Radar InfoMoney

Brookfield sairá da Bolsa com prêmio de 30%; Vale e mais 10 empresas no radar

Santander Brasil propõe bonificação e grupamento de ações; Chipley, subsidiária da Renova e Cemig, compra 51% da Brasil PCH; Comgás aprova plano de negócios e financeiro para 2014

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – A semana inicia agitada no mercado brasileiro, com destaque principalmente para a Óleo e Gás Participações (OGXP3), ex-OGX. A petroleira entregou na última sexta-feira seu plano de recuperação judicial à 4ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro, marcando uma nova fase do maior processo de recuperação judicial da América Latina. O plano prevê que o empresário Eike Batista deixará o controle da endividada empresa, cujas ações ficarão, em sua maioria, nas mãos de credores. Ele prevê ainda a conversão dos créditos concursais do Grupo OGX no valor total de US$ 5,8 bilhões, em ações de emissão da OGX, representativas de 25% do capital social da OGX após sua reestruturação.

Além disso, a petroleira informou a devolução à ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural de Biocombustíveis) dos complexos de Itacoatiara, Viedma, Tulum e Vesúvio, localizados na Bacia de Campos, e dos complexos de Natal e Belém, localizados na Bacia de Santos, após o indeferimento do pedido de prorrogação de prazo dos planos de descoberta pela ANPA empresa anunciou ainda a decisão de devolver à ANP o complexo de Curitiba, localizado na Bacia de Santos, alegando índice de produtividade reduzido, e também dos Campos de Tubarão Tigre, Tubarão Areia e Tubarão Gato, porque não foram encontradas soluções viáveis para o desenvolvimento técnico-econômico desses campos.

Capital da Brookfield será fechado
Já a Brookfield Brasil Participações (BISA3), controladora da Brookfield Incorporações confirmou, na noite da sexta-feira, que vai retirar a companhia da BM&FBovespa. A operação não foi uma surpresa, já que, no fim de janeiro, em resposta à notícia antecipada pelo InfoMoney, a controladora já havia informado que avaliava capitalizar a empresa ou fechar seu capital.

A operação será feita através de uma OPA (Oferta Pública de Ações) pelas 268,6 milhões de ações ordinárias da incorporadora em circulação no mercado e pelos 255,2 mil papéis ordinários em posse dos administradores. Na OPA, o preço máximo a ser oferecido será de R$ 1,60, o que embute um prêmio de 29% sobre a cotação do fechamento da última sexta-feira, de R$ 1,24.

Vale: estoques de minério de ferro alcançam nível recorde na China
A fraca demanda das siderúrgicas fez com que os preços de minério de ferro nos principais portos da China atingissem níveis recordes, de acordo com dados da umetal.com e publicados pela China Business News. Os estoques de minério de ferro nos 34 principais portos da China saltaram 4,56 milhões de toneladas na semana passada para 100,86 milhões de toneladas. As importações de minério de ferro também alcançaram um recorde em janeiro, a 86,83 milhões de toneladas. A notícia, segundo a XP Investimentos, é negativa para a Vale (VALE3; VALE5), que reforça o sentimento de possível desaceleração de preços de minério de ferro. Para os analistas, é bastante claro no momento que os estoques de minério encontram-se em patamares elevados. A última cotação mostrou elevação de 2,67%, passando para US$ 123,20 a tonelada. No entanto, eles seguem com visão atrativa para as ações da mineradora. 

Santander Brasil propõe bonificação e grupamento de ações
O Santander Brasil (SANB11) propôs uma bonificação de suas ações na proporção de cinco ações preferenciais para cada unit. Com a proposta, cada unit do banco passará a ser composta momentaneamente por 55 ações ordinárias e 55 ações preferenciais, com capitalização de R$ 171,8 milhões, informou o banco em comunicado. O banco também propôs um grupamento de suas ações, na proporção de 55 para uma, e consequente ajuste na composição de cada unit. As propostas serão votadas em assembleia de acionistas em 18 de março.

Chipley, da Renova e Cemig, compra 51% da Brasil PCH
A Renova Energia (RNEW11) e a Cemig (CMIG4) informaram que a Chipley Participações, subsidiária de ambas, realizou na referida data o pagamento pela aquisição de 51% da Brasil PCH, pelo valor atualizado total de R$ 739,9 milhões. A Chipley, sociedade da Renova e da Cemig GT, adquiriu 49% das ações da Brasil PHC da Petrobras (PETR3; PETR4) e outros 2% da Jopelba. A operação havia sido anunciada no fim de outubro. Na ocasião, as empresas disseram que dariam prosseguimento ao acordo de investimento para entrada da Cemig GT no bloco de controle da Renova após a conclusão do negócio.

