Em exchanges descentralizadas

Apesar do momento de baixa 100 criptos foram criadas apenas na última semana, diz Morgan Stanley

Segundo analistas do banco, apesar da queda nos preços das criptomoedas, a criação de ativos digitais permanece alta

Por  Mariana Nântua -

Apesar da queda de preço recente das criptomoedas, a criação de ativos digitais permanece alta e mais de 100 foram criados apenas na última semana, principalmente em exchanges descentralizadas, afirmou o banco Morgan Stanley em nota.

Em relatório publicado na terça-feira (26), o banco afirma que o crescimento do número de usuários de finanças descentralizadas (DeFi) acompanhou os preços do Ethereum (ETH).

DeFi é um termo abrangente usado para empréstimo, trading e outras atividades financeiras que ocorrem em uma blockchain, sem precisar de intermediários tradicionais.

Criptomoedas vêm sendo negociadas como ativos de risco desde a expansão monetária dos bancos centrais, mas a política mais austera implementada recentemente pelo Federal Reserve indica que o “impulso das negociações de criptomoedas movidas pela liquidez” foi revertido, disseram os analistas do banco.

Segundo o Morgan Stanley, o crescimento do valor de mercado do Bitcoin (BTC) acompanhou o crescimento do dólar M2 em circulação, apontando que a capitalização das criptos cresceu 10 vezes desde o começo de 2020, em meio à expansão monetária.

Após atingir um pico de US$ 2,92 trilhões em novembro do ano passado, o valor do mercado de criptomoedas caiu para menos de US$ 2 trilhões.

O banco observou que a atividade de trading foi fraca durante a “tendência de baixa do mercado de criptomoedas”, com volumes em exchanges chegando a US$ 750 bilhões em março — metade do pico de novembro de 2021. Segundo o Morgan Stanley, no geral, os volumes de trading seguem o preço do Bitcoin.

O relatório apontou que, desde o começo de 2020, o BTC apresenta uma correlação alta com ações e quase zero com o ouro, indicando que a criptomoeda está mais correlacionada com ações dos setores de mídia e entretenimento, visto que ambos são conduzidos por fatores parecidos.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe