Como construção, comércio e serviço impulsionam melhor mercado de trabalho em 10 anos

Taxa de desemprego está no menor patamar em dez anos, avançando com crescimento da renda

Camille Bocanegra

Publicidade

O mercado de trabalho brasileiro está experimentando uma fase de recuperação robusta, com a força de trabalho atingindo um novo patamar em 2024, impulsionado por setores que são grandes empregadores, como construção, serviço e comércio. Assim, as taxa de desocupação encontram-se no menor patamar em cerca de 10 anos.

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) do IBGE, mais 101 milhões de brasileiros integravam a força de trabalho no trimestre até maio de 2024. A taxa de desemprego, por sua vez, ficou em 7,1 representando 7,8 milhões de desempregados no país.

Para Adriana Beringuy, coordenadora de pesquisas domiciliares do IBGE, a expansão dos empregados (tanto formais quanto informais) tem impulsionado o crescimento contínuo da população ocupada.

Continua depois da publicidade

“Isso mostra que diversas atividades econômicas vêm registrando tendência de aumento de seus contingentes. Além disso, há um fator sazonal no crescimento do grupamento de atividades Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais”, afirma.

O rendimento médio também apresentou alta na comparação anual, com avanço de 5,6% para R$ 3.181.

Baixe uma lista de  10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

“Estamos, de fato, num momento muito positivo, historicamente falando, de desemprego. O desemprego está em níveis muito baixos, muito próximo das mínimas históricas. Isso tem sido impulsionado por um crescimento do emprego expressivo”, comenta Carlos Lopes, economista do Banco BV.

Setor de serviços forte

De acordo com o economista, há expectativa de um arrefecimento do mercado de trabalho pela frente. Lopes explica que esse movimento deve ser gradual nos próximos meses.

Apesar de comentar um aumento no envelhecimento da população como responsável por uma redução na força total de trabalho, o economista reforça que há “um bom crescimento do emprego, um forte crescimento da renda”.

Continua depois da publicidade

O avanço na renda tem sido mais de 5% real e colabora para taxas de desemprego mais baixas ao longo do tempo.

Outro ponto destacado é o fortalecimento do setor de serviços a partir de um mercado de trabalho mais aquecido, como observado no pós-pandemia. A categoria foi a que mais apresentou criação de postos na pesquisa do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) com dados de maio. Dos cerca de 131,8 mil postos criados, 69,3 mil foram no setor de serviços.

Construção civil

No caso da indústria da construção civil e incorporação imobiliária, os dados também são animadores. O setor foi o terceiro que mais gerou empregos nos dados de maio, segundo os dados do Caged.

Continua depois da publicidade

Em nota ao InfoMoney, a Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) afirmou que as perspectivas para o setor são positivas por diversos fatores. “A continuidade de políticas públicas de incentivo à habitação, como o programa Minha Casa, Minha Vida, juntamente com o Programa Acredita, que promete impulsionar a demanda por imóveis de Médio e Alto Padrão, deve manter a demanda por novas unidades habitacionais em níveis elevados”, afirma.

Além disso, as projeções otimistas também são reforçadas por níveis crescentes de vendas e estoques em níveis saudáveis.

“Os recentes números reforçam a importância econômica do setor e destacam o mercado imobiliário como um dos principais motores na criação de oportunidades de trabalho, especialmente entre a população de menor renda, uma vez que envolvem projetos de grande escala que requerem uma força de trabalho significativa”, afirma Luiz França, presidente da Abrainc.

Continua depois da publicidade

O setor também apresenta o melhor salário de admissão entre os setores da economia em maio de 2024.

“Há cinco meses consecutivos a Construção Civil vem registrando saldos positivos, com admissões superiores às demissões, o que vem aumentando sistematicamente o seu número de trabalhadores formais”, afirmou a economista da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Ieda Vasconcelos, em notícia da agência CBIC.

Saiba mais

Os dados explicam também o avanço tanto no saldo mensal quanto no acumulado de 12 meses do segmento de Material de Construção no setor do Varejo. De acordo com Felipe Tavares, economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o saldo de aumento significativo do segmento reflete investimentos no setor.

“Aqui pode ser um efeito muito grande talvez do PAC e das políticas que foram anunciadas, além de um novo aquecimento de Minha Casa Minha Vida, dos programas governamentais para fomentar a construção civil. O segmento do material de construção responde imediatamente a isso”, explica.

A categoria lidera os dados do setor em maio, com abertura de 3.819 mil postos no saldo mensal entre admissões e desligamentos. No acumulado anual, fica apenas atrás do segmento de Hipermercados e Supermercados.

Varejo

O setor varejista apresentou saldo positivo em maio de 2024 na pesquisa Caged, ainda que na comparação com o mesmo mês do ano passado demonstre desaceleração. Isso reflete tanto a maior dificuldade na obtenção de crédito (em especial com taxas de juros mais altas) quanto a maior estabilização do mercado de trabalho.

“Agora que você está chegando ali numa saturação, tendo que a gente já está tendo finalização de falta de mão de obra, de escassez em algum segmento, é natural que isso vá dando uma suavizada e vá diminuindo esse saldo, porque tem muita gente empregada”, explica Tavares.

Saldo de admissões e desligamentos de segmentos do varejo (acumulado de 12 meses) – Fonte: CAGED, gráfico elaborado pela CNC

Os dados do setor também evidenciam impactos como a tragédia do Rio Grande do Sul. Como esperado, o estado perdeu muitos postos de trabalho e foi a maior queda apresentada no mês de maio.

Além disso, a paralisação de setores varejistas após as enchentes derrubou dados do segmento de vestuário, calçados e acessórios, que representou a maior queda no saldo mensal no setor.

Saldo de admissões e desligamentos de segmentos do varejo (maio de 2024) – Fonte: CAGED, gráfico elaborado pela CNC

Na análise do saldo acumulado, o segmento que se destaca negativamente é o de móveis e eletrodomésticos. De acordo com a explicação do economista, a categoria é uma das que mais sofre com os juros em patamares mais elevados, juntamente com o comércio automotivo.

Supermercados e shoppings

Na ponta positiva, os dados de hipermercados e supermercados refletem boas tendências no segmento. Em São Paulo, o setor supermercadista abriu 1,1 mil vagas nos quatro primeiros meses de 2024, de acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas). A expectativa para o primeiro semestre do ano é de abertura de 3,9 mil postos.

Há projeção positiva para abertura de postos pela Associação Brasileira de Shoppings Centers, segmento que somou 1,062 milhão de empregos diretos em 2023.

“O setor projeta um crescimento de 10% no número de empregos formais nos
próximos 5 anos, o que representa cerca de 100 mil novos postos de trabalho”, afirma Glauco Humai, presidente da Abrasce.

De acordo com Humai, o aumento nas vagas é impulsionado por diversos fatores, como a expansão do segmento, recuperação econômica do país, aumento do consumo das famílias. Além disso, o segmento aposta em investimentos em novos empreendimentos e modernização dos já existentes.

Pesquisas sobre mercado de trabalho

O mercado de trabalho pode ser acompanhado tanto pela PNAD do IBGE quando pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. As duas pesquisas são estatísticas do mercado de trabalho e diferente em natureza metodológica.

A PNAD apresenta informações da população na força de trabalho (e fora dela) através de declarações de entrevistados. Já o Caged fornece dados de registro administrativo alimentado todo mês por estabelecimentos.

Ambas pesquisas são sensíveis a fatores como a sazonalidade e o registro equivocado (seja pela modalidade de contrato de trabalho inexato ou a declaração pessoal).