Comgás aprova plano de negócios e financeiro para 2014
O Conselho de Administração da Comgás (CGAS5) aprovou um plano de negócios e financeiro para 2014, que inclui o orçamento do capital de R$ 782,9 milhões, em reunião realizada nesta sexta-feira. Na mesma ata, a empresa informou que registrou um lucro de R$ 620,2 milhões em 31 de dezembro de 2013, dos quais R$ 147,3 milhões são dividendos obrigatórios, referentes ao exercício de 2013. Segundo a empresa, o saldo de dividendos restante para pagamento é de R$ 48,6 milhões, sendo que R$ 37,3 milhões serão pagos às ações ordinárias, no valor de R$ 0,397304739095 por ação, e R$ 11,3 milhões serão pagos às ações preferenciais, no valor de R$ 0,437035213004 por ação.

Ronaldo Iabrudi é eleito para presidir Conselho da Via Varejo
O Conselho de Administração da Via Varejo (VVAR11), empresa de móveis e eletroeletrônicos do Grupo Pão de Açúcar (GPA), elegeu Ronaldo Iabrudi como novo presidente do Conselho no lugar de Michael Klein, conforme ata de reunião publicada na sexta-feira. 
Iabrudi irá acumular o posto de chairman da Via Varejo com a presidência-executiva do GPA, cargo assumido por ele em janeiro em substituição a Enéas Pestana. O executivo é o homem forte no Brasil do grupo francês Casino, controlador do GPA. Com mestrado e doutorado na França, o psicólogo assumiu a presidência do GPA menos de um ano após ser contratado como representante do Casino no país.

Grupo Pão de Açúcar quer mais lojas em 2014
O Grupo Pão de Açúcar (PCAR4) deverá manter seus investimentos neste ano em patamar similar ao do ano passado, quando chegaram a R$ 1,85 bilhão, mas acredita poder acelerar a expansão das lojas com a otimização do capital alocado. 
Em teleconferência com analistas nesta segunda-feira, o presidente da maior rede varejista do país, Ronaldo Iabrudi, afirmou que o grupo está focado no crescimento, mas com disciplina financeira. No ano passado, a companhia inaugurou 128 novas lojas em todas as suas divisões de negócios, que incluem supermercados e lojas de eletrodomésticos e móveis e comércio eletrônico. Até 2016, a expectativa é de abrir cerca de 645 unidades- uma média de 215 por ano -, conforme plano apresentado a investidores no fim de 2013.

Coelce: leilão acontece hoje
Hoje acontece a OPA da Coelce (COCE5), hoje, às 16 horas. A chilena Enersis, controladora da elétrica, está disposta a adquirir até a totalidade das ações ordinárias, preferenciais classe A e preferenciais classe B da Coelce em circulação no mercado, equivalentes a 39,9% do capital da companhia. O preço oferecido pela ofertante aos acionistas titulares das ações objeto da OPA é de R$ 49,00 por ação. Desta forma, a OPA poderá movimentar R$ 1,522 bilhão. O preço de aquisição representa um prêmio de 20,1% sobre o preço médio ponderado de cotação das ações preferenciais a na BM&FBovespa no fechamento dos 30 pregões anteriores a 13 de janeiro de 2014. Segundo a Enersis, a OPA voluntária tem por objetivo a consolidação, na ofertante, da participação acionária e do controle acionário da companhia. A ofertante já é controladora da companhia, possuindo indiretamente, por meio de sociedades por si controladas direta e/ou indiretamente, 58,87% do capital social total da companhia.

Sabesp: situação no sistema Cantareira ainda é crítica
A chuva que atingiu São Paulo nos últimos dias ainda não mudou a situação do sistema Cantareira, responsável pelo abastecimento de 9,8 milhões de pessoas na região metropolitana. De acordo com a Sabesp (SBSP3), o volume de água armazenado nas represas é de 18,5% da capacidade. Níveis abaixo dos 20% configuram situação extrema. Na segunda-feira passada, o sistema operava com 19,6% e, apesar da chuva, o índice tem caído todos os dias. Para aliviar a situação dos reservatórios, as chuvas precisam atingir as represas que ficam na divisa entre São Paulo e Minas Gerais. A companhia atribui a situação crítica das represas aos níveis de chuva e de calor distantes das médias históricas. Janeiro foi o mês mais quente desde o início dos registros, e teve menos de um terço da média de chuvas. Mesmo com as chuvas que devem começar a se intensificar no fim de fevereiro e atingir maior volume em março, os reservatórios do sistema Cantareira devem estar em situação crítica em abril, no começo do período de seca. Segundo a previsão, os reservatórios devem estar na temporada de seca operando com entre 35% e 40% de sua capacidade. 

Eletropaulo diz que queda de luz em alguns bairros deve-se a chuva
A AES Eletropaulo (ELPL4) informou, por conta do grande volume de chuvas que caiu sexta em todo o Sudeste do país, a distribuidora registrou cerca de 60 ocorrências envolvendo a queda de árvores de grande porte e galhos sobre a fiação elétrica. Foram afetados bairros como Vila Mariana, Paraíso, Moema e Ibirapuera. A interrupção no fornecimento de luz nesses bairros, porém, não está associada ao apagão que atingiu o país na semana passada, dia 4, quando 1,2 milhão de consumidores da Eletropaulo ficaram sem energia. Nesse caso, o blecaute foi determinado pelo próprio Operador Nacional do Sistema (ONS), devido a problemas nas linhas de transmissão que atendem o país.

Compartilhe