Mês fatídico

“Buy in may”: por que o Ibovespa não seguiu o carma do mês e teve o melhor maio em 10 anos?

Neste ano, o sell in may não veio e o mercado virou completamente depois da turbulência dos 15 primeiros dias

SÃO PAULO – Há uma máxima no mercado de que maio sempre é um mês de queda forte na Bolsa. Mas toda regra tem exceção e o Ibovespa caminha para fechar este maio com alta de mais de 1%. Se a valorização se confirmar no fechamento desta sexta-feira (31), será a primeira vez desde 2009 em que a Bolsa avança nos 31 dias mais “azarados” do ano. E, desta vez, o motivo para isso está no Brasil. 

Conforme destaca Raphael Figueiredo, sócio-analista da Eleven Financial, o fato primordial que explica a alta da Bolsa neste maio é a melhor sintonia entre Executivo e Legislativo em relação à reforma da Previdência. “Foi uma virada para o entendimento de que a reforma tem grandes chances de sair. E os reflexos foram intensos, a curva de juros já precifica a reforma como aprovada”, afirma. 

Na terça-feira (28), os DIs desabaram 20 pontos-base e hoje o DI para janeiro de 2021 já opera a 6,49%, patamar abaixo da taxa básica de juros, Selic. 

PUBLICIDADE

Essa sintonia começou a ser construída após o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) assumir protagonismo na aprovação das pautas econômicas. No entanto, só deslanchou mesmo com as manifestações do dia 26, que pressionaram o Congresso sem apelar para radicalismos e trouxeram a pauta de defesa das reformas econômicas também para as ruas. 

No dia seguinte ao ato, Bolsonaro chamou Maia e os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal (STF), José Dias Toffoli, para firmar um pacto de apoio às reformas. O mercado gostou dessa atitude, que foi uma guinada no comportamento do presidente da República. Bolsonaro foi muito criticado no início do mandato por manter um tom de confrontamento com o Congresso simbolizado pela oposição entre velha e nova política e agora tem buscado maior pragmatismo. 

“Atribuo mais a uma mudança no perfil do presidente do que à manifestação em si. O [perfil no] Twitter dele já mudou, ele tem uma nova postura, entrando em sintonia maior com os presidentes das casas”, destaca Figueiredo. 

Maios de pânico

Tanto em 2017 como em 2018, além de cair em maio, a Bolsa foi também impactada por um grande evento causador de pânico que desencadeou a fuga de capitais. 

Em maio de 2017, o Ibovespa encerrou maio com uma perda de 4,1%, provocada pela delação do empresário Joesley Batista, que revelou uma conversa comprometedora com o então presidente Michel Temer.

Na época, investidores e analistas estavam animados com a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência, que foi sepultada com as revelações de Batista. No que ficou conhecido como “Joesley Day”, primeiro pregão após a delação, o Ibovespa caiu 8,8%. 

PUBLICIDADE

Já em maio de 2018, o detonador da crise nos mercados, e na economia, foi a greve dos caminhoneiros, que paralisou as rotas de abastecimento de produtos pelo país. O Ibovespa caiu 10,9% naquele mês. 

Sell in may

Mesmo quando não há eventos negativos, os pregões de maio costumam ser prejudicados pela menor liquidez dos mercados. É quando acontece o famoso fenômeno expresso pela rima em inglês “sell in may and go away” (venda em maio e vá embora), que explica nos Estados Unidos as fortes desvalorizações das bolsas neste mês, com investidores se adiantando ao período de menor liquidez no mercado diante das férias de verão.

Desta vez, o Ibovespa escapou desse história, mas o mesmo não pode se dizer dos principais índices internacionais, que sofreram em meio aos temores de acirramento da guerra comercial entre EUA e China e de desaceleração da economia global. 

Os índices S&P 500, Dow Jones e Nasdaq, das bolsas norte-americanas, desabaram 6,2%, 6,4% e 7,7%, cumprindo com o carma do mês.

Pesou sobre os mercados internacionais o acirramento das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. Os EUA anunciaram a imposição de uma tarifa de 25% sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, ameaçaram colocar a mesma taxa sobre outros US$ 325 bilhões, e ainda restringiram a atuação da Huawei no mercado de celulares.

Como retaliação, a China anunciou tarifas de 25% sobre US$ 60 bilhões em produtos norte-americanos e ameaça paralisar a exportação de terras raras, substâncias químicas amplamente utilizadas na indústria de alta tecnologia dos EUA. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa:abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações