Agrogalaxy (AGXY3) tem alta de 116% no prejuízo do 1º trimestre; receita cai 11%

Redução do Ebitda prejudicou o resultado da empresa

Equipe InfoMoney

Publicidade

Agrogalaxy (AGXY3) registrou um prejuízo líquido ajustado de R$ 96,6 milhões no 1º trimestre deste ano, um crescimento de 116,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo a empresa, a variação negativa do resultado líquido reflete a redução do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado.

O Ebitda ajustado atingiu R$ 58,6 milhões, uma queda de 55%, enquanto a margem ajustada atingiu 2,1%, redução de 2,0 p.p. em relação ao mesmo período do ano anterior, devido ao menor lucro bruto.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Além disso, conforme a Agrogalaxy, o lucro foi impactado pela alta da taxa Selic na comparação entre os períodos.

“Compensando parcialmente esses efeitos, houve melhoria na rubrica de ajuste a valor presente do resultado financeiro, fruto dos esforços da Companhia em repassar os custos financeiros aos clientes”, destacou.

Mais sobre Agrogalaxy (AGXY3)

Conforme a empresa o lucro bruto somou R$ 324 milhões, uma queda de 21%, por conta do decréscimo de receita e margens mais baixas nos segmentos de fertilizantes e herbicidas, “como reflexo da volta à normalidade em seus fornecimentos e altos inventários na cadeia”.

Continua depois da publicidade

Assim, a margem bruta de insumos foi de 15,1% (-3,2 pp) e de grãos de 1,6% (+0,6 pp).

A receita líquida, por sua vez, somou R$ 2,785 bilhões, retração de 11,4%. Desse total, R$ 1,577 bilhão veio de resultados de insumos (-6,8%) e R$ 1,208 bilhão de grãos (-16,9%).

As vendas mesmas lojas recuaram 6,7%, enquanto a variação em volume foi de -6% e em preço de -0,8%.

O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 127,6 milhões, uma queda de 16,2%.

A dívida líquida atingiu R$ 1,847 bilhão, alta de 61,2%, enquanto a alavancagem ficou em 2,9 vezes ao final do 1º trimestre, ante 2,3 vezes de 12 meses antes.