca passou por uma. Vai, no mínimo, ser interessante analisar o cenário. Felizmente (ou infelizmente) as coisas estão acontecendo mais rápido do que estou acostumado, afinal, eu trabalhava no mercado financeiro tradicional.

O interessante é ver o que o BTC fará nesses tempos difíceis da macroeconomia – que é a raiz de tudo isso. Na semana passada, por exemplo, a moeda voltou a subir. Isso significa que eu acho que vai ficar tudo bem? Para falar a verdade, não sei.

*George Kaloudis é analista da CoinDesk Research.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe