Dificuldades

Biden pede união, mas se prepara para batalha no Congresso

Sete horas após a posse, funcionários da Casa Branca se preparavam para a batalha legislativa, sinalizando um esforço maior de sua parte, se necessário

arrow_forwardMais sobre

(Bloomberg) — Joe Biden tenta remover as impressões digitais de Donald Trump das políticas governamentais dos EUA, mas seu antecessor deixou uma polarização partidária duradoura em Washington que ameaça a aprovação das medidas do novo presidente no Congresso.

Enquanto Biden pedia união em seu primeiro discurso no cargo, admitindo que se trata da “mais evasiva de todas as coisas em uma democracia”, suas prioridades — incluindo ajuda para os afetados pela pandemia do coronavírus — já enfrentavam obstáculos.

Senadores republicanos liderados por Mitt Romney, do estado de Utah, expressaram ressalvas em relação ao pacote de US$ 1,9 trilhão para tratar dos danos que a pandemia causou à economia. A deputada Liz Cheney, republicana de Wyoming que votou a favor do impeachment de Trump na semana passada, criticou a enxurrada de ações executivas de Biden em seu primeiro dia no cargo. Outros republicanos rejeitaram a proposta de Biden de reformulação das políticas de imigração, caracterizando-a como uma “anistia” para pessoas que entraram ilegalmente no país.

A rápida oposição dos republicanos — agora em minoria nas duas casas do Congresso — sugere um caminho difícil para a agenda de Biden no Capitólio. Sete horas após o juramento de posse, os funcionários da Casa Branca se preparavam para a batalha legislativa, sinalizando um esforço maior de sua parte, se necessário.

“A clara preferência dele é seguir em frente com um projeto de lei bipartidário, não há dúvida sobre isso”, afirmou a secretária de imprensa de Biden, Jen Psaki, a respeito do pacote de estímulo. “Mas também não vamos tirar nada da mesa para que a Câmara e o Senado resolvam esse pacote urgente”, acrescentou ela, se referindo a um procedimento pelo qual o projeto passaria no Senado apenas com a maioria dos votos.

Leia também: Biden presidente: o que esperar do novo governo americano

Após o infrutífero debate sobre se Biden realmente venceu a eleição, os dois partidos voltaram às suas disputas tradicionais: quanto dinheiro o governo deve gastar, se pessoas sem documentos que vivem no país merecem a chance de tentar a cidadania, quais são os limites do poder executivo.

O cargo foi passado a Biden em um juramento na quarta-feira no Capitólio durante uma cerimônia realizada com forte esquema de segurança e que transcorreu sem incidentes. Depois do evento solene que incluiu procissão militar e desfile, o presidente se concentrou nas prioridades imediatas: conter a pandemia e reverter as políticas de Trump.

PUBLICIDADE

Biden assinou diversas ações executivas na noite de quarta-feira, incluindo o uso obrigatório de máscaras em propriedades federais e a prorrogação da suspensão dos despejos e execuções de hipotecas. Ele anunciou a volta dos EUA ao Acordo de Paris para o clima e revogou a licença que Trump havia dado para a construção do polêmico oleoduto Keystone XL.

Onde Investir 2021**

**Baixe de graça o ebook e participe do evento com os melhores especialistas do mercado:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.