Ações em baixa

Futuros dos EUA voltam a atingir limite de baixa; ETF de S&P 500 despenca 9%

Os mercados reagem de maneira negativa às medidas extraordinárias anunciadas pelo banco central americano ontem

ações em queda
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os mercados reagem de maneira negativa às medidas extraordinárias, incluindo um novo corte de juros, anunciadas pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, na noite de domingo, na tentativa de amenizar os impactos na pandemia de coronavírus na economia.

O índice futuro do S&P 500 atingiu novamente o limite de baixa de 5% na manhã desta segunda-feira (16), assim como o futuro do Dow Jones e o futuro do Nasdaq. Às 8h27 (de Brasília), eles tinham baixa em torno de 4,5% cada um. Na noite de domingo, os futuros americanos já haviam atingido o limite de baixa de 5%, o que paralisou as negociações.

O ETF que acompanha o índice S&P 500 recuava 9,52% às 8h27, indicando que as bolsas americanas devem abrir em forte queda na sessão. O mercado espera que o circuit breaker de 7% seja acionado logo após o início das negociações. Os ETFs de Dow Jones e Nasdaq também caíam mais de 8%.

Aprenda a investir na bolsa

As bolsas de valores da Europa abriram e operam em forte desvalorização na manhã de hoje. Na Inglaterra, a queda era de 6,44% às 8h27; na Alemanha, a bolsa perdia 7,45%; na França e na Espanha – países que anunciaram medidas drásticas para combater o avanço do surto de coronavírus neste fim de semana –, a baixa era de 8,55% e 9,49%, respectivamente.

Os mercados aguardam a teleconferência dos presidentes dos bancos centrais dos países do G-7, que acontecerá mais tarde na manhã de hoje.

Na Ásia, as bolsas de valores fecharam na maioria em queda, mesmo após o anúncio do Banco do Povo da China, que injetou US$ 14,7 bilhões no mercado, reporta a CNBC News.

O índice Shanghai Composite, da China, terminou o pregão com desvalorização de 3,4%, enquanto o Nikkei, do Japão, caiu 2,5%. Na Coreia do Sul, a baixa foi de 4%.

Dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas da China na madrugada de hoje mostram que a economia piorou mais que o previsto no primeiro bimestre, com as vendas do varejo afundando 20,5% sobre igual período de 2018.

A estimativa de economistas entrevistados pela Reuters era de uma expansão de 0,5%.

PUBLICIDADE

No Japão, o BoJ, banco central do país, antecipou de terça-feira e quarta para hoje sua reunião de política monetária e anunciará novas medidas de estímulo, reporta a CNN.
O medo dos mercados é que os bancos centrais do G-7 tenham exaurido as ferramentas para combater os efeitos da pandemia do coronavírus sobre a economia.

“Os mercados agora parecem indefesos contra uma nova onda de sell-off. Por isto, é preciso que os bancos centrais do G-7 adotem passos mais firmes de política fiscal”, diz Stephen Innes, estrategista-chefe de mercados da Axi Corp., à CNN.

Invista contando com a melhor assessoria do mercado: abra uma conta gratuita na XP.