Controlada da Tupy anuncia projetos; Qualicorp e HBR têm mudanças acionárias

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta terça-feira (5)

Felipe Moreira

(Divulgação)
(Divulgação)

Publicidade

O radar corporativo desta terça-feira (5) traz a a assinatura de acordo pela MWM, subsidiária da Tupy, para expansão da parceria com a cooperativa agrícola Primato e desenvolvimento de novo projeto com a empresa Granja Rancho da Lua para geração de eletricidade limpa oriunda de biogás e produção de fertilizante organomineral.

A Qualicorp (QUAL3) e a HBR (HBRE3) anunciaram mudanças acionárias relevante na noite passada. Já o S&P elevou os ratings da Iochpe-Maxion (MYPK3) de “BB-” e “brAA+” para “BB” e “brAAA”, nas escalas global e nacional, respectivamente, com perspectiva estável.

Ainda em destaque, a Petrobras (PETR4) disse que não houve irregularidade na celebração do contrato com Unigel. Já o Itaú (ITUB4) aprovou pagamento de JCP no valor de R$ 0,2418 por ação. Na temporada de balanços, a Vibra (VBBR3) viu lucro crescer mais de 5 vezes no quarto trimestre, para R$ 3,3 bilhões.

Continua depois da publicidade

Confira mais destaques:

Tupy (TUPY3)

A Tupy (TUPY3) anunciou a assinatura de Memorandos de Entendimento pela sua subsidiária MWM para expansão da parceria anunciada em 2023 com a cooperativa agrícola Primato e desenvolvimento de novo projeto com a empresa Granja Rancho da Lua para geração de eletricidade limpa oriunda de biogás e produção de fertilizante organomineral resultante deste processo.

Iochpe-Maxion (MYPK3)

A agência de classificação de risco de crédito Standard & Poor´s Global
Ratings (S&P) elevou os ratings da Iochpe-Maxion (MYPK3) de “BB-” e “brAA+” para “BB” e “brAAA”, nas escalas global e nacional, respectivamente, com perspectiva estável.

Continua depois da publicidade

Qualicorp (QUAL3)

A BlackRock adquiriu instrumentos financeiros derivativos, com liquidação financeira,
referenciados em ações ordinárias emitidas pela companhia, sendo que, em 29 de
fevereiro de 2024, suas participações, de forma agregada, passaram a ser de
14.257.076 instrumentos financeiros derivativos referenciados em ações ordinárias
com liquidação financeira, representando aproximadamente 5,019% do total de
ações ordinárias emitidas pela Companhia; e 9.948.362 ações ordinárias,
representando aproximadamente 3,502% do total de ações ordinárias emitidas pela
Companhia.

HBR Realty (HBRE3)

A Dynamo informou que, o conjunto de veículos por ela geridos atingiu o montante de 4.838.749 ações, equivalentes a 4,69% das ações ordinárias de emissão da Companhia.

Itaú (ITUB4)

O Conselho de Administração do Itaú (ITUB4) aprovou nesta segunda-feira (4) o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP), no valor de R$ 0,2418 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,20553 por ação.

Continua depois da publicidade

Vibra (VBBR3)

A Vibra (VBBR3) registrou lucro líquido de R$ 3,297 bilhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), montante 482,5% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022.

Pague Menos (PGMN3)

A Pague Menos (PGMN3) registrou um lucro líquido de R$ 126,1 milhões no quarto trimestre de 2023, alta de 23,7% na comparação anual.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras (PETR4) informou nesta segunda-feira (4) que não houve irregularidades na celebração do contrato de tolling (serviço de processamento de gás com vista à produção de ureia e amônia) com a Unigel.

Continua depois da publicidade

Technos (TECN3)

A Technos (TECN3) registrou aumento de 15,6% no lucro líquido no quarto trimestre de 2023 em relação a igual período de 2022, saindo de R$ 21,7 milhões para R$ 25,1 milhões.