Ata do Copom, IBC-Br no Brasil e PIB nos EUA: o que acompanhar na semana

Tudo o que o investidor precisa saber antes de operar na semana

Camille Bocanegra

Publicidade

Mais uma semana agitada se encerrou, com as decisões das taxas básicas de juros tanto pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central por aqui quanto pelo FOMC (equivalente ao Copom, vinculado ao Federal Reserve).

Com agenda mais esvaziada, o principal dado que será divulgado nesta semana será justamente a Ata do Copom, que deverá reforçar os pontos apresentados no comunicado que acompanhou a decisão desta semana. Há expectativa de que o documento, que será divulgado na terça-feira (19), também traga mais indicações sobre o cenário que o BC considera para os próximos passos da política monetária brasileira.

Antes disso, os semanais IPC-S da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o relatório Focus serão apresentados na segunda, juntamente com os dados da sondagem industrial realizada pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e a balança comercial pela Secex. No dia seguinte, além do documento do Copom, será conhecida outra sondagem da CNI, sobre indústria da construção com dados de dezembro, e monitor do PIB de outubro, da FGV.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A fundação apresentará, na quarta, os dados de indicador de comércio exterior de novembro, enquanto o Banco Central trará o índice IBC-Br de atividade econômica de outubro, para o qual o mercado projeta estabilidade, e os números semanais de fluxo cambial.

“A divulgação estava inicialmente programada para 15 de dezembro e foi adiada para quarta-feira (20 de dezembro) do IBC-Br. Esperamos que o IBC-Br recue 0,1% mês/mês (ajustado sazonalmente) (+1,7% ano/ano), somando os dados de outubro sobre produção industrial (+0,1%), vendas no varejo (amplo: -0,4%; núcleo: -0,3%) e receita real do setor de serviços (-0,6%)”, comenta a equipe econômica do Itaú.

A CNI divulgará dados de resultados setoriais de dezembro e, no dia seguinte, o BC traz o relatório trimestral de inflação, com as mais referentes projeções do banco, que deverá atrair atenções.

Continua depois da publicidade

Por fim, na sexta-feira, será conhecida a sondagem do consumidor, elaborada pela FGV, enquanto o BC divulgará IDP e transações correntes de novembro. “Ao longo da semana, podemos ter o resultado da Arrecadação Federal, que deve apresentar um crescimento real próximo de zero em novembro. Ainda sem efeitos substanciais das medidas de arrecadação, o destaque positivo será novamente a arrecadação previdenciária”, comenta o Bradesco. A estimativa do Itaú para o dado é de R$ 178 bilhões.

No campo político, o destaque é para a aprovação do chamado “projeto de subvenção”, de acordo com o Itaú. A proposta foi aprovada no Comitê Misto e deverá ser votada nas duas casas legislativas nos próximos dias. Na sexta-feira, foi aprovado o texto-base da reforma tributária em primeiro turno e o tema deve seguir na pauta.

PIB nos EUA e dados de consumo na Zona do Euro 

Lá fora, os próximos dias serão marcados pela divulgação do PIB do terceiro trimestre, em sua terceira revisão, na quinta-feira (21). A expectativa do mercado é de crescimento de 5,2% na comparação trimestral.

Antes disso, o Federal Reserve abre a semana apresentará a sondagem de negócios de dezembro e o índice de confiança do consumidor. Na quarta-feira, serão divulgados os dados de transações correntes do terceiro trimestre e confiança do consumidor de dezembro pelo Conference Board. Além do PIB, na quinta-feira são apresentados os dados semanais de pedidos de auxílio desemprego, bem como o índice de atividade do Fed Filadélfia. O Conference Board realizará a divulgação de indicadores antecedentes, com dados de novembro.

A semana será encerrada com dados de rendimento pessoal em novembro, com projeção do mercado de 0,4% na comparação mensal, e de gastos pessoais de novembro, que tem estimativa de alta de 0,2% em relação a outubro. Na sexta, haverá também a apresentação do deflator do PCE de novembro e do índice de confiança da Universidade de Michigan, com projeção LSEG de 69,4.

A agenda ficará mais esvaziada, com divulgação do clima de negócios de dezembro na Alemanha e decisão de política monetária do Banco Central do Japão na segunda-feira. A zona do Euro apresentará seu índice de preço ao consumidor de novembro, na terça, e, no dia seguinte, divulgará seus dados de confiança do consumidor de dezembro.

A Alemanha trará o índice de preço ao produtor, com dados de novembro, na quarta, e a semana será fechada com PIB do Reino Unido do terceiro trimestre.