Vibra (VBBR3) vê lucro crescer mais de 5 vezes no quarto trimestre, para R$ 3,3 bilhões

Resultado é fruto de um melhor desempenho operacional, melhor resultado financeiro e recuperações tributárias

Felipe Moreira

Vibra (Foto: Divulgação)

Publicidade

A Vibra (VBBR3) registrou lucro líquido de R$ 3,297 bilhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), montante 482,5% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2022, informou a distribuidora de combustíveis nesta segunda-feira (4).

A companhia explica que o resultado “tem como base um melhor desempenho operacional, melhor resultado financeiro e, ainda, recuperações tributárias ocorridas no período”.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado totalizou R$ 2,328 bilhões no 4T23, um crescimento de 54,5% em relação ao 4T22.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A margem Ebitda ajustada atingiu R$ 254 m³ (metros cúbicos) entre outubro e dezembro do ano passado, alta de 69,2% frente a margem registrada em 4T22.

A receita líquida ajustada somou R$ 43,846 bilhões no quarto trimestre do ano passado, queda de 3,1% na comparação com igual etapa de 2022.

O lucro bruto ajustado atingiu a cifra de R$ 2,592 bilhões no quarto trimestre de 2023, um aumento de 49,5% na comparação com igual etapa de 2022.

Continua depois da publicidade

As despesas operacionais ajustada somaram R$ 868 milhões no 4T23, um crescimento de 60,1% em relação ao mesmo período de 2022.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 50 milhões no quarto trimestre de 2023, uma redução de 87,6% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022. 

A Vibra encerra o ano de 2023 com dívida líquida de R$ 9,5 bilhões, ante a uma dívida líquida de R$ 13,7 bilhões no final de 2022, uma redução de R$ 4,2 bilhões (-30,8%) no ano. Resultado direto da forte geração de caixa no período, que viabilizou a redução de R$ 1,7 bilhão (-9,6%) na dívida bruta, aliada com um aumento de R$ 2,5 bilhões em
disponibilidades (+60,8%).

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,1 vez em dezembro/23, queda de 1,6 p.p. (ponto percentual) em relação ao mesmo período de 2022.