Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Bolsa busca manter 127 mil pontos; commodities ajudam, mas juros nos EUA atrapalham

Percepções são crescentes de que o Fed pode deixar suas taxas básicas no atual nível por mais tempo do que o imaginado

Estadão Conteúdo

Publicidade

A cautela em Nova York, diante das dúvidas quanto ao início do afrouxamento americano, limita o Ibovespa de subir, estimulado pela valorização das commodities. O petróleo avança acima de 1%, por tensões geopolíticas, e o minério de ferro subiu 3,09% em Dalian, na China.

Às 12h05, o Ibovespa oscila entre perdas e ganhos, na faixa dos 127 mil pontos.

“A alta das commodities ajuda. O petróleo voltou para casa dos US$ 88 o barril o Brent, referência para a Petrobras. É o único ativo além do minério a operar em alta”, descreve Bruna Centeno, sócia e especialista da Blue3 Investimentos.

Curso gratuito

Semana do Trader Sossegado

Uma semana de conteúdo prático e gratuito para você ter ganhos consistentes na bolsa operando apenas 30 minutos por dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na segunda-feira, o Índice Bovespa cedeu 0,87%, aos 126.990,45 pontos, sucumbindo ao clima parcimonioso nos Estados Unidos, após dados de manufatura do país elevarem dúvidas quanto ao início do afrouxamento monetário pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

Em meio a percepções crescentes de que o Fed pode deixar suas taxas básicas no atual nível por mais tempo do que o imaginado, crescem as expectativas pelas divulgações da semana. Hoje, saíram dados de emprego Jolts nos EUA de fevereiro, dentro do esperado. Já índice de encomendas à indústria do país subiu 1,4% em fevereiro ante janeiro, ante previsão de alta de 1%.

As bolas norte-americanas mantiveram o ritmo de queda em torno de 1,00% após os dados. Agora, ficam expectativas de discursos de integrantes do Fed nesta terça. Já o dólar se fortalece e os rendimentos dos Treasuries avançam.

Ontem, os juros do títulos do Tesouro dos EUA subiram com vigor em reação a sinais de recuperação na manufatura dos Estados Unidos, que sugeriram a possibilidade de atraso no começo da queda dos juros dos EUA. Aqui, os juros futuros têm viés de alta e o dólar ante o real cede, em dia de leilão de swap cambial extra pelo Banco Central.

Além da expectativa por discursos de membros do Fed, hoje, o mercado está à espera da divulgação do relatório oficial do mercado de trabalho americano, o payroll, de março, que sairá na sexta. “Essa semana sairão os dados de emprego dos Estados Unidos, que têm vindo fortes. E o Powell Jerome, presidente do Fed sinalizou que o mercado de trabalho seguirá apertado. O dado de ontem, de manufatura, fez o mercado operar de forma mais negativo, e mesmo com o petróleo subindo, os efeitos no Ibovespa podem ser pontuais”, acrescenta Bruna, da Blu3.

Ibovespa cai de leve

Às 12h05, o Ibovespa caia 0,02%, aos 126.962 pontos. O dólar à vista cedia 0,24%, a R$ 5,0463. Vale ON subia 1,63% e Petrobrás avançava entre 1,46% (PN) e 1,97% (ON).

As ações da 3R Petroleum eram destaque de alta, ao avançarem 3,96%, enquanto Petrorecôncavo, de baixa (-7,34%). Fora do Ibovespa, Enauta caia 4,96%.

A 3R Petroleum Óleo e Gás confirmou que recebeu carta da Enauta com proposta de combinação de negócios e que por isso, seu conselho de administração deliberou que os esforços internos para possível combinação de negócios entre a companhia e a Petrorecôncavo fossem momentaneamente suspensos.