Comunicado duro do BC traz pressão de alta para juros curtos e de baixa para dólar e Bolsa

A reação do mercado, no entanto, é apenas uma das consequências da decisão, uma vez que a pressão sobre Roberto Campos Neto deve aumentar

Reuters

Publicidade

Os mercados de juros futuros, dólar e ações devem passar por ajustes importantes na quinta-feira no Brasil, segundo alguns profissionais, após o Banco Central ter mantido a Selic em 13,75% ao ano e ter sinalizado a possibilidade de persistir com taxas elevadas por mais tempo, para conduzir a inflação às metas.

Como o comunicado foi duro –ou “hawkish”, pelo termo do mercado– ao tratar dos desafios para o controle da inflação, a visão é de que o mercado de DIs refletirá isso, em especial na ponta curta.

“Primeiro, o mercado estava precificando um comunicado que pudesse trazer possível indicação de corte de juros, talvez em junho. Isso não existiu. O BC deu sinal de que pode até aumentar os juros”, comentou Flavio Serrano, economista e sócio da BlueLine Asset Management.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Após as taxas dos contratos futuros de juros terem recuado nesta quarta-feira, antes do anúncio do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, a expectativa de Serrano é de que elas subam na quinta-feira, em especial entre os contratos mais curtos.

Leia também:

“As taxas mais curtas devem subir, e a curva tende a perder inclinação. Isso porque as taxas longas podem subir menos ou até cair”, explicou. “Se as expectativas de inflação continuarem piorando, podemos ter eventualmente o ano de 2023 inteiro com o BC parado”, alertou.

Continua depois da publicidade

No mercado de câmbio, a expectativa é de um dólar mais fraco em relação ao real. Além de a decisão de juros do Federal Reserve, o banco central norte-americano, nesta quarta-feira ter aberto espaço para a baixa da moeda norte-americana ante diversas outras divisas, a perspectiva de uma Selic alta por mais tempo contribui para o fortalecimento do real.

“Pelo menos no curto prazo, a sinalização do Copom é boa para o real”, afirma o diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior. “A decisão desta quarta-feira tende a ser negativa para a bolsa e para o dólar. No caso dos juros, haverá um aumento nas taxas curtas”, disse.

A reação do mercado, no entanto, é apenas uma das consequências da decisão. Faria Júnior lembra que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, vem sendo pressionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por membros do PT para baixar a taxa básica de juros o quanto antes.

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, é uma das maiores críticas de Campos Neto. Na noite desta quarta-feira, pouco depois do anúncio do Copom, ele usou o Twitter para criticar o presidente do BC.

“Roberto Campos, explica como empresários podem captar recursos com os maiores juros do mundo? Como investir se o dinheiro aplicado rende 8% reais? Você não entendeu seu compromisso com o Brasil?”, disparou.

No comunicado da noite desta quarta-feira, no entanto, a diretoria do BC parece não ter aberto brechas claras para cortes de juros, considerando o avanço da inflação e o cenário global incerto.

“Não dá para saber o quanto o Roberto Campos vai ser detonado, porque o comunicado é muito duro, fala até em subir juros”, afirmou Faria Júnior. “Mas para 2025, 2026, estão piorando as expectativas de inflação. Então, na quinta-feira o juro curto sobe, o dólar cai, e as bolsas caem.”

Para o economista-chefe da Órama Investimentos, Alexandre Espírito Santo, e a analista de macroeconomia, Eduarda Schmidt, “mesmo com a pressão política que o BC vem sofrendo nos últimos meses, a atuação do Copom se manteve focada no balanço de riscos e na convergência das expectativas e ancoragem da inflação”.

Em análise distribuída após o Copom, eles afirmam que o BC deverá aguardar a tramitação no Congresso do novo arcabouço fiscal para ter maior convicção em relação a cortes de juros.