Volta do feriado

ADRs brasileiros despencam com coronavírus durante Carnaval e prenunciam sessão de forte queda na B3

Sessão começa apenas às 13h com expectativa de forte queda para a bolsa brasileira em meio a dois dias de baixa do índice Brazil Titans 20

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após dois dias de bolsa fechada por conta do Carnaval, a sessão desta quarta-feira (26), que terá início apenas às 13h (horário de Brasília), deve ser de forte queda para a B3. Enquanto o Brasil estava no feriado, as bolsas lá fora registraram forte queda, com a situação do coronavírus se agravando ao espalhar pela Europa e os EUA demonstrando cada vez mais preocupação com o impacto das doenças no mercado.

As principais ações de empresas brasileiras, apesar de não sentirem o impacto por aqui, viram os efeitos do aumento das preocupações com o coronavírus serem sentidos no exterior. O Dow Jones Brazil Titans 20 ADR, que compila o desempenho dos 20 ADRs brasileiros mais líquidos no mercado americano, teve queda de 4,81% na segunda-feira e baixa de 1,99% na terça, acumulando baixa de 6,71% em apenas duas sessões.

Já o principal fundo de índice brasileiro (ETF), iShares MSCI Brazil (EWZ), teve baixa de 1,41% na véspera, acumulando perdas de 6,33% nas últimas duas sessões.

Aprenda a investir na bolsa

Os recibos de ações da Petrobras (PETR3;PETR4) negociados na NYSE registraram queda de 9,08% para os papéis equivalentes aos preferenciais e de 8,62% para os ativos ordinários. Os papéis da Vale (VALE3), por sua vez, tiveram a sua maior variação entre as maiores baixas de ADRs de grandes empresas brasileiras na NYSE, de 9,72%. Siderúrgicas como Gerdau (GGBR4) também tiveram queda de 8%.

Bancos como Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC4), Santander Brasil (SANB11) também tiveram forte baixa , com quedas respectivas de 7,48%, 5,15% e 7,21% nos dois dias em que a B3 esteve fechada.

Confira o desempenho dos ADRs nestes dois dias e seus respectivos pesos no índice Dow Jones Brazil Titans 20 ADR:

EmpresaVariação na semanaPeso no índice
Itaú Unibanco-7,48%10,56%
Vale-9,72%10,11%
Bradesco-5,15%8,58%
Petrobras PBRA (preferencial)-9,08%8,33%
Telefônica Brasil-4,35%5,53%
Sabesp-5,86%5,40%
Petrobras PBR (ordinária)-8,62%5,31%
Ambev-1,63%4,92%
Gerdau-8,45%4,78%
BRF-5,06%4,58%
Ultrapar-7,63%3,83%
Santander Brasil-7,21%3,65%
Cemig-5,74%3,48%
Azul-7,48%3,34%
TIM Participações-4,04%3,34%
Embraer-5,39%3,31%
Pão de Açúcar-5,16%3,06%
Eletrobras-4,92%3,00%
CSN-8,50%1,94%
Copel-5,71%1,89%
Gol-9,61%1,06%

O Covid-19 se espalha pela Europa, com Suíça, Croácia e Áustria registrando os primeiros casos. Na Itália, o número de mortes subiu para 11 e o número de casos está em 322.

Foi confirmado também o primeiro caso na Catalunha, levando o total na Espanha para cinco. No Irã, foram relatadas 95 infecções e 15 mortes; o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou durante coletiva de imprensa que o governo americano está “profundamente preocupado” com a possibilidade de o Irã ter suprimido informações vitais sobre os casos de coronavírus no país.

Na véspera, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alertou que o vírus atingirá o país em breve e, desta forma, após um início de sessão em que as bolsas por lá apontavam para a recuperação, o temor voltou ao radar dos mercados. O Dow Jones fechou em queda de 3,15%, o S&P500 em baixa de 3,03% e o Nasdaq em queda de 2,77%. O VIX, índice que mede a expectativa de volatilidade do mercado de ações dos Estados Unidos, subiu 11,3%.

PUBLICIDADE

O Ministério da Saúde confirmou durante coletiva nesta quarta o primeiro caso de uma pessoa infectada com o coronavírus no Brasil – e o primeiro na América Latina. Após um teste dar positivo na noite de ontem, um exame de contraprova feito pelo instituto Adolfo Lutz confirmou o caso. De acordo com o Ministério, trata-se de um homem de 61 anos, residente em São Paulo, que “traz o histórico de viagem para a Itália, na região da Lombardia (norte do país), a trabalho, sozinho, no período de 9 a 21 de fevereiro”. A Itália é o país europeu mais afetado pela doença.

Já o Brasil teve nesta terça-feira um primeiro teste positivo de coronavírus. Trata-se, segundo o Ministério da Saúde, de um homem de 61 anos, residente em São Paulo, com histórico de viagem para a Itália, na região da Lombardia (norte do país), a trabalho, sozinho, no período de 9 a 21 de fevereiro. De acordo com informações do jornal O Globo e do Estadão, a contraprova foi realizada nesta quarta-feira e o diagnóstico foi positivo para a doença.

Em meio a tantas incertezas, os investidores tentam gerenciar riscos e descobrir quanto da queda das ações e rali do títulos é razoável, dada a escalada de casos do vírus, conforme destaca a Bloomberg. A perspectiva negativa do coronavírus para o crescimento da economia global já levou o rendimento dos títulos de longo prazo do Tesouro dos EUA para uma mínima histórica, o franco suíço à cotação mais alta desde 2015 em relação ao euro e o preço do ouro para o maior nível em sete anos.

As estimativas para o impacto econômico do vírus variam muito. A Oxford Economics calcula que uma crise internacional da saúde pode ser suficiente para eliminar mais de US$ 1 trilhão do PIB global, enquanto o Fundo Monetário Internacional acredita que o vírus diminuirá em apenas 0,1% sua previsão de crescimento global de 3,3% para 2020.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

(Com Agência Estado, Agência Brasil e Bloomberg)