BrasilAgro (AGRO3) enfrenta problemas na cana e tem prejuízo de R$ 12,9 mi no 2º tri da safra 2022/23

Queda nas receitas não-recorrentes também ajuda a explicar o desempenho negativo da companhia, que projeta retomada na safra de grãos

Rikardy Tooge

Publicidade

A BrasilAgro (AGRO3) reportou nesta terça-feira (7) um prejuízo líquido de R$ 12,9 milhões no segundo trimestre da safra 2022/23, encerrado em dezembro. O resultado veio pior que o de igual período do ano-safra anterior, quando a companhia obteve lucro líquido de R$ 299,3 milhões.

O CEO da BrasilAgro, André Guillaumon, indica dois grandes fatores para justificar o prejuízo no trimestre. Um deles é a diferença de cerca de R$ 235 milhões no ganho obtido com a venda de áreas no segundo trimestre ano passado, quando a empresa faturou R$ 251,5 milhões no período – neste trimestre, o lucro foi de R$ 16,6 milhões, uma diferença de 93%.

Tirando a não-recorrência desta receita, também houve problemas na operação de cana-de-açúcar da BrasilAgro, que sazonalmente é o carro-chefe da companhia neste trimestre. Segundo cálculos do CFO, Gustavo Lopez, cerca de R$ 145 milhões deixaram de entrar no caixa da empresa por conta de uma combinação de quedas nos preços, custo de produção maior e produtividade comprometida.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Foi um somatório de situações. Tivemos diferença grande no imobiliário, mas a cana acabou sendo uma detratora maior. Enfrentamos pressão maior nos custos de produção e ainda tivemos que enfrentar um incêndio em uma de nossas áreas, que acabou afetando a produtividade da cana”, avalia Guillaumon.

Outro problema apontado pelo executivo foi o impacto da desoneração da gasolina e do diesel, que retirou a competitividade do etanol e distorceu os valores praticados no mercado. “A isenção atingiu todo o setor, tivemos uma perda de competitividade enorme”, lembra o CEO da BrasilAgro.

No trimestre, a BrasilAgro obteve receita líquida de R$ 183 milhões, ante R$ 665,6 milhões de igual período da safra 2021/22, com queda de 72,5%. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, em inglês) ajustado chegou a R$ 17,1 milhões, contra R$ 377 milhões no mesmo comparativo, uma baixa de 95,5%.

Continua depois da publicidade

No primeiro semestre do ano fiscal, a BrasilAgro registrou lucro líquido de R$ 29,1 milhões, queda de 92,8% em relação a igual período de 2021/22 (R$ 407,2 milhões). A receita foi de R$ 484,6 milhões (-49,4%) e Ebitda ajustado de R$ 124,3 milhões (-79,3%).

Embora a diferença chame a atenção, o desempenho é bem parecido com o observado no ciclo 2020/21, quando o desempenho no mercado de terras não foi tão relevante quanto o observado no ano passado.

Boa perspectiva para os grãos

Se a fotografia da primeira metade do ano-safra pode não animar os investidores, a BrasilAgro projeta uma safra de grãos que pode ajudar a obter um resultado operacional mais robusto. Guillaumon aponta que as quase duas dezenas de fazenda da empresa estão com clima favorável e expectativa de boa produtividade.

André Guillaumon, CEO da BrasilAgro
André Guillaumon, CEO da BrasilAgro: perspectiva é de bom resultado na operação de grãos (Divulgação)

As vendas antecipadas da BrasiAgro também indicam potencial de margem importante. Até o fim do segundo trimestre, a companhia havia negociado 65% da produção de soja, a um câmbio de R$ 5,52 e um valor por saca em linha com os preços internacionais.

No milho, cultura em que a negociação ganha força a partir do terceiro trimestre, 20% já foi negociado, enquanto a 60% da safra de algodão já foi vendida, a preços próximos ao de tela, com câmbio fechado em R$ 5,70.

Rikardy Tooge

Repórter de Negócios do InfoMoney, já passou por g1, Valor Econômico e Exame. Jornalista com pós-graduação em Ciência Política (FESPSP) e extensão em Economia (FAAP). Para sugestões e dicas: rikardy.tooge@infomoney.com.br