BB (BBAS3) aposta em consignado e financiamento de veículos para crescer em 2024; “payout” de 45% será mantido

Instituição prevê uma expansão do crédito acima do planejado pelos concorrentes

Ana Paula Ribeiro

Publicidade

O Banco do Brasil (BBAS3) espera que a carteira de crédito total cresça entre 8% e 12% em 2024, acima do esperado pelos grandes concorrentes privados. Esse desempenho deve vir de um incremento nas concessões dos empréstimos consignados, em especial para trabalhadores do setor privado, e do financiamento de veículos.

Além disso, a instituição não pretende fazer novas alterações no pagamento dos dividendos após a elevação do “payout” de 40% para 45%.

“Na pessoa física, temos espaço para crescer em linhas de baixo risco. No consignado para beneficiários do INSS, ainda não alcançamos a nossa fatia justa. Temos um espaço par buscar. Em veículos, temos um reforço da nossa parceria com o Votorantim. (…) É uma linha com garantia e ainda temos um parceiro forte. E eu ainda diria que buscamos o consignado do setor privado”, disse Tarciana Medeiros, presidente do BB, em teleconferência para analistas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.


A instituição apresentou um lucro de R$ 9,4 bilhões no quarto trimestre de 2023, alta de 4,8%.


A carteira de crédito ampliada do BB terminou 2023 em R$ 355,3 bilhões, alta 14,7% na comparação com dezembro de 2022. Para 2024, o guidance (projeção) é mais otimista que o dos principais concorrentes. O Itaú, por exemplo, espera que a carteira cresça entre 6,5% a 9,5%, enquanto o Bradesco entre 7% e 11%.

Para a executiva, na pessoa física, há também chances de crescimento na modalidade de “home equity”, que são os financiamentos feitos sob a garantia de um imóvel. É esperada a expansão das concessões dessa linha devido a aprovação de um novo marco de garantias. Ao todo, a expectativa é que a carteira da pessoa física cresça entre 6% e 10%.

Continua depois da publicidade

Já para a pessoa jurídica, em que o guidance aponta para uma expansão entre 7% e 11%, a instituição pública vê espaço para o crescimento entre as pequenas e as médias empresas, uma vez que são cerca de 2 milhões de clientes, mas apenas 800 mil possuem linhas de crédito.

Para o agro, a projeção é a mais otimista, com um crescimento da carteira entre 11% e 15%.

“Estamos muito seguros do guidance que estamos declarando ao mercado. Quando falamos do agro, estamos falando do maior Plano Safra, de R$ 240 bilhões, sendo que R$ 140 bilhões já foram executados. Temos esse semestre para executar o restante e estamos confiantes para o plano de 2024/25”, contou.

Crédito sustentável

O BB ainda se comprometeu com um guidance vinculado à carteira sustentável, que inclui os financiamentos destinados a negócios sociais, boas práticas sustentáveis e agricultura de baixo carbono. Essas operações, nos três segmentos de clientes, devem crescer entre 5% e 9% em 2024. Essa carteira ESG terminou 2023 totalizando R$ 343,1 bilhões, alta de 4,8% em relação ao ano de 2022.

Outro compromisso do banco é que, até 2030, a carteira sustentável alcance a cifra de R$ 500 bilhões.

E em paralelo ao crescimento da carteira de crédito, o banco espera um controle maior em relação à carteira da pessoa jurídica, que terminou o ano com uma inadimplência (atrasos acima de 90 dias) de 3,37%, alta de 1,54 ponto percentual em 12 meses. Essa elevação foi consequência da recuperação judicial de uma grande empresa.

De acordo com Geovanne Tobias, vice-presidente financeiro do banco, sem o efeito dessa recuperação judicial, a inadimplência nesse segmento de cliente teria ficado em 2,83%.

Já a inadimplência da carteira total ficou em 2,92%, alta de 0,41 ponto percentual. “Estamos gerindo a carteira de pessoa jurídica com bastante foco. Assim como fizemos no ciclo de pessoa física, a gente vai estabilizar essa inadimplência”, disse.

Sem dividendos extraordinários


Na quinta-feira à noite, o BB anunciou a elevação do payout (pagamento de dividendos em relação ao lucro) de 40% para 45% no exercício de 2024, via juros sobre o capital próprio (JCP) e ou dividendos.

Ao todo, serão oito pagamentos, sendo quatro pagamentos realizados ao longo dos trimestres de referência, de forma antecipada, e outros quatro pagamentos complementares.

De acordo com Tobias, o objetivo é dar maior previsibilidade ao acionista e por isso o banco não deve promover ao longo do ano o pagamento de dividendos extraordinários.

OPA da Cielo


Medeiros afirmou ainda que fechar o capital da Cielo (CIEL3) irá contribuir para que a empresa ofereça serviços mais competitivos ao cliente, em um ambiente em que os concorrentes crescem rapidamente. A executiva mostra confiança na realização da OPA, que foi anunciada na segunda-feira (5).

“Decidimos fechar o capital da Cielo para sermos mais assertivos nesse negócio de adquirência (captura e compensação de transações de pagamento). Precisamos de serviços ainda mais competitivos. (…) Confiamos no êxito dessa oferta pública”, disse em teleconferência a analistas.

BB, Bradesco (BBDC4) e Elopar anunciaram que irão realizar o fechamento de capital da adquirente. O preço ofertado para cada ação objeto da OPA será de R$ 5,35, 6,4% acima do fechamento do papel da segunda-feira – o anúncio foi feito poucas horas após o encerramento do pregão.

Para Medeiros, ter um maior controle da Cielo irá ajudar na estratégia do banco em busca da “principalidade dos clientes pessoa jurídica”. A ideia é aperfeiçoar o relacionamento com esses clientes a partir da oferta de serviços. “Com a adquirência, podemos ter o fluxo de caixa, conhecer melhor e aperfeiçoar o relacionamento com esse cliente.”

Ana Paula Ribeiro

Jornalista colaboradora do InfoMoney