Bitcoin vai disparar ou desabar com aprovação de ETF? Depende do prazo, mostram gráficos

Mercado espera decisão favorável de reguladores americanos nesta quarta-feira (10)

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

Impulsionado pelo iminente lançamento de um ETF (fundo de índice) à vista nos Estados Unidos, o Bitcoin (BTC) é negociado perto dos US$ 47 mil na tarde desta terça-feira (9). A criptomoeda, no entanto, deve alcançar os US$ 50 mil ainda neste mês – mas, só para na sequência desabar na ordem de 20%, aponta análise técnica.

Segundo cenário traçado pelo analista Fernando Pereira, da corretora cripto Bitget, a pedido do InfoMoney, o BTC superou todas as resistências – zonas de preços em que traders tendem a vender para realizar lucro – desde o segundo semestre de 2022: US$ 30.905, US$ 34.527 e, em dezembro, US$ 40.387. Mas ainda falta uma, a de US$ 49.869.

“Acredito que essa região vai ser alcançada em janeiro. Mas dificilmente o preço de um ativo sobe mais do que isso antes de um recuo. Muitos players venderão Bitcoin próximo dos US$ 50 mil, e a tendência é um recuo um pouco mais expressivo (pelo menos 20%)”, falou Pereira.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A projeção de queda, reforça o analista, é válida para o curto prazo. Depois do recuo causado pela realização de lucros, diz, o BTC pode subir para a sua máxima histórica de US$ 69 mil, alcançados pela primeira vez em novembro de 2021.

Fonte: Fernando Pereira, da corretora Bitget

A projeção dos gráficos coincide com a opinião de analistas fundamentalistas sobre o possível comportamento da criptomoeda caso a esperada aprovação do ETF nos EUA realmente ocorra na quinta-feira (10).

Para Theodoro Fleury, gestor da QR Asset Management, o Bitcoin pode cair, mas por um curto período. “Além de [o ETF] ser uma inovação importante que permitirá o acesso de grandes investidores institucionais a esse mercado, as instituições que estão se propondo a lançar esses ETFs são gigantes do mercado tradicional, sugerindo um fluxo de liquidez abundante e até então inexistente no ecossistema”, disse.

Continua depois da publicidade

Leia mais:

ETF à vista

O principal catalisador de alta do BTC é o tão aguardado ETF à vista da cripto dos Estados Unidos. Desde o ano passado, diversas gestoras tentam convencer a SEC, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários no país, a dar sinal verde para o produto. O prazo para a análise de uma das solicitações vence na quarta-feira (10).

Especialistas do setor acreditam que o regulador deve liberar não somente um, mas um lote de produtos. As chances de isso ocorrer, afirma a Bloomberg Intelligence, são de 90%.

Em relatório, o Standard Chartered Bank defendeu que os ETFs podem gerar entradas de US$ 50 a 100 bilhões somente em 2024, e comparou o potencial do produto com o primeiro ETF de ouro dos EUA: após o lançamento em 2004, o preço do metal subiu mais de quatro vezes em sete anos. “Nossa visão é que o mercado de ETFs de Bitcoin se desenvolverá mais rapidamente”, disse o relatório.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney