Comprar pela internet ficou 1,91% mais caro em junho, aponta Provar

Resultado foi influenciado principalmente pelas categorias Brinquedos (+6,84%) e Viagem e Turismo (+5,68%)

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Os preços dos produtos vendidos pela internet ficaram mais caros em junho. Segundo dados da e-flation divulgados nesta segunda-feira (18), houve alta de 1,91% nos preços.

O índice, que mede a inflação do comércio eletrônico, é calculado pelo Provar (Programa de Administração de Varejo), instituição ligada à FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo).

Segundo o professor Claudio Felisoni de Angelo, coordenador geral do Provar, com a atualização da metodologia e análise dos dados, nos últimos seis meses, o índice contabiliza 6,01% de inflação.

Destaques

De acordo com o Provar, o resultado do sexto mês do ano foi influenciado, sobretudo, pelo comportamento dos preços da categoria Brinquedos, cujos valores subiram 6,84%, e Viagem e Turismo, que registrou inflação de 5,68%.

Na seqüência, vieram os segmentos de Informática (+4,21%), Automóveis (+3%), Livros (+2,28%), Telefonia (+0,67%) e Perfumaria (+0,34%).

Por outro lado, quatro setores registraram queda de preços em junho: CDs e DVDs (-3,7%), Produtos para Casa (-1,93%), Linha Branca (-1,34%) e Eletroeletrônicos (-0,23%).

Composição do índice

Para calcular o e-flation, o Provar considera os produtos mais adquiridos pelos consumidores online, identificados em pesquisas sobre expectativas de consumo na internet.

Os pesos das categorias são divididos da seguinte maneira: eletroeletrônicos (17,38%); CDs/DVDs e Livros (ambos responderão por 11,37%); Informática (14%); Telefonia (11,28%); Perfumaria (8,18%); Produtos para Casa (8,13%); Brinquedos (5,64%); Viagem e Turismo (6,93%) e Linha Branca (5,73%).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